Main Article Content

Resumo


Softwares são utilizados em diversas atividades da engenharia, com finalidades distintas, inclusive como suporte às atividades da gestão da qualidade. O presente trabalho tem como objetivo fazer um levantamento bibliométrico sobre a combinação dos termos “gestão da qualidade” e “software” na base de dados Scopus. Além disso, um levantamento foi realizado a fim de identificar: (i) tipos de softwares que as empresas vêm utilizando; (ii) satisfação das mesmas em relação a alguns critérios; (iii) atividades dos softwares relacionadas com os princípios da ISO 9001. Os resultados mostram que foram identificados 8 softwares em uso, que oferecem suporte aos princípios da gestão da qualidade estabelecidos na ISO 9001: (i) abordagem de processos; (ii) melhoria; (iii) tomada de decisão baseada em evidências; (iv) mentalidade de risco, sendo que, na percepção dos respondentes, o critério mais importante é usabilidade do software. Ademais, os resultados indicaram que, de maneira geral, as empresas estão satisfeitas com os softwares utilizados.


Palavras-chave

Gestão da qualidade Software ISO 9001

Article Details

Como Citar
da Silva, F. E., Gomes, R. C. R., Ninis, A. T. F., Furtado, P. V. M., & Barcelos, M. R. dos S. (2019). USO DE SOFTWARE COMO SUPORTE ÀS ATIVIDADES DE GESTÃO DA QUALIDADE. Exatas & Engenharias, 9(26), 45-54. https://doi.org/10.25242/885X92620191883

Referências

  1. ABNT NBR ISO 9001. Quality management systems-Requirements. 2015.
  2. ANDREICHICOV, A. V.; ZUDINOV, A. A.; PAVLOV, A. A.; LELYNOVA, S. V.; ANDREICHICOVA, O. N. Intelligent software for the quality management of the technical solutions. In: "Quality Management, Transport and Information Security, Information Technologies"(IT&QM&IS), 2017 International Conference. IEEE, 2017. p. 709-712.
  3. BIEMANN, C.; BÖHM, K.; HEYER, G.; MELZ, R. SemanticTalk: Software for visualizing brainstorming sessions and thematic concept trails on document collections. In: European Conference on Principles of Data Mining and Knowledge Discovery. Springer, Berlin, Heidelberg, 2004. p. 534-536.
  4. BRITTO, J.; STALLIVIERI, F. Inovação, cooperação e aprendizado no setor de software no Brasil: análise exploratória baseada no conceito de Arranjos Produtivos Locais (APLs). Economia e Sociedade, v. 19, n. 2, p. 315-358, 2010.
  5. CLAPPER, D. L. A tool for electronic brainstorming research: A software note. Group Decision and Negotiation, v. 5, n. 2, p. 137-141, 1996. DOI: 10.1016/j.compind.2017.03.005.
  6. ENRÍQUEZ, C.; MAQUEIRA, J. M.; BRUQUE, S. Mapping the time. Method for logistics management software: Application in Spain. Computers in Industry, v. 89, p. 1-12, 2017. DOI: 10.1016/j.compind.2017.03.005.
  7. FEIGENBAUM, A. V. Total Quality Control. New York: McGraw-Hill, 1961;
  8. FIGUEIRA FILHO, F.; PERIN, M. G.; TREUDE, C.; MARCZAK, S.; MELO, L.; DA SILVA, I. M.; DOS SANTOS, L. B. A study on the geographical distribution of Brazil’s prestigious software developers. Journal of Internet Services and Applications, v. 6, n. 1, p. 1-12, 2015. DOI: 10.1007/978-3-319-23455-7_14.
  9. HLUPIC, V. Simulation software: an Operational Research Society survey of academic and industrial users. In: Proceedings of the 32nd conference on Winter simulation. Society for Computer Simulation International, 2000. p. 1676-1683.
  10. HOLOPOV, V.; KUSHNIR, A.; KURNASOV, E.; GANICHEV, A.; ROMANOV, A. Development of digital production engineering monitoring system based on equipment state index. In: Young Researchers in Electrical and Electronic Engineering (EIConRus), 2017 IEEE Conference of Russian. IEEE, 2017. p. 863-868.
  11. JOHNSON, M.; HALBERSTADT, J.; SCHALTEGGER, S.; VIERE, T. Software and Web-Based Tools for Sustainability Management in Micro-, Small and Medium-Sized Enterprises. In: Advances and New Trends in Environmental and Energy Informatics. Springer, Cham, 2016. p. 259-274.
  12. PRESSMAN, R. S. Engenharia de software: uma abordagem profissional. 7ª Edição. McGraw Hill, 2011.
  13. STEINMUELLER, W. E. The US software industry: an analysis and interpretative history. 1995.