Main Article Content

Resumo

O estudo verificou o efeito da estimulação cerebral associada aos exercícios com alta demanda cognitiva em variáveis cognitivas e atividade cerebral de idosos com CCL. 18 idosos de ambos os gêneros, idade igual ou superior a 60 anos, diagnosticados com CCL foram divididos em Grupo Controle (GC, n=8); Grupo Experimental (GE, n=10). Foram avaliados o tempo de reação, memória de trabalho e potência relativa das ondas cerebrais. O GC permaneceu frequentando reuniões de treinamento da memória. O GE teve estimuladas as ondas cerebrais Alfa associado a atividades motoras que exigiam alta demanda cognitiva. Foram feitas sessões semanais de 15 min de estimulação cerebral + 25 min de atividades motoras durante 7 semanas. Após esse período os indivíduos tiveram novamente as variáveis avaliadas. Teste T foi utilizado nas comparações e verificou-se de forma descritiva que o GE obteve um desempenho melhor que o grupo controle nos testes. Na potência das ondas cerebrais Teta e Delta o GC registrou aumento Teta nas áreas parietais, e Delta tanto nas áreas parietais quanto frontais. O GE teve diminuição da potência da onda Teta nas áreas parietais e frontais. A potência da onda Alfa diminuiu em ambos os grupos, com menor redução no GE. Nenhuma das comparações entre os grupos se mostrou significantes estatisticamente. Conclui-se que a associação dos estímulos físicos e cognitivos aplicados em sessões semanais de 40 minutos durante 7 semanas não foi suficiente para produzir resultados estatisticamente significativos. Contudo, os resultados descritivos observados se assemelham aos de outros que apontam a eficiência de treinamentos que associem estímulos físicos e cognitivos durante períodos de intervenção mais prolongados.

Palavras-chave

Comprometimento cognitivo leve; Demência; Exercício físico; Estimulação cerebral.

Article Details

Biografia do Autor

Mauricio Rocha Calomeni, ISECENSA

Possui graduação em Educação Física pela Universidade Estácio de Sá (2005) e mestrado em Ciencia da Motricidade Humana pela Universidade Castelo Branco (2008), doutorado em Saúde Mental no Instituto de Neuropsiquiatria (IPUB/UFRJ), e, atualmente cursando pós-doutorado em Enfermagem e Biociências na Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO). Coordenador do Curso de Educação Física dos Institutos Superioires de Ensinio do Censa (ISECENSA) e da linha de pesquisa Efeitos do treinamento mental e estimulaçao cortical aplicados na performance e desenvolvimento humano. Presidente do Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos dos Institutos Superiores de Ensino do CENSA. Presidente da Associação de Profissionais de Educação Física do Norte e Noroeste Fluminense (APEF-Norte Noroeste Fluminense). Palestras e cursos ministrados no Brasil, Espanha e México. Diversos trabalhos publicados com ênfase em neurociência, atuando principalmente nos seguintes temas: exercício físico e desempenho cognitivo, aprendizagem motora, neuromodulação não invasiva .

Como Citar
Barcelos, E. V., Casarsa, D., Filho, G. O., Delani, D., & Calomeni, M. R. (2021). Estimulação cerebral não-invasiva e exercícios físicos impactam variáveis cognitivas de idosos com comprometimento cognitivo leve. Biológicas & Saúde, 11(37), 36-49. https://doi.org/10.25242/8868113720212274
Share |

