Main Article Content

Resumo

Este estudo faz parte da pesquisa PIBIC dos Institutos Superiores de Ensino do CENSA -ISECENSA, e tem como objetivo central apresentar as representações sociais sobre o ser pedagogo na perspectiva dos estudantes em processo formativo, matriculados nas Instituições de Ensino Superior do município de Campos dos Goytacazes, RJ. Foram realizados levantamentos em três instituições de ensino superior, duas públicas e uma privada, a partir da questão: “Por quero ser pedagogo?”. Participaram da pesquisa 325 estudantes, matriculados entre o período de 2018 a 2019 (primeiro semestre). O estudo teve um enfoque quali quanti. Em busca de uma exploração detalhada do assunto e tema da pesquisa, percorreu-se um percurso investigativo com base no levantamento bibliográfico. Os dados foram coletados com o auxílio da plataforma de questionários online SurveyMonkey, assim como a partir de visitas as IES, momento em que foi aplicado um questionário em sala de aula. Os resultados revelaram quatro categorias que envolve as representações do por que ser pedagogo para os estudantes respondentes, que são: “realização pessoal e profissional”, “transformação social”, “aperfeiçoamento” e “empregabilidade”.

 

Palavras-chave

Pedagogia. Escolha Profissional. Representação

Article Details

Biografia do Autor

Teresa Claudina Oliveira Cunha, ISECENSA

Humanas e Sociais Aplicadas
Como Citar
Oliveira Cunha, T. C., Machado Seabra Puglia, V., & Amorim Nazareth Dias, P. (2019). POR QUE QUERO SER PEDAGOGO: REPRESENTAÇÃO SOCIAL DOS ESTUDANTES DOS CURSOS DE PEDAGOGIA DO MUNICÍPIO DE CAMPOS DOS GOYTACAZES, RJ. Humanas & Sociais Aplicadas, 9(26), 18-31. https://doi.org/10.25242/887692620191875

Referências

  1. DUVEEN, Gerard. O poder das ideias. In: Representações sociais: investigações em psicologia social. 11. ed. Petrópolis, RJ: Vozes BARBETTA, Pedro Alberto. Estatística aplicada às ciências sociais. 7. ed. 3. reimp. Florianópolis: Editora UFSC, 2010.
  2. BRASIL. Resolução CNE nº 1, de 15 de maio de 2006. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. Diário Oficial da União, 15 de maio de 2006. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rcp01_06.pdf. Acesso em: 08 ago. 2018.
  3. CHANLAT, Jean-François. Por uma antropologia da condição humana nas organizações. In: TÔRRES, Ofélia de Lanna Sette. (org.). O indivíduo a organização: dimensões esquecidas. Tradução por Arakcy Martins Rodrigues. et. Al. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1996.
  4. CRUZ, Evandro Costa; COSTA, Deuzeli Brandão da. A Importância da Formação Continuada e sua Relação com a Prática Docente. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Edição 08. Ano 02, Vol. 03. pp 42-58, Novembro de 2017. Disponível em: https://www.nucleodoconhecimento.com.br/educacao/formacao-continuada. Acesso em: 29 maio 2019.
  5. DOTTA, Leanete Teresinha Thomas. Representações sociais do ser professor. Campinas, SP: Editora Alínea, 2006.
  6. DUVEEN, Gerard. O poder das ideias. In: Representações sociais: investigações em psicologia social. 11. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2015.
  7. FREIRE, Paulo. Educação e mudança. 27. ed. Paz e Terra. Rio de Janeiro, 2003.
  8. GUERRERO, Miguel Escobar. Sonhos e utopias: ler Freire a partir da prática. Brasília; Liber Livro Editora, 2010.
  9. HERNÁNDEZ SAMPIERI, Roberto; CALLADO, Carlos Fernández; LUCIO, Maria Del Pilar Baptista. Metodologia de pesquisa. Tradução Daisy Vaz de Moraes. 5. ed. Porto Alegre: Penso, 2013.
  10. JODELET, Denise. Representações sociais: um domínio em expansão. In: JODELET, D. (Org.). Representações sociais. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2001.
  11. LIBANEO, José Carlos. Pedagogia e pedagogos: inquietações e buscas. Educ. rev., Curitiba, n. 17, p. 153-176, June 2001. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php? script=sci_arttext&pid=S0104-40602001000100012&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 24 maio 2019.
  12. MELO, Ana Virgínia C. de. Mapas cognitivos e categorias temáticas como metodologias associadas de análise e organização de dados em pesquisa qualitativa. Archeion Online, [S.l.], v. 4, n. 2, p. 25-42, dez. 2016. Disponível em: http://www.periodicos.ufpb.br/index.php/ archeion/article/view/32307. Acesso em: 21 maio 2019.
  13. NASCIMENTO, Ivany Pinto; RODRIGUES, Sônia Eli; ANJOS, Francisco Valdinei Santos. (org.) As representações sociais de professores do ensino fundamental enlaçadas ao que realizam na escola. 1. ed. Curitiba: Appris, 2017.
  14. NEVES, Joana D’Arc Vasconcelos das; MORAES, Kleber. Ser professor no atual contexto histórico-social: desafios e superações. In: NASCIMENTO, Ivany Pinto; RODRIGUES, Sônia Eli; ANJOS, Francisco Valdinei Santos. (org.) As representações sociais de professores do ensino fundamental enlaçadas ao que realizam na escola. 1. ed. Curitiba: Appris, 2017.
  15. NOGUEIRA, Sônia Martins de Almeida. Do ofício de ser professor: breves considerações sobre o desafio imediato da formação de professores. In: ARRUDA, Sérgio; NASCIMENTO, Giovane (orgs.). Formação de professores: histórias, experiências e proposições. Campos dos Goytacazes, RJ: Essentia Editora, 2013.
  16. PERRENOUD, Philippe. A prática reