Main Article Content

Resumo

Embora o Brasil seja rico em recursos naturais favoráveis a fruticultura, observa-se que a produção nacional ainda é pouco exportada, quando comparada ao seu potencial. Nesse sentido, o estudo teve por objetivo analisar a competitividade e desempenho das exportações de melão pelo Brasil frente aos seus principais concorrentes no período de 2001 a 2012. A metodologia e a forma de análise dos resultados incluem o conceito de competitividade, modelos de Constant Market Share – CMS e Vantagem Comparativa Revelada – VCR. De acordo com os resultados, as taxas de crescimento anual da receita com a exportação brasileira com melões frescos superaram a média mundial em três dos quatro períodos estudados, no primeiro 2001-2003, no segundo 2004-2006 e no quarto 2010-2012; o efeito competitividade foi o fator determinante para o bom desempenho dos embarques, seguido pelo efeito comércio mundial. No terceiro período que abrange do ano de 2007 ao ano 2009 apenas o efeito destino das exportações apresentou impacto positivo sobre o setor. Através da análise das taxas de crescimento do indicador VCR para todo o período de análise verifica-se que a taxa de crescimento médio indicou melhoria no desempenho das exportações do melão fresco brasileiro. O que pode ser atribuída ao empenho em aumentar a qualidade da fruta e garantir que o produto atenda aos requisitos dos principais mercados demandantes.

Article Details

Biografia do Autor

Alan Figueiredo de Arêdes, Universidade Federal Fluminense

Doutor em Economia Aplicada. Instituto de Ciências da Sociedade e Desenvolvimento Social/UFF

Josiane Silva Rodrigues, Universidade Federal Fluminense

Graduada em Ciências Econômicas – Instituto de Ciências da Sociedade e Desenvolvimento Social/UFF

Como Citar
de Arêdes, A. F., & Rodrigues, J. S. (2017). COMPETITIVIDADE E DESEMPENHO DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRA DO MELÃO. Humanas & Sociais Aplicadas, 7(18). https://doi.org/10.25242/887671820171000

Referências

  1. LACERDA, M. D.; LACERDA, R. D.; ASSIS, P. C. O. A participação da fruticultura no agronegócio brasileiro. Revista de Biologia e Ciências da Terra, v.4, n.1, p.76, 2004.
  2. FIALHO, R. Competitividade das exportações brasileirasde carne suína no período de 1990 a 2005. Tese (Mestrado em Economia Aplicada) – Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2006.
  3. FOOD AND AGRICULTURAL ORGANIZATION - FAO. FAO statistical
  4. database. Disponível em: . Acesso em: 07/2013.
  5. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO/ SECRETÁRIA DE COMÉRCIO EXTERIOR (MIDIC/SECEX) – Comércio Exterior. Disponível em: http://www.desenvolvimento.gov.br/sitio/interna/index.php?ara=5. Acesso em: 07/08/2013.
  6. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA – Internacional. Disponível em : http://www.agricultura.gov.br /internacional . Acesso em: 14/07/2013
  7. VIANA. S. S.; SILVA, L. M. R.; LIMA, P. V. P. S.; LEITE, L. A. S. Competitividade do Ceará no mercado internacional de frutas: o caso do melão. Revista Ciência Agronômica, v.37, n.1, p.25-31, 2006.
  8. VITTI, A. Análise da competitividade exportações brasileiras de frutas selecionadas no mercado internacional. Tese (Mestrado em economia aplicada). Universidade de São Paulo, Piracicaba, 2009.
  9. BALASSA, B. Trade liberalization and revealed comparative advantage.The Manchester School of Economic and Social Studies,33,99-123, 1965.
  10. IBGE – Instituto Brasileiro de Georgrafia e Estatística. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/economia/pam/2013/default_temp_xls.shtm. Acesso em 15 de jun de 2016.
  11. SEBRAE – Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. Agronegócio Fruticultura. Boletim de Inteligência, outubro, 2015.