Main Article Content

Resumo

Um processo de ensino e aprendizagem e uma perspectiva de melhoria contínua e de crescer com qualidade e relevância foi o que nos motivou a conhecer a opinião dos estudantes sobre o perfil do bom professor. Nesse contexto, o objetivo deste estudo foi identificar a opinião dos estudantes acerca das características de um bom professor. Trata-se de um estudo quanti-qualitativo, utilizando um questionário, com uma questão aberta “o que considera ser um Bom Professor”. Participaram 222 universitários, de ambos os sexos, com idade variando de 18 a 62 anos, dos cursos de Enfermagem, Biologia, Química, Psicologia, Letras, Pedagogia, Geografia e História. Do conjunto de indicadores de um “Bom professor” emergem domínios do conhecimento e aspectos didático-pedagógicos, desenvolver uma boa relação com os estudantes, metodologia diversificada, dinâmico e linguagem fácil. Conclui-se que a competência profissional é importante, porém, não exclusiva, valorizando-se também características pessoais.

Palavras-chave

percepção aprendizagem alunos/professores.

Article Details

Biografia do Autor

Mari Lucia Figueiredo, FATEC - Catanduva

Mari Lucia Figueiredo é especialista em Psicologia Cognitiva (UNICEUB- Brasília), especialista em Psicologia Organizacional e do Trabalho pela Universidade Católica Dom Bosco (UCDB-Campo Grande), mestre em Psicologia Escolar (PUC- Campinas) e doutora em Psicologia como profissão e ciência pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC- Campinas), pós doutoranda no Departamento de Psiquiatria e Psicologia da Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto (FAMERP) e consultora de empresa.

Como Citar
Figueiredo, M. L. (2018). CARACTERÍSTICAS DE UM BOM PROFESSOR NA PERCEPÇÃO DE UNIVERSITÁRIOS. Humanas & Sociais Aplicadas, 8(22). https://doi.org/10.25242/887682220181386