Referências

  1. ARÊAS NETO, N.T.; et al. Estimulação cortical: efeitos agudos sobre variáveis bioperacionais em jogadores armadores de basquetebol. Revista Digital EFdeportes.com, v. 15, p. 150, 2010.
  2. BRANCO, L. P. A. et al. Desempenho no futebol: estimulação cerebral e neurônios espelho. Biológicas & Saúde, v. 10, n. 34, p. 16-32, 2020.
  3. CALOMENI, M.R. et al. Brain stimulation used as biofeedback training for recovery of motor functions deteriorated by stroke. Arquivos de neuro-psiquiatria, v. 71, n. 3, p. 159-164, 2013.
  4. CALOMENI, M. R. et al. Treinamento Mental e Estimulação Cerebral: Efeitos na Memória de Trabalho de Crianças com Dificuldade de Aprendizagem. Humanas & Sociais Aplicadas, v. 8, n. 22, 2018.
  5. CALOMENI, M. R. et al. Modulatory effect of association of brain stimulation by light and binaural beats in specific brain waves. Clinical practice and epidemiology in mental health: CP & EMH, v. 13, p. 134, 2017.
  6. CAMARANO, A. A.; KANSO, S.; FERNANDES, D. Envelhecimento populacional, perda de capacidade laborativa e políticas públicas. 2013.
  7. CARANELLI, P. et al. Diagnóstico de doença de Alzheimer no Brasil. Exames complementares. Dementia & Neuropsychologia, v. 5, n. 1, p. 11-20, 2011.
  8. CARIELO, A.A. et al. Acute effects of brain stimulation in short-term memory of young persons. Academia Arena, v. 2, n. 3, p. 5-14, 2010.
  9. COELHO, F. G. M. et al . Atividade física sistematizada e desempenho cognitivo em idosos com demência de Alzheimer: uma revisão sistemática. Rev. Bras. Psiquiatr., São Paulo , v. 31, n. 2, p. 163-170, June 2009 . Available from . access on 16 Nov. 2020. https://doi.org/10.1590/S1516-44462009000200014
  10. CONSORTIUM, B. Randomized trial on the effects of a combined physical/cognitive training in aged MCI subjects: the Train the Brain study. Scientific Reports, v. 7, p. 39471, 2017.
  11. COSTA, A. R. D.; SEQUEIRA, C. Efetividade de um Programa de Estimulação Cognitiva em Idosos com Défice Cognitivo Ligeiro. Revista Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental, Porto , n. 9, p. 14-20, jun. 2013 . Disponível em . acessos em 12 nov. 2020.
  12. ESCOSTEGUY, C.C. Tópicos Metodológicos e Estatísticos em Ensaios Clínicos Controlados Randomizados. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, v. 72, n. 02. Rio de Janeiro, 1999.
  13. GONÇALVES, D. et al. Avaliação das funções cognitivas, qualidade de sono, tempo de reação e risco de quedas em idosos institucionalizados. Estudos Interdisciplinares sobre o envelhecimento, v. 19, n. 1, p.95-108, 2014.
  14. JERÔNIMO, G.M. Envelhecimento sadio, Comprometimento Cognitivo Leve e doença de Alzheimer: um estudo das estratégias comunicativas na narrativa oral. Revista Letras de Hoje, v.53, n.1. Porto Alegre, Jan/Mar. 2018. http://dx.doi.org/10.15448/1984-7726.2018.1.28894.
  15. JURCAK, V.; TSUZUKI, D.; DAN, I. 10/20, 10/10, and 10/5 systems revisited: their validity as relative head-surface-based positioning systems. Neuroimage, v. 34, n. 4, p. 1600-1611, 2007.
  16. LIMA, A. P. et al. Avaliação da eficácia de um programa de estimulação cortical para melhora da atenção de crianças com TDAH. Saúde (Santa Maria), v. 40, n. 1, p. 71-76, 2014.
  17. LIMA NETA, A.G. et al. Eficácia do treinamento cognitivo associado ao exercício físico em indivíduos com doença de Alzheimer: uma metanálise. Research, Society and Development, v. 9, n. 12, p. e15791211022-e15791211022, 2020.
  18. LUCKHAUS, C. et al. Quantitative EEG in progressing vs stable mild cognitive impairment (MCI): results of a 1‐year follow‐up study. International Journal of Geriatric Psychiatry: A journal of the psychiatry of late life and allied sciences, v. 23, n. 11, p. 1148-1155, 2008.
  19. MAIA, D. V. F. et al. Exercício Físico na Pessoa com Demência: Revisão Sistemática de Literatura. Revista Portuguesa de Enfermagem e Reabilitação, Porto, v2, n1, p. 27, 2019. Disponível em: https://www.aper.pt/ficheiros/revista/RPERv2n1.pdf#page=27
  20. MARLATS, F. et al. Comparison of effects between SMR/delta-ratio and beta1/theta-ratio neurofeedback training for older adults with Mild Cognitive Impairment:a protocol for a randomized controlled trial. Trials, v. 20, n. 1, p. 88, 2019.
