Main Article Content

Resumo

Nos últimos tempos, têm se percebido cada vez mais o consumo de água em processos produtivos e também nas áreas de saneamento. Seja para o consumo humano ou para as atividades industriais, a água é um recurso natural de extrema importância para manter a vida no planeta. O uso exacerbado desse recurso pode torná-lo escasso. Neste sentido, o objetivo dessa pesquisa foi analisar as complexidades para a aplicação dos aspectos normativos para a gestão de recursos hídricos no Brasil. Para o desenvolvimento da pesquisa foram verificadas as principais legislações federais associadas à gestão de recursos hídricos no Brasil (Lei 9.433/1997 e Código de Águas de 1934), bem como autores especialistas no tema abordado. O método adotado foi o dedutivo e a pesquisa classifica-se como bibliográfica.  Por meio de plataformas científicas digitais, livros, teses, dissertações, foi realizado um levantamento de informações técnicas e jurídicas relacionadas à gestão de recursos hídricos. Ao final, pode-se concluir que no Brasil, existe um emaranhado de leis e normas aplicáveis a gestão dos recursos hídricos. Tais aspectos jurídicos, se aplicados de forma coesa e coletiva, podem contribuir com a gestão, melhor distribuição e manutenção da água em quantidade e qualidade  disponíveis para todos os usuários.

Palavras-chave

Gestão Recursos Hídricos Água

Article Details

Como Citar
de Souza, F. P., & Pertel, M. (2020). COMPLEXIDADES PARA A APLICAÇÃO DOS ASPECTOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS NO BRASIL. Perspectivas Online: Exatas & Engenharias, 10(27), 70-82. https://doi.org/10.25242/885X102720201747

Referências

  1. ADAM, J. I. Gestão de recursos hídricos numa perspectiva de sustentabilidade: uma proposta. 2008. 216 p. Tese (Doutorado), Universidade Federal de Santa Catarina. Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Florianópolis, 2008.
  2. ANA, Agência Nacional de Águas. Manual de procedimentos técnicos e administrativos de outorga de direito de uso de recursos hídricos da agência nacional de águas. Brasília, 2013.
  3. ANA, Agência Nacional de Águas. Disponível em: . Acesso em: mar. 2018.
  4. BAZZARELLA, B. B. Caracterização e aproveitamento de água cinza para uso não potável em edificações. 2005. 159 p. Dissertação (Mestrado), Universidade Federal do Espírito Santo. Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental, Vitória, Dez. 2005.
  5. BRAGA, Benedito. Água, direito humano. O Estado de São Paulo, p. A2, São Paulo, 21.04.2009.
  6. BRASIL, 1934. Código de Águas. Decreto 24.643.
  7. BRASIL,1988. Constituição da República Federativa do Brasil. Disponível em:. Acesso em: mar. 2018.
  8. BRASIL, 1981. Política Nacional do Meio Ambiental. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências.
  9. BRASIL,, 1997. Política Nacional de Recursos Hídricos. Disponível em:< http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9433.htm>. Acesso em: fev. 2018.
  10. BRASIL, 2001. Estatuto da Cidade. Regulamenta os arts. 182 e 183 da Constituição Federal, estabelece diretrizes gerais da política urbana e dá outras providências.
  11. BRASIL, 2007. Lei n. 11.445 de 05 de janeiro de. Estabelece as diretrizes nacionais para o saneamento básico. Brasília: Diário Oficial da União, Seção 1, p. 3-7.
  12. BRASIL, 2012. Lei 12.651. Código Florestal. Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa; altera as Leis nos 6.938, de 31 de agosto de 1981, 9.393, de 19 de dezembro de 1996, e 11.428, de 22 de dezembro de 2006; revoga as Leis nos 4.771, de 15 de setembro de 1965, e 7.754, de 14 de abril de 1989, e a Medida Provisória no 2.166-67, de 24 de agosto de 2001; e dá outras providências.
  13. CAPONERA, D. A. Princípios do direito e administração das águas nacionais e internacionais. Coordenador da Edição Brasileira Marcos A. V. de Freitas e Arnaldo A. Setti; 2ª Ed. Rio de Janeiro. Editora Synergia: IVIG/COPPE/UFRJ, 2012.
  14. GRANZERA, M. L. M. Direito de Águas: disciplina jurídica das águas doces. 3 ed. São Paulo: Atlas, 2006.
  15. LEMOS, H. M. de; SALATI, E. Água e o Desenvolvimento sustentável. Águas Doces do Brasil: capital ecológico, uso e conservação. São Paulo: Editora Escrituras, 2003.
  16. LIMA, T. C. S.; MIOTO, R. C. T. Procedimentos metodológicos na construção do conhecimento científico: a pesquisa bibliográfica. Revista Katálysis, v. 10, n. SPE, p. 37-45, 2007. DOI: 10.1590/S1414-49802007000300004
  17. LIMA, J. G. O paradoxo da água. Veja São Paulo, ano 38, nº 41, 12 de Outubro de 2005. Parte integrante da edição 1926. p 89 - 92. Disponível em:. Acesso em mar. 2018.
  18. MEZZAROBA, O.; MONTEIRO, C. S. Manual de metodologia da pesquisa no direito. 6ª Edição. São Paulo: Saraiva, 2014.
  19. Organização das Nações Unidas - ONU. A ONU e a Água. Disponível em: . Acesso em: mar. 2018.
  20. PAVAN, F. S.; SANTOS, A. S. P.; TEIXEIRA, T.; PERTEL, M. V. ACSERALD, M.; MARCONDES, Q.; HILDEBRANDT, D. Aplicação do método de valoração contingente para mensurar a percepção sócio ambiental dos moradores que vivem no entorno da Lagoa do Vigário. Revista Perspectivas Online: Humanas e Sociais Aplicadas. v. 6, n. 15. P. 31-52, 2016. DOI: 10.25242/88766152016971
  21. POMPEU, C. T. Direito de Águas no Brasil. 2º ed. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2010.
  22. PETRELLA, R. O Manifesto da Água: Argumentos para um contrato mundial. Petrópolis – RJ: Vozes, 2002. 159 p.
  23. REBOUÇAS, A. C. Proteção dos recursos hídricos. In: BENJAMIN HERMAN, Antônio. Direito, água e vida: law, water and the web of life. vol 1. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo: 2003. p. 252.
  24. SÉGUIN, E. Direito ambiental: nossa casa planetária. Rio de Janeiro: Forense, 2002.
  25. TEIXEIRA T.; SOUZA, F. P.; PERTEL, M.; ACSELRAD, M.; PEREIRA, A. S. Diagnóstico socioeconômico em bacias hidrográficas: bacia do Rio das Contas. Perspectivas Online: Exatas & Engenharias, v. 6, p. 15-28, 2016. Disponível em: https://ojs3.perspectivasonline.com.br/exatas_e_engenharia/article/view/961 Acesso em: Fev. 2020. DOI: 10.25242/885X6142016961
  26. TOMAZ, P. A água doce no mundo. 2006. Disponível em:
  27. ZILBERMAN, I. Introdução à Engenharia Ambiental. 1º Ed. Canoas: Ulbra, 2004. 57 p.