Main Article Content

Resumo

A demanda por materiais que combinassem alta resistência mecânica associada a melhor soldabilidade, tenacidade e resistência à corrosão atmosférica impulssionou a criação dos aços microligados. Este trabalho teve como objetivo avaliar a estrutura, as propriedades mecânicas e a resistência à corrosão eletroquímica numa solução de ácido sulfúrico do aço microligado ASTM A572 Grau 5- antes e após processos de soldagem GMAW - MAG e FCAW. A fim de analisar a macroestrutura e a microestrutura foram utilizadas as técnicas de estereomicroscopia e microscopia ótica, respectivamente. A avaliação das propriedades mecânicas se deu através de ensaios de microdureza e de tração. Utilizando a modelagem tridimensional computacional com o software Abaqus, foi possível realizar simulações por meio da técnica de elementos finitos, que reproduz o ensaio graficamente a partir da curva tensão versus deformação verdadeira proveniente do ensaio mecânico de tração. Não foram observadas descontinuidades nas juntas soldadas e valores de microdureza e das propriedades mecânicas de tração não indicaram fragilização do material. Verificou-se que a simulação numérica é eficiente e confiável quando comparados com os ensaios mecânicos de tração. As curvas seguiram de forma paralela no regime elástico, tendo valores um pouco menores. Os resultados do ensaio de corrosão eletroquímica mostraram que a soldagem GMAW – MAG  resultou num metal de solda com resistência à corrosão maior que do metal base, mostrando que a escolha do processo de soldagem e do metal de adição  é importante não só para estabelecer propriedades mecânicas apropriadas, mas também resistência à corrosão eletroquímica.

Palavras-chave

ASTM A572 Juntas Soldadas Ensaio de Tração Elementos finitos Resistência à corrosão.

Article Details

Como Citar
Vidal dos Santos, F., & Gonçalves Carneiro, J. R. (2019). AVALIAÇÃO DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS E DA RESISTÊNCIA À CORROSÃO ELETROQUÍMICA DO AÇO ASTM A572 E DE JUNTAS SOLDADAS. Exatas & Engenharia, 9(25). https://doi.org/10.25242/885X92520191865

Referências

  1. Abaqus, Abaqus/CAE User’s Manual. Disponível em: http://abaqusdoc.ucalgary.ca/books/usb/default.htm?startat=pt04ch11s04aus66.html, Acesso em Junho, 2019.
  2. AMERICAN SOCIETY FOR TESTING AND MATERIALS. ASTM G5. Standard Reference Test Method for Making Potentiodynamic Anodic Polarization Measurements. Philadelphia. 2013.
  3. AMERICAN SOCIETY FOR TESTING AND MATERIALS. ASTM G106. Standard Practice for Verification of Algorithm and Equipment for Electrochemical Impedance Measurements. Philadelphia. 2010.
  4. CALLISTER, W. D., Ciência e Engenharia de Materiais: Uma Introdução. John Wiley & Sons, Inc., 2002.
  5. COLPAERT, H. (1994). Metalografia dos produtos siderúrgicos comuns. In: Metalografia dos produtos siderúrgicos comuns. Edgard Blucher.
  6. DAVIS, J.R. Introduction to Tensile Testing. ASM INTERNATIONAL. Disponível em: Http://www.asminternational.org/Template.cfm?Section=NewProducts&template=Ecommerce/FileDisplay.cfm&file=5106_ch01.pdf>. Acesso em Junho, 2019.
  7. DIETER, G. E. Workability testing techniques. American Society for Metals, 1984,, p. 324, 1984.
  8. FERRER, M. H.. Tenacidade à fratura do aço AISI/SAE- 4140 quando tratado através de têmpera e partição. 2013. 52 p. Monografia (Bacharelado). Joinville: Ufsc, 2013.
  9. GABRIELLI, C. Identification of electrochemical processes by frequency response analysis. Solartron Analytical Technical Report 004/83, pp. 1-119. 1998.
  10. GORNI, A. A. Aços avançados de alta resistência: microestrutura e propriedades mecânicas. Corte e Conformação de Metais, v. 4, n. 44, p. 26-57, 2008.
  11. HANASHIRO. J. Comparison and Evaluation of results of Traction Tests of Elastomeric Compounds obtained in Practice and obtained by Mathematical Modeling. 2005. 127p. Polytechnic School of the University of São Paulo. São Paulo, 2005.
  12. JONES, Denny A. Principles and Prevention of Corrosion. 2.ed. Upper Saddle River. Prentice-Hall, 1996.
  13. MATTOS, O. R. Acompanhamento do processo de deterioração de revestimentos com o auxílio da técnica de impedância eletroquímica. Rev. Ibero. Corros. y Prot.,v. XVIII, n. 1, p. 43-48, 1987.
  14. ORAZEM, M. E.; TRIBOLLET, B. Electrochemical Impedance Spectroscopy. New Jersey: John Wiley & Sons, Inc., Hoboken, USA. 523p. 2008.
  15. PADILHA A. F., AMBROSIO F. F. Técnicas de analise microestrutural, São Paulo: Ed. Hemus, 1985, 190p.
  16. PEDEFERRI, P. Corrosion Science and Engineering. Edited by Luciano Lazzari and Maria Pia Pedeferri. Switzerland: Springer Nature Switzerland AG. 2018. 720p.
  17. RIVA, P. D. Modelagem Tridimensional do Ensaio de Tenacidade à Fratura com o Software Abaqus, Simpósio de Métodos Numéricos em Engenharia, Universidade Federal de Paraná Curitiba, Brasil. 2017.
  18. SBM SPF 92033 A1: FPSO, Fabrication, Welding and Erection Specification, 2009.
  19. SIMULATION TOOLS IN MECHANICS: FINITE ELEMENTS. Material compiled for the discipline of Finite Elements for Graduation and Post-graduation in Mechanical Engineering. UFRGS. 2002.
  20. WOLYNEC, S. Técnicas Eletroquímicas em Corrosão. São Paulo: EDUSP – Editora da Universidade de São Paulo. 2003. 166 p.