Main Article Content

Resumo

O objetivo foi verificar os efeitos do treinamento da memória de trabalho associado a uma técnica de estimulação cerebral, nas aulas de Educação Física em alunos com dificuldade de aprendizagem. Selecionou-se 20 crianças de ambos os gêneros, 9±1 anos, matriculadas no 1º segmento do Ensino Fundamental, divididas em Grupo Controle (GC), 10 crianças sem dificuldades de aprendizado e, Grupo Experimental (GE), 10 crianças diagnosticadas com dificuldade de aprendizado. Ambos tiveram a memória de trabalho avaliada em dois momentos. O GC permaneceu frequentando normalmente as aulas de Educação Física Escolar. O GE era conduzido a uma sala onde eram estimuladas as ondas cerebrais Alfa (8 a 12Hz) associado a atividades motoras que treinavam a memória de trabalho. Foram feitas 5 sessões de 15 minutos. O Teste T foi utilizado nas comparações inter e intragrupos. Concluiu-se que o GE obteve melhora de 16% no teste com apenas 5 sessões de treinamento da memória de trabalho associada à estimulação cerebral por batida binaural, enquanto que no GC a variação entre o pré e pós teste foi insignificante. Sugere-se que a aplicação dessa metodologia de trabalho por um tempo mais prolongado possa produzir resultados significativos estatisticamente, refletindo em ganhos na aprendizagem da população estudada. 

Palavras-chave

educação física escolar memória de trabalho batidas binaurais

Article Details

Como Citar
Calomeni, M. R., Pelliciari, B. C., Arêas Neto, N. T., Martins Dantas, E. H., & Furtado da Silva, V. (2018). TREINAMENTO MENTAL E ESTIMULAÇÃO CEREBRAL: EFEITOS NA MEMÓRIA DE TRABALHO DE CRIANÇAS COM DIFICULDADE DE APRENDIZAGEM. Humanas & Sociais Aplicadas, 8(22). https://doi.org/10.25242/887682220181214

Referências

  1. ALVES, L.M.; RIBEIRO, M.M. Desempenho em memória de trabalho em escolares com e sem queixas de alterações de aprendizagem. Revista Tecer. Belo Horizonte, v.04, n.06, mai. 2011. Disponível em Acesso em: 02 abr 2016.
  2. ARÊAS NETO, N.T.; et al. Estimulação cortical: efeitos agudos sobre variáveis bioperacionais em jogadores armadores de basquetebol. Revista Digital EFdeportes.com, Buenos Aires, v. 15, p. 150, 2010.
  3. BASTOS, A.L.; et al. Simulação Mental de Movimentos: Da Teoria à Aplicação na Reabilitação Motora. Revista Neurociências. Rio de Janeiro, v. 21, n. 04, 2013. Disponível em < http://www.revistaneurociencias.com.br/edicoes/2013/RN2104/revisao/895revisao.
  4. pdf> Acesso em 10 out 2016.
  5. BETTI, M., ZULIANE, R.L. Educação Física Escolar: uma proposta de diretrizes pedagógicas. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte. São Paulo, v. 01, n. 01, 2002. Disponível em Acesso em 15 abr 2016.
  6. CALOMENI, M.R.; et al. Brain stimulation used as biofeedback training for recovery of motor functions deteriorated by stroke. Arquivos de neuro-psiquiatria, v. 71, n. 3, p. 159-164, 2013.
  7. CARDEAL, C.M. O efeito da estimulação psicomotora nos processos cognitivos: memória de trabalho e atenção seletiva. 2007. 113p. Dissertação – Universidade Católica de Brasília. Brasília, 2007. Disponível em . Acesso em 14 mai 2016.
  8. CARIELO, A.A. et al. Acute effects of brain stimulation in short-term memory of young persons. Academia Arena, v. 2, n. 3, p. 5-14, 2010.
  9. DA COSTA, L.A,L,M. Fatores de Eficácia no Processamento da Informação em Crianças e Jovens com Dificuldades de Aprendizagem. 2005. 142p. Tese – Universidade do Porto. Faculdade de Ciências do Desporto e de Educação Física. Portugal, 2005. Disponível em < https://repositorio-aberto.up.pt/bitstream/10216/14255/2/4741.pdf> Acesso em 01 nov 2016.
  10. DALMAZ, C. NETTO, C.A. A memória. Revista Scielo. São Paulo, v.56, n.1, mar 2004. Disponível em Acesso em 10 mai 2016.
  11. DE LIMA, A.P; CARDOSO, F.B. A importância de um programa ludomotor e da estimulação cortical no desenvolvimento cinestésico de crianças. Revista Saúde. Santa Maria, v. 40, n. 02, p. 147-154, 2014. Disponível em < http://periodicos.ufsm.br/revistasaude/article/view/13373/pdf_1> Acesso em 29 ago 2016.
  12. DE LIMA, A.P. et al. Avaliação da eficácia de um programa de estimulação cortical para melhora da atenção de crianças com TDAH. Saúde (Santa Maria), v. 40, n. 1, p. 71-76, 2014. Disponível em < file:///C:/Users/bubup_000/Downloads/13373-73657-1-PB.pdf> Acesso em 20 ago 2016.
  13. FARIA, E.L.B.; MOURÃO JUNIOR, C.A. Os recursos da memória de trabalho e suas influências na compreensão da leitura. Revista Scielo. Brasília, v. 33, n. 02, 2013. Disponível em < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932013000200004&lng=en&nrm=iso&tlng=pt> Acesso em 14 nov 2016.
  14. FIGUEIREDO, V.L.M; NASCIMENTO, E. Desempenho das duas tarefas do subteste dígitos do WISC-III e do WAIS-III. Revista Scielo. Brasília, v. 23, n. 03, 2007. Disponível em < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-37722007000300010>. Acesso em 01 nov 2016.
  15. FLORINDO M., PEDRO R. O processo de aprendizagem motora e a neuroplasticidade. Revista de Ciências da Saúde da ESSCVP. Lisboa, v.6, jul 2014. Disponível em Acesso em 23 mai 2016.
  16. GINDRI G., et al. Memória de trabalho, consciência fonológica e hipótese de escrita. Revista Scielo. Barueri, v.19, n.03, 313-322p. jul-set 2007. Disponível em Acesso em 29 mai 2016.
  17. FREITAS, J. O. F.; AGUIAR, C. R. R. A. Avaliação das Funções Cognitivas de Atenção, Memória e Percepção em Pacientes com Esclerose Múltipla. Psicologia: Reflexão e Crítica, V.25, N. 3, p. 457-466, 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/prc/v25n3/v25n3a05. Acesso: Junho de 2016.
  18. SILVA VERNON, F. et al. Stimulation by Light and Sound: Therapeutics Effects in Humans. Systematic Review. Clinical practice and epidemiology in mental health: CP & EMH, v. 11, p. 150, 2015.)