Main Article Content

Resumo

Hidrocarbonetos ocluídos são protegidos dos eventos de alterações secundárias ocorridos nos reservatórios devido às características coloidais dos asfaltenos, e podem ser representativos de óleos mais maduros que os existentes atualmente no reservatório, sendo muito úteis para os estudos de geoquímica de reservatório. Neste trabalho nove óleos obtidos a partir de amostras de arenitos betuminosos da Formação Piramboia, Bacia do Paraná, foram estudados. Os resultados indicaram diferenças significativas entre os parâmetros geoquímicos de biodegradação e maturidade termal, calculados para maltenos livres e ocluídos nas estruturas asfaltênicas. O monitoramento da fração de compostos aromáticos ocluídos traz uma nova abordagem para avaliar a maturidade termal de amostras de petróleo severamente biodegradados.

Article Details

Biografia do Autor

Tatiany de Almeida Fortini Brito, Universidade Estácio de Sá

Doutora em Engenharia de Reservatório e Exploração de Petróleo - LENEP/UENF (2014). Mestre em Engenharia de Reservatório e Exploração de Petróleo - LENEP/UENF (2008). Graduada em Química Industrial pela Universidade Federal Fluminense (2005). Coordenadora do Curso de Engenharia de Produção - Universidade Estácio de Sá

Andréia Boechat Delatorre, Universidade Estácio de Sá

Possui graduação em Licenciatura em Química pela Universidade  Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (UENF) em 2007. No período de junho de 2003 a março de 2005 foi Bolsista de Apoio Acadêmico, atuando como Auxiliar Técnico de Laboratório junto ao Laboratório de Química Orgânica do Centro de Ciências e Tecnologias da UENF. Posteriormente, foi Bolsista de Iniciação Científica junto ao Laboratório de Tecnologia de Alimentos do Centro de Ciências e Tecnologias Agropecuárias da UENF. Tem experiência na área de Biotecnologia enzimática e microbiologia, com ênfase na produção de enzimas proteases, alfa-amilase, poligalacturonase e lipases, atuando principalmente no seguinte tema: Aproveitamento de resíduos agroindustriais para a produção de enzimas. Atuou como  Bolsista da FAPERJ na modalidade de Treinamento e Capacitação Técnica em Nível IV, atuando, em atividades de pesquisas relacionadas com a obtenção de Biodiesel por métodos não convencionais , como Técnico de Nível Superior junto ao Setor de Engenharia de Processos do Laboratório de Tecnologia de Alimentos do Centro de Ciências e Tecnologias Agropecuárias da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro. Possui Mestrado em Produção Vegetal pela Universidade  Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (UENF) em 2010. Doutora em Produção Vegetal com ênfase em tecnologia de alimentos e constituintes químicos pela Universidade Estadual do Norte Fluminense (UENF). Atuando principalmente no seguinte tema: Produção de celulases pelo microrganismo termofílico Bacillus sp. para aplicação em etanol de segunda geração e formulação de detergentes.Tem experiência na área de Tecnologia e Química de Alimentos e Tecnologia de Fermentações. Atuando principalmente nas áreas de Química, Processos Biotecnológicos, Microbiologia Industrial e de alimentos. Atualmente é Professor auxiliar I nos curso de Engenharia Química, Engenharia Ambiental e Engenharia de Petróleo  da Universidade Estácio de Sá-Macaé. Atuando ainda como professor de tempo integral do curso de engenharia Química e  como Coordenadora do laboratório de química da Universidade Estácio de Sá.
Como Citar
Brito, T. de A. F., & Delatorre, A. B. (2017). CARACTERIZAÇÃO GEOQUÍMICA DE TARS SANDS APARTIR DA ANÁLISE DE BIOMARCADORES LIVRES E OCLUIDOS NAS ESTRUTURAS ASFALTÊNICAS. Perspectivas Online: Exatas & Engenharias, 7(17). https://doi.org/10.25242/885X7172017996

