Main Article Content

Resumo

Os textos não-verbais acompanham as caminhadas pela cidade, produzem-se, completam-se, alteram-se ao ritmo dos passos e, sobretudo, da capacidade de perceber, de registrar essa informação: transforma os textos não verbais em marcos referenciais da cidade, que aglutinam objeto e signo urbanos. Caminhando pelo processo de formação histórico-espacial dos espaços públicos e na sua contextualização na imagem da cidade, avistam-se percursos metodológicos interdisciplinares, unindo arquitetura, semiótica, análise do discurso e psicologia nessa busca pelos elementos atuantes na produção de sentidos na arquitetura, logo, no processo semântico das praças urbanas, denominada Etnotopografia, numa proposta para a leitura do espaço não-verbal, aplicável às habilidades profissionais de arquitetos e urbanistas.

Palavras-chave

URBANISMO METODOLOGIA ARQUITETURA E URBANISMO ARQUITETURA

Article Details

Biografia do Autor

PAOLLA CLAYR DE ARRUDA SILVEIRA, IF FLUMINENSE

DOCENTE DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO IF FLUMINENSE

MESTRE EM COGNIÇÃO E LINGUAGEM PELA UENF

MBA EM GEGRÊNCIA DE CIDADES PELA UNINTER

ARQUITETA E URBANISTA PELO IF FLUMINENSE

Como Citar
SILVEIRA, P. C. D. A. (2020). ETNOTOPOGRAFIA APLICADA EM PRAÇAS: ALGUMAS FERRAMENTAS PARA LER A CIDADE EM ARQUITETURA E URBANISMO. Perspectivas Online: Humanas & Sociais Aplicadas, 10(27), 1-21. https://doi.org/10.25242/8876102720201755

Referências

  1. SANTAELLA, Lucia. O que é semiótica. São Paulo: Brasiliense, 2007.
  2. FERRARA, Lucrécia D’Alessio. Leitura sem palavras. São Paulo: Ática, 1986.
  3. FERRARA, Lucrécia D’Alessio. Olhar periférico: informação, linguagem, percepção ambiental. São Paulo: EDUSP, 1999
  4. COELHO NETTO, José Teixeira. A construção de sentidos na arquitetura. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 1984.
  5. DUARTE, Cristiane R. Cultura, Subjetividade e Experiência: dinâmicas contemporâneas na Arquitetura. In: Anais do I Encontro Nacional da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo. Rio de Janeiro, 29 de novembro a 03 de dezembro de 2010.
  6. CARVALHO, Nathalia Moreira. Ambiências Noturnas: Arquiteturas e Subjetividades em cenários urbanos cariocas. Dissertação de Mestrado. Rio de Janeiro: UFRJ/FAU, 2013.
  7. BONI, Paulo Cesar; MORESCHI, Bruna Maria. Fotoetnografia: a importância da fotografia para o resgate etnográfico. In: Doc On-line, n. 3, Dez. 2007, p. 137-157. Disponível em: . Acesso em 07 jan. 2017.
  8. BRASILEIRO, Alice de Barros H. Rebatimentos espaciais de dimensões sócio-culturais: ambientes de trabalho. Tese de doutorado. Rio de Janeiro: UFRJ/FAU, 2007.
  9. LAPLANTINE, François. A descrição etnográfica. Trad. João Manuel R. Coelho e Sérgio Coelho. São Paulo: Terceira Margem, 2004.
  10. SOMMER, Barbara; SOMMER, Robert. A Practical Guide to Behavioral Research: Tools an d Techniques. Nova York: Oxford University Press, 1997.
  11. TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.
  12. MUCELIN, Carlos Alberto; BELLINI, Luiza Marta. A percepção ambiental urbana com uso de imagens fotográficas: um instrumento semiótico denominado Jogo de Percepção. In: Discursos fotográficos, v. 3, n. 3, p. 221-248. Londrina, 2007. Disponível em: . Acesso em 07 jan. 2017.
  13. EXPÓSITO, Alberto Martín. O tempo suspenso: fotografia e relato. Disponível em: . Acesso em 07 jan. 2017.