Referências

  1. ALONSO, K. M. Algumas considerações sobre a educação a distância, aprendizagens e a gestão de sistemas não presenciais de ensino. In: PRETI, O. (Org.). Educação à distância: ressignificando práticas. Brasília: Liberlivro Editora, 2005. p. 17-38.
  2. BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edição 70, 1984.
  3. CANDAU, V. M. A didática e a formação de educadores: a busca da relevância. Textos, n. 06, p. 37-41, 1983.
  4. CUNHA, Maria I. O bom professor e sua prática. 20ª. ed. Campinas: Papirus, 2008.
  5. CUNHA, Antônio Camilo. Representação do “bom” professor: o “bom” professor em geral e o “bom” professor de educação física em particular. Educação em Revista, 11 (2), p. 41-52, 2010.
  6. CRISTINO, Ana Paula da Rosa et al. Os saberes necessários à prática docente em Educação Física Escolar. In: congresso de educação física e ciências do desporto dos países de língua portuguesa, 12, 2008, Porto Alegre. Anais, Porto Alegre: ESEF/UFRGS, 2008.
  7. DE SORDI, Maria Regina. A prática de avaliação do ensino superior: uma experiência na enfermagem. São Paulo: Cortez/Campinas: PUCAMP; 1995.
  8. DEL PRETTE, Almir., DEL PRETTE. Zilda. Interações sociais em sala de aula: representações do professor. In Anais do XVII International School Psychology Colloquium e II Congresso Nacional de Psicologia Escolar. p. 426-430, 1994.
  9. DEMO, Pedro. Formação permanente e tecnologias educacionais. Petrópolis: Vozes, 2006.
  10. _____________. Metodologia para quem quer aprender. São Paulo: Atlas, 2008.
  11. DUDERSTADT, James Johnson. A university for the 21st century. Ann Arbor: University of Michigan Press, 2003.
  12. FEITOZA, Leonina Amanda; CORNELSEN, Julce Mary; VALENTE, Silze Maria Pasello. Representação do bom professor na perspectiva dos alunos de arquivologia. Perspectivas em Ciência da Informação. Vol. 12, nº 2, p. 158-167, 2007.
  13. FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 2005.
  14. GABRIELLI, Joyce Maria Worschech; PELÁ, Nilza Teresa Rotter. O professor real e o ideal na visão de um grupo de graduandos de enfermagem. Revista Escola de Enfermagem USP. 38 (2), 168-174, 2004.
  15. GISI, Maria Lourdes; ENS, Romilda Teodora; EYNG, Ana Maria. Politicas educacionais e a representação de estudantes de pedagogia sobre o que é um bom professor. Educação, Sociedade & Culturas, n 31, p. 51-66, 2010.
  16. KNIGHT, Arletta B. Teacher Credibility – A tool for diagnosing problems in teacher/student relationships. Publicado no site da Universidade de Oklahoma http://www.ou.edu. 2002.
  17. KOCHHANN, Andréa. Por uma pedagogia psicanalítica: as vicissitudes na formação de professores. Dissertação de mestrado em Educação com área de concentração em Psicanálise. Goiânia: 2007. 228 p.
  18. KRUG, Rodrigo de Rosso; KRUG, Hugo Norberto. As características pessoais do bom professor na opinião dos acadêmicos da licenciatura em Educação Física do CEFD/UFSM. WWW.efdeportes.com. Revista Digital, Buenos Aires. Ano 13 (126), 2008.
  19. LAZZARIN, Helena Cristina; NAKAMA, Luiza. & CORDONI Jr., Luiz. O papel do professor na perspectiva dos alunos de odontologia. Saúde e Sociedade, 6 (1), p. 90-101, 2007.
  20. LUFT, Celso Pedro. Minidicionário Luft. São Paulo: Ática/Scipione, 2000.
  21. MARQUES, Vagner Antonio et al. Atributos de um bom professor: um estudo sobre a percepção dos alunos de ciências contábeis. Revista de Contabilidade e Controladoria, 4 (2), p. 7-23, maio/agost. 2012.
  22. MARTINS, C. B. A formação de um sistema de ensino superior de massa, In: SAMPAIO, H. (Org) O ensino superior no Brasil: o setor privado. São Paulo: Fapesp/Hucitec, 2000.408 páginas.
  23. MENEGAZ, Jouhanna do Carmo et al. O bom professor na área da saúde: uma revisão integrativa. Revista de Enfermagem, 8 (4) p. 1048-1056, 2014.
  24. MAHONEY, A. A. Contribuições de H. Wallon para a reflexão sobre as questões educacionais. In: Placco, V. S. (Org.), Psicologia & & Educação: Revendo contribuições pp 9-32, 2002.
  25. MORIN, Edgar. Os saberes necessários à educação do futuro. 11. Ed. São Paulo: Cortez, 2006.
  26. PASQUALI, Luiz. Psicometria: teoria dos testes na psicologia e na educação. Petrópolis: Vozes, 2013.
  27. PEREIRA, Ana Lucia Pereira; FALEIRO, Sandro Nero. Competência interpessoal do professor em sala de aula, desejo ou necessidade? Revista destaques acadêmicos, ano 2, n. 3, 2010.
  28. PIMENTA, Selma Garrido; ANASTASIOU, Léa das Graças Camargo. Docência no ensino superior. 4.ed. São Paulo: Cortez, 2010.
  29. QUINTANA, Mabel Sala. Ação psicopedagógica na universidade. www.psicopedagogia.com.br/opinião/opinião, 2003. Acessado em 05/07/2005.
  30. SALES, M. P; SOUSA, C. E. B. A manifestação da violência no espaço escolar. Educação Científica (UNIFAP), v. 2, n. 2, p. 55-64, jul-dez, Científica (UNIFAP) 2012.
  31. SANTOS, Sandra Carvalho. O processo de ensino aprendizagem e a relação professor-aluno: aplicação dos sete princípios para a boa prática na educação de ensino superior. Caderno de Pesquisa em Administração, 8 (1) p. 69-82, 2001.
  32. SILVA, João Paulo Souza. A relação professor/aluno no processo de ensino e aprendizagem. Revista Espaço Acadêmico, nº 52, setembro. Disponível em: www.espacoacademico.com.br/052/52pc_silva.htm, 2005. Acesso em 6/02/2010.
  33. SILVA, Denise Mendes; OLIVEIRA NETO, José. Dutra. O impacto dos estilos de aprendizagem no ensino de contabilidade. In: 7º Congresso USP de Controladoria e Contabilidade, São Paulo, 26 e 27 de julho de 2007. Anais... São Paulo: 2007
  34. TEIXEIRA, Gilberto. Inadequações dos métodos tradicionais no ambiente universitário, www.serprofessoruniversitario.pro.br/, 2004. Acessado em 25/03/2005.
  35. TELLES, Cassiano et al. Os Saberes Necessários ao Bom Professor de Educação Física Escolar na Percepção dos Acadêmicos Ingressantes da Graduação. Revista gestão universitária, 2015. http://www.gestaouniversitaria.com.br/
  36. TEODORO, Antônio. Ensino superior: tendências e desafios no caso português. In: TEODORO, A.; VASCONCELOS, M. L. (Org.). Ensinar e aprender no ensino superior. 2. Ed. São Paulo: Editora Mackenzie, 2005. p. 13-33.
  37. VASCONCELOS, Alexandra Alves et al. A presença do diálogo na relação professor-aluno. In: V Colóquio Internacional Paulo Freire, Recife, 19-22 set. 2005. Anais... Recife, 2005.
  38. VEIGA, Ilma Passos Alencastro. Orientador não é o detentor único do conhecimento: o que mudou na relação professor/aluno. www.universia.com.br/materia, 2004. Acessado em 01/04/2005.
  39. VENTURA, Maria Clara Amado et al. O bom professor – opinião de estudantes. Revista de Enfermagem Referência, Série III, n 5, p. 95-102, 2011.
  40. WEBER, Maíra Amélia Leite; BEHRENS, Marilda Aparecida. Paradigmas educacionais e o ensino com a utilização de mídias. Revista Intersaberes, Curitiba, a. 5, n.10, p.245-270, jul./dez. 2010