Referências

  1. ANCHEYTA, J.; CENTENO, G.; TREJO, F. Precipitation, fractionation and characterization of asphaltenes from heavy and light crude oils. Fuel. Vol. 83, p. 2169-2175, 2004.
  2. ARAÚJO C.C. DE, YAMAMOTO J.K., ROSTIROLLA S.P., MADRUCCI V., TANKARD A. Tar Sandstones in the Parana Basin of Brazil: Structural and Magmatic Controls of Hydrocarbon Charge. Marine and Petroleum Geology, 22:671- 685, 2005.
  3. ARMSTROFF A.; WILKES H.; SCHWARZBAUER J.; LITTKE R.; HORSFIELD B. Aromatic hydrocarbon biomarkers in terrestrial organic matter of Devonian to Permian age. Palaeogeography, Palaeoclimatology, Palaeoecology. Vol. 240, p. 253-274, 2006.
  4. AZEVEDO, D. A.; SILVA, T. F.; SILVA, D. B. Avaliação geoquímica de biomarcadores ocluídos em estruturas asfaltênicas. Química Nova, v. 32, n. 7, p. 1770-1776, 2009.
  5. BADRE, S.; GONÇALVES, C. C.; NORINAGA, K.; GUSTAVSON, G.; MULLINS, O. C. Molecular size and weight of asphaltene and asphaltene solubility fractions from coals, crude oils and bitumen. Fuel Vol. 85, n. 1, p. 1-11, 2006.
  6. BENNET, B.; FUSTIC, M.; FARRIMOND, P.; HUANG, H.; LARTER, S. R. 25-Norhopanes: formation during biodegradation of petroleum in the subsurface. Organic Geochemistry. Vol. 37, p. 787-797, 2006.
  7. CABRAL, C.V. Análise de biomarcadores nos arenitos asfálticos da borda leste da Bacia do Paraná. Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ, 198p, 2006.
  8. CALEMMA, V.; RAUSA, R.; D'ANTONA, P.; MONTANARI, L. Characterization of asphaltenes molecular structure. Energy & Fuels. Vol. 12, p. 422-428, 1998.
  9. CAÑIPA, N.K.; ALDANA, C.R.; ZÚÑIGA, C.A.; GALÀN, C.A. Evaluación de esteroides aromáticos como indicadores de madurez térmica en extractos de roca. Información Tecnológica, 20, 61-70; 2009.
  10. COSTA, F. L.; MARTINS, L. L.; CRUZ, G. F.; SANTOS, L. C.; SILVA, A. A. Caracterização geoquímica molecular de arenitos asfálticos a partir da desagregação branda de asfaltenos. Geochimica Brasiliensis. Vol. 27, p. 161-172, 2013.
  11. CRUZ, G.F. Biodegradação aeróbia e anaeróbia de petróleo do Campo Pampo Sul, Bacia de Campos, RJ. Tese de Doutorado apresentado à Universidade Estadual de Campinas, Brasil, 2009.
  12. GARCIA, M. A. Controle faciológico na saturação e composição do óleo nos tar sands da Formação Pirambóia, triássico da Bacia do Paraná, no estado de São Paulo. Dissertação de mestrado, Universidade Estadual do Norte Fluminense – UENF, 119p, 2010.
  13. GAUTHIER T.; FORTAIN, D.P.; MERDRIGNAC, I.; GUIBARD, I.; QUOINEAUD, A.A. Studies on the evolution of asphaltene structure during hydroconversion of petroleum residues. Catalysis Today. Vol. 130, p. 429-438, 2008.
  14. HUANG, H.; LARTER, S. R.; BOWLER, B. F. J.; OLDENBURG, T. B. P. A dynamics biodegradation model suggested by petroleum compositional gradients within reservoir columns from the Liaohe basin, NE China. Organic Geochemistry. Vol. 35, p. 299–316, 2004.
  15. LEHNE, E.; DIECKMANN, V. Improved understanding of mixed oil in Nigeria based on pyrolysis of asphaltenes. Org. Geochem. 41, 661, 2010.
  16. LIAO Z., GENG A., GRACIAA A., CREUX P., CHROSTOWSKA A., ZHANG Y. Saturated hydrocarbons occluded inside asphaltene structures and their geochemical significance, as exemplified by two Venezuelan oils. Organic Geochemistry, 37:291-303, 2006ª.
  17. PETERS, K. E.; WALTERS, C. C.; MOLDOWAN, J. M.; The Biomarker Guide: Biomarkers and Isotopes in the Petroleum Exploration and Earth History, 2nd ed., University Press: Cambridge, vol. 2, 2005.
  18. REYES, C. Y. Análise de biomarcadores nos arenitos asfálticos da borda Leste da Bacia do Paraná. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal da Bahia, Brasil, 2012.
  19. SEIDL, P.R.; CHRISMAN, E.C.A.N.; CARVALHO, C.C.V.; LEAL, K.Z.; MENEZES, S.M.C.D. NMR Analysis of asphaltenes separated from vacuum residues by selected solvents. Journal of Dispersion Science and Technology. Vol. 25, 349-353, 2004.
  20. VOLKMAN, J. K.; HOLDSWORTH, G. D.; BAVOR, H. J. Identification of natural, anthropogenic and petroleum hydrocarbons in aquatic sediments. Science Total Environment. Vol. 112(2-3), 203-19, 1992.
  21. WANG, T; GENG, A.; LI, A. Pyrolysis of one crude oil and its asphaltenes:evolution of gaseous hydrocarbons and carbon isotope, J. Pet. Sci. Eng. Vol. 71, p.8–12, 2010.
  22. YANG, C.; LIAO, Z.; ZHANG, L.; CREUX, P. Some biogenic-related compounds occluded inside asphaltene aggregates. Energy & Fuels. Vol. 23, p. 820–827; 2003.