Main Article Content

Resumo

A água é um recurso imprescindível e extremamente importante para a sobrevivência humana, porém sua disponibilidade está se tornando cada vez mais escassa com o passar dos anos. Este trabalho visa um estudo da viabilidade econômica da implantação de um sistema com a utilização de equipamentos economizadores de água com tecnologia para a redução de vazão, de um sistema de captação de água pluvial para uso geral e de ambos utilizados simultaneamente, que além de serem alternativas simples, adequadas e de alcance social, fazem uma grande diferença reduzindo o desperdício e o consumo. Após estudo e levantamento preliminar a respeito das características locais e dos materiais necessários, foi realizada uma listagem dos gastos desses sistemas e da porcentagem de redução das taxas de consumo diário comparado com um sistema convencional de abastecimento em uma edificação residencial unifamiliar. Com isso foi criado um fluxo de caixa com o investimento inicial e a economia anual de cada um, sendo verificado que o sistema que prevalece com a maior economia, levando em consideração uma taxa mínima de atratividade de 8%, foi o de equipamentos economizadores de água com um período de retorno de 10 meses após iniciada a utilização, sendo viável economicamente.

Article Details

Biografia do Autor

Taís Bertolini, Universidade de Passo Fundo

Engenheira Civil - Universidade de Passo Fundo

Adalberto Pandolfo

Docente no Programa de Pós-graduação em Engenharia Civil e Ambiental da Universidade de Passo Fundo

RITIELLI BERTICELLI, UNIVERSIDADE DE CRUZ ALTA

Docente na Universidade de Cruz Alta. Doutoranda no Programa de Pós-graduação em Engenharia Civil e Ambiental da Universidade de Passo Fundo

Pâmela Bia Pasquali

Estudante de Engenharia Ambiental na Universidade de Passo Fundo
Como Citar
Bertolini, T., Pandolfo, A., BERTICELLI, R., & Pasquali, P. B. (2018). VIABILIDADE ECONÔMICA DA IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE EQUIPAMENTOS ECONOMIZADORES DE ÁGUA E DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA PLUVIAL PARA RESIDÊNCIA UNIFAMILIAR. xatas & ngenharias, 8(23). https://doi.org/10.25242/885X82320181341

Referências

  1. ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas – NBR 10844: Instalações prediais de águas pluviais - Procedimento. Rio de Janeiro. 1989.
  2. ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas – NBR 15527: Agua de chuva - Aproveitamento de coberturas em áreas urbanas para fins não potáveis – Requisitos. Rio de Janeiro. 2007.
  3. BOKOVA, I. Message from Ms Irina Bokova, Director-General of UNESCO on the occasion of the World Water day. 2015. Disponível em: . Acesso em: 15 mar. 2016.
  4. BRUNI, A. L.FAMÁ, R. As decisões de investimentos. São Paulo: Atlas, 2003.
  5. CORSAN, COMPANIA RIOGRANDENSE DE SANEAMENTO. 2015. Disponível em: . Acesso em: 24 mar. 2016.
  6. FECOMERCIO. O uso racional da água no comércio. 2010. 56f. Federação do Comércio de São Paulo, São Paulo.
  7. LINDEMEYER, R. M. Análise da viabilidade econômico-financeira do uso do biogás como fonte de energia elétrica. Trabalho de Conclusão de curso. Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2008.
  8. MAY, S. Estudo da viabilidade do aproveitamento de água de chuva para consumo não potável em edificações. 2004. 189f. Dissertação (Mestrado). Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. Departamento de Engenharia de Construção Civil, São Paulo.
  9. ONU. Até 2030 planeta pode enfrentar déficit de água de até 40%. 2015. Disponível em: Acesso em: 16 mar. 2016.
  10. O2 ENGENHARIA. Aproveitamento da água da chuva. 2008. Disponível em: Acesso em: 17 mar. 2016.
  11. PEREIRA, N. C. S.; SANTOS, D. F. A. Projeto de residência unifamiliar com tecnologia de sustentabilidade das principais instalações. 2013. 157f. Vol1. Trabalho de Conclusão de Curso (Engenharia Civil). Universidade da Amazônia. Centro de Ciências Exatas e tecnologia, Belém.
  12. SILVA, J. R. da. Análise da viabilidade econômica da produção de peixes em tanques-rede no reservatório de Itaipu. Dissertação. Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2008.
  13. SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÕES SOBRE SANEAMENTO – SNIS. Diagnósticos dos serviços de água e esgotos - 2014. 2016. 212f. Brasília.
  14. TOMAZ, P. Coeficiente de Runoff. 2009.Disponível em: Acesso em: 27 mar. 2016.