  21. MARQUES, L.J. et al. Padrão de atividade cortical ótima para aprendizagem hábil-motriz e cognitiva. Fitness & Performance Journal, v. 5, n. 3, p.177-186, 2006.
  22. MCEWEN, S. C. et al. Simultaneous aerobic exercise and memory training program in older adults with subjective memory impairments. Journal of Alzheimer's Disease, v. 62, n. 2, p. 795-806, 2018.
  23. MINAYO, M.C.S., et al. Longevity:bonus or onus? Revista Scielo, v.24, n.01. Rio de Janeiro, 2019. Disponível em Acesso em 07 ago 2019.
  24. NASCIMENTO E. WAIS-III: manual para administração e avaliação. São Paulo: Casa do Psicólogo; 2004.
  25. NETTO, T. M. et al. Efeito de um programa de treinamento da memória de trabalho em adultos idosos. Psicologia: Reflexão e Crítica, v. 26, n. 1, p. 122-135, 2013.
  26. OKAMURA, H. et al. Combined exercise and cognitive training system for dementia patients: a randomized controlled trial. Dementia and geriatric cognitive disorders, v. 45, n. 5-6, p. 318-325, 2018.
  27. OKANO, A. H. et al. Estimulação cerebral na promoção da saúde e melhoria do desempenho físico. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, v. 27, n. 2, p. 315-332, 2013.
  28. OKAZAKI, V.H.A. Software Reaction Time Task. v.2.0 2011. Disponível em: www.okazaki.webs.com. Acesso em 30 de abr. 2019.
  29. ORCIOLI-SILVA, D. et al. A program of physical activity improves gait impairment in people with Alzheimer's disease. Motriz: Revista de Educação Física, v. 24, n. 1, 2018.
  30. PAULA, J.J. et al. Propriedades psicométricas de um protocolo neuropsicológico breve para uso em populações geriátricas. Revista de Psiquiatria Clínica, v. 37, n.6, p.251-255, 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-60832010000600002&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 16 de abr. 2018
  31. PINEDA, A. M. Uso de redes complexas no estudo e no diagnóstico da Doença de Alzheimer. Dissertação apresentada à Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” para obtenção do título de mestre em Biometria. 2019.
  32. RADIĆ, B. et al. EEG Analysis and Spect Imaging in Alzheimer’s Disease, Vascular Dementia and Mild Cognitive Impairment. Psychiatria Danubina, v. 31, n. 1, p. 111-115, 2019.
  33. ROSSATO, L. C.; CONTREIRA, A. R.; CORAZZA, S. T. Análise do tempo de reação e do estado cognitivo em idosas praticantes de atividades físicas. Fisioter. Pesqui., São Paulo , v. 18, n. 1, p. 54-59, Mar. 2011 . Available from . access on 12 Nov. 2020. http://dx.doi.org/10.1590/S1809-29502011000100010.
  34. SANTOS, S.; TANI, G. O. Tempo de reaçäo e a aprendizagem de uma tarefa de" timing" antecipatório em idosos. Rev. paul. educ. fís, p. 51-62, 1995.
  35. SILVA VERNON, F. et al. Estimulação cerebral não invasiva e efeito sinérgico do exercício físico sobre a fragilidade e equilíbrio de idosos. Revista Eletrônica Acervo Saúde, v. 12, n. 4, p. e2602-e2602, 2020.
  36. SILVA VERNON, F. et al. Brain stimulation used as biofeedback in neuronal activation of the temporal lobe area in autistic children. Arquivos de neuro-psiquiatria, v. 74, n. 8, p. 632-637, 2016.
  37. SILVA VERNON, F. et al. Stimulation by Light and Sound: therapeutics effects in humans. systematic review. Clinical practice and epidemiology in mental health, v.26, n.11, p. 150-154, 2015.
  38. SILVA VERNON, F. et al. Physical Training Coupled with Non-Invasive Brain Stimulation Modulates Cortical Waves Decreasing the Likelihood of Falls in Adults Elderly with Fragility. International Journal of Advanced Engineering Research and Science, v. 6, n. 5, 2019.
  39. SOUSA, M. C. et al. O envelhecimento da população: aspectos do Brasil e do mundo, sob o olhar da literatura. Brazilian Journal of Development, v. 6, n. 8, p. 61871-61877, 2020.
  40. SOUTAR, R., LONGO, R. Doing neurofeedback: an introduction. San Rafael: ISNR Research Foundation, 2011, 202p.
  41. STYLIADIS, C. et al. Neuroplastic effects of combined computerized physical and cognitive training in elderly individuals at risk for dementia: an eLORETA controlled study on resting states. Neural plasticity, 2015.
  42. TEIXEIRA, I.L.N. et al. Qualidade de vida do cuidador familiar de idoso com alzheimer: uma revisão de literatura. Brazilian Journal of Health Review, v. 4, n. 2, p. 5221-5237, 2021.
  43. THOMAS, A. et al. The effects of aerobic activity on brain structure. Frontiers in psychology, v. 3, p. 86, 2012.