Main Article Content

Resumo

Neste estudo buscou-se avaliar a insalubridade em postos de trabalho de uma empresa metalúrgica de tubulação. Trata-se de um estudo de caso, realizado em uma empresa metalúrgica de tubulação multinacional localizada no município de Campos dos Goytacazes, Rio de Janeiro. Os dados foram coletados de fonte secundária, sendo extraídos do Programa de Prevenção de Riscos Ambientais. Foram selecionados os setores onde se desenvolviam os principais processos de trabalho da empresa, sendo incluído o setor de reparo de tubos e conformação e solda de tubos. Para a análise dos dados foram utilizadas a Norma Regulamentadora n°15 e a ACGIH. Os trabalhadores foram organizados em GHE 1 e 2. Em ambos os grupos foi encontrado o risco físico (ruído e vibração). No GHE 1 foi encontrado o risco químico (poeira e fumo metálicos) e no GHE 2 o risco químico tendo como agente as poeiras metálicas. Neste estudo, não foram encontrados valores de concentração acima do limite de tolerância. Conclui-se que ambos os grupos não possuem o direito, por lei, a perceber o valor de insalubridade provenientes desses riscos.

Palavras-chave

Higiene ocupacional Grupos homogêneos de exposição Insalubridade.

Article Details

Como Citar
Ennes, A. A., Ignacio de Lima, A. L., & Monteiro da Hora, H. R. (2019). AVALIAÇÃO DA INSALUBRIDADE EM UMA EMPRESA METALÚRGICA DE TUBULAÇÃO. Exatas & Engenharia, 9(25). https://doi.org/10.25242/885X92520191757

Referências

  1. ACGIH – American Conference of Governmental Industrial Hygienists. Limites de exposição ocupacional (TLVs®) para substâncias químicas. 2016. Disponível em:
  2. . Acesso em: 07 de jun. de 2019.
  3. ACGIH – American Conference of Governmental Industrial Hygienists. Limites de exposição ocupacional (TLVs®) para substâncias químicas e agentes físicos e índices biológicos de exposição (BEIs®). Tradução: Associação Brasileira de Higienistas Ocupacionais – ABHO, São Paulo – SP, 2013. Disponível em: . Acesso em: 07 de jun. de 2019.
  4. ANAMT, Associação Nacional de Medicina do Trabalho. História da Medicina do Trabalho. Disponível em: < http://www.anamt.gov.br> Acessado em: 07 julho de 2019.
  5. ARAÚJO, G.M. Normas Regulamentadoras Comentadas. Editora GVC, 12ª ed. São Paulo, 2013.
  6. BARROS, J.P.A.A.; MORAIS, M.V.G. Identificação dos riscos químicos no processo de soldagem e suas medidas de proteção. Nucleus, Ituverava, v.14, n.2., out. 2017. Disponível em: Acessado em: 07 julho de 2019.
  7. BRASILa. Consolidação das Leis do Trabalho. Decreto-Lei n°5.452 de 1° de Maio de 1943. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br> Acessado em: 07 julho de 2019.
  8. BRASILb. Lei nº 6.514, de 22 de dezembro de 1977. Altera o Capítulo V do Título II da CLT (Arts 154 a 201), Relativo à Segurança e Medicina do Trabalho. Brasília, 1977. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br> Acessado em: 07 julho de 2019.
  9. BRASILc. Portaria nº 3.214, de 8 de junho de 1978. Aprova as Normas Regulamentadoras. Brasília, 1978. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br> Acessado em: 07 julho de 2019.
  10. BRASILd. Portaria nº 3.751, de 23 de novembro de 1990. Alteração da Norma Regulamentadora 15. Brasília, 1990. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br> Acessado em: 07 julho de 2019.
  11. CORRÊA, M.A.C.; SALIBA, T.M. Gases e Vapores. LTr Editora, 5ª ed. São Paulo, 2013.
  12. FUNDACENTRO. Guia prático sobre estratégia de amostragem e interpretação de resultados de avaliações quantitativas de agentes químicos em ambientes de trabalho. São Paulo, 2018. Disponível em: < http://www.fundacentro.gov.br> Acessado em: 07 julho de 2019.
  13. MIRANDA, A.L.; JESUS, L.F.; MOREIRA, M.F.R.; OLIVEIRA, S.S. Percepção de risco: estudo com trabalhadores de um estaleiro expostos a metais. Caderno de Saúde Coletiva. Rio de Janeiro, v. 27, n.1, p.93-99, 2019. Disponível em: < http://www.scielo.com.br> Acessado em: 07 julho de 2019.
  14. PORTELLA, D.A. Os adicionais de insalubridade e periculosidade e a (im) possibilidade de cumulação. UNIJUÍ – Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, 2014. Disponível em: Acessado em: 07 julho de 2019.
  15. SALIBA, T.M. – Manual Prático de Avaliação e Controle de Vibração. LTr Editora. São Paulo, 2009.
  16. SALIBA, T.M. Poeira. LTr Editora, 6ª ed. São Paulo, 2013.
  17. SALIBA, T.M. Vibração. LTr Editora, 1ª ed. São Paulo, 2013.
  18. TEIXEIRA, M.C. A invisibilidade das doenças e acidentes do trabalho na sociedade atual. RDisan, São Paulo, v. 13, n. 1, p.102-131, 2012. Disponível em: . Acesso em: 10 julho de 2019.
  19. YEE, Z.C. Perícias em Engenharia de Segurança do Trabalho. Juruá Editora, 3ª ed. São Paulo, 2013.
  20. ZANLUCA, J.C. A Consolidação das Leis do Trabalho – CLT. Disponível em: . Acesso em: 07 julho de 2019