Main Article Content

Resumo

Os movimentos cotidianos de pessoas de suas residências para estudo vêm se constituindo uma informação relevante para ações de planejamentos dos municípios e regiões. Segundo o IBGE (2012), essas informações apresentam-se como indicadores de integração entre localidades. O presente trabalho compreendeu uma investigação teórica e prática sobre o tema migração no Ensino Superior. O objeto de estudo deste trabalho foi analisar o processo de migração/deslocamentos por motivo de estudo, realizado pelos alunos matriculados nos cursos de graduação do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Fluminense (IF Fluminense), campus Campos Centro, no 1º semestre de 2018. A metodologia teve um enfoque quantitativo, de caráter descritivo e exploratório. A coleta de dados foi realizada mediante a aplicação de questionários em sala de aula, assim como por meio da plataforma de questionários online Survey Monkey. Participaram da pesquisa 248 alunos. Constatou-se que os deslocamentos realizados pelos alunos são, predominantemente, de natureza intrarregional, com destaque para os movimentos pendulares.

Palavras-chave

Migrações Intrarregionais Mobilidade Estudantil Movimentos Pendulares

Article Details

Biografia do Autor

Juliana Vieira de Souza, Instituto Federal Fluminense

Licenciatura em Geografia, pelo Instituto Federal Fluminense

 

Nelson Crespo Pimentel, Instituto Federal Fluminense

Mestre em Planejamento Regional e Gestão de Cidades. Especialista em Educação Brasileira. Bacharel e Licenciado em Ciências Sociais. Professor de Sociologia do Instituto Federal Fluminense
Como Citar
Souza, J. V. de, & Pimentel, N. C. (2019). MOBILIDADE ESTUDANTIL NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO NO ÂMBITO DO INSTITUTO FEDERAL FLUMINENSE, CAMPUS CAMPOS CENTRO: UM ESTUDO DE CASO. Humanas Sociais & Aplicadas, 9(25). https://doi.org/10.25242/887692520191744

Referências

  1. AGUIAR, Wanda Maria Junqueira de. A escolha na orientação profissional: contribuições da psicologia sócio histórica. Psicol. educ., São Paulo, n. 23, p. 11-25, dez. 2006. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-69752006000200002 &lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 12 set. 2018.
  2. BAENINGER, Rosana. Migração, Migrações. Ideias, [S.l.], v. 2, n. 1, p. 31-41, ago. 2011. ISSN 2179-5525. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ideias/ article/view/8649329/15884. Acesso em: 08 set. 2016.
  3. BAENINGER, Rosana. Migrações internas no Brasil no século 21: entre o local e o global. In: Encontro Nacional de Estudos Populacionais, 18., Águas de Lindóia. Anais... Águas de Lindóia/SP: ABEP, nov., 2012.
  4. BECKER, O. M. S. Mobilidade espacial da população: conceitos, tipologia, contextos. In: CASTRO, I. E.; GOMES, P. C. C.; CORRÊA, R. L. (Org.). Explorações geográficas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1997.
  5. BRASIL. IBGE. Arranjos populacionais e concentrações urbanas no Brasil. 2015. Coordenação de Geografia. 2. ed. Rio de Janeiro: IBGE, 2016. e-Book (PDF). Disponível em: https://www.ibge.gov.br/apps/ arranjos_populacionais/2015/pdf/publicacao.pdf. Acesso em: 12 mar. 2019.
  6. BRASIL. IBGE. Censo demográfico 2000. Sinopse preliminar do censo demográfico : 2000. Rio de Janeiro: IBGE, 2000. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/ periodicos/308/cd_2000_v7.pdf. Acesso em: 27 ago. 2018.
  7. BRUMES, Karla Rosário; DA SILVA, Márcia. A migração sob diversos contextos. Boletim de Geografia, v. 29, n. 1, p. 123-133, 2011. Disponível em: http://ojs.uem.br/ojs/index.php/ BolGeogr/article/view/10183/8736. Acesso em: 23 ago. 2017.
  8. DA SILVEIRA, Rogério Leandro Lima; BRANDT, Grazielle Betina; FACCIN, Carolina Rezende. Fluxos pendulares e rede urbana na região do Vale do Rio Pardo/RS. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional, v. 14, n. 2, 2018. Disponível em; http://www.rbgdr.com/revista/index.php/rbgdr/article/view/3590/664. Acesso em: 08 jul. 2018.
  9. ENGEL, Priscila Estevam. Centralidade de Presidente Prudente-SP: uma análise de movimentos pendulares e sua contribuição para estudos sobre cidades médias. 2012. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/118942/engel_ pe_tccprud.pdf ?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 10 set. 2017.
  10. FREITAS, H. et al. O método de pesquisa survey. Revista de Administração. São Paulo, v. 35, n. 3, jul/set, 2000. Disponível em: http://www.utfpr.edu.br/curitiba/estrutura-universitaria/diretorias/dirppg/especializações/pos-graduacao-dagee/leanmanufacturing/ PesquisaSurvey012.pdf. Acesso em 16 mar. 2018.
  11. GERHARDT, Tatiana Engel; SILVEIRA, Denise Tolfo (orgs.). Métodos de pesquisa. coordenado pela Universidade Aberta do Brasil – UAB/UFRGS e pelo Curso de Graduação Tecnológica – Planejamento e Gestão para o Desenvolvimento Rural da SEAD/UFRGS. – Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009. Disponível em: http://www.ufrgs.br/cursopgdr/ downloadsSerie/derad005.pdf. Acesso em: 04 set. 2017.
  12. GIDDENS, Anthony. Sociologia. Tradução por Ronaldo Cataldo Costa; revisão técnica Fernando Coutinho Contanda. 6. ed. Porto Alegre: Penso, 2012.
  13. HERNÁNDEZ SAMPIERI, Roberto; COLLADO, Carlos Fernández; LUCIO, Maria del Pilar Baptista. Metodologia de pesquisa. Tradução por Daisy Vaz de Moraes. 5. ed. Porto Alegre: Penso, 2013.
  14. LOBATO, Vivian da Silva; TORRES, João Maria. Influências na escolha da profissão do professor: desafios e superações. In: NASCIMENTO, Ivany Pinto; RODRIGUES, Sônia Eli; ANJOS, Francisco Valdinei Santos (orgs.). As representações sociais de professores do ensino fundamental enlaçadas ao que realizam na escola. Curitiba: Appris 2017.
  15. MATOS, Ralfo; BAENINGER, Rosana. Migração e urbanização no Brasil: processos de concentração e desconcentração espacial e o debate recente. Cadernos do LESTE, v. 1, 2018. Disponível em: http://igc.ufmg.br/portaldeperiodicos/index.php/leste/article/view /1092. Acesso em: 27jun2018.
  16. MOURA, Rosa; CASTELLO BRANCO, Maria Luisa Gomes; FIRKOWSKI, Olga Lúcia C. de Freitas. Movimento pendular e perspectivas de pesquisas em aglomerados urbanos. São Paulo Perspec., São Paulo, v. 19, n. 4, p. 121-133, Dec. 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-88392005000400008& lng=en&nrm=iso. Acesso em: 27 ago. 2018.
  17. PATARRA, Neide Lopes. Movimentos migratórios no Brasil: tempo e espaços. Rio de Janeiro: Escola Nacional de Ciências Estatísticas, 2003.
  18. Plano de Desenvolvimento Institucional do Instituto Federal Fluminense 2010-2014. Campos dos Goytacazes, RJ: Essentia Editora, 2011. Disponível em: http://www.essentiaeditora.iff.edu.br/index.php/livros/article/view/3999/2260. Acesso em: 07 set. 2018.
  19. PÓVOA-NETO, H. Migrações internas e mobilidade do trabalho no Brasil atual: novos desafios para a análise. Revista e Experimental, São Paulo, n. 2, p. 11-24, março 1997.
  20. SALIM, Celso Amorim. Migração: o fato e a controvérsia teórica. Anais, p. 119-144, 2016. Disponível em: http://www.abep.org.br/publicacoes/index.php/anais/article/viewFile/609 /589. Acesso em: 27 out. 2017.
  21. SIMÕES, Cassiana Ferreira. Acesso e permanência no ensino superior: o caso do ESR/UFF. Anais do Encontro Internacional e Nacional de Política Social, v. 1, n. 1, 2018. Disponível em: http://www.portaldepublicacoes.ufes.br/EINPS/article/view/ 20135. Acesso em: 27 ago. 2018.
  22. SORDI, José Osvaldo de. Desenvolvimento de projeto de pesquisa. São Paulo: Saraiva, 2017.
  23. TAVARES, Jéssica Monteiro da Silva; OLIVEIRA, Elzira Lúcia de. Alunos em movimento no Norte Fluminense. Anais, p. 1-20, 2017. Disponível em: http://www.abep.org.br/ publicacoes/index.php/anais/article/download/2551/2483. Acesso em: 28 jul. 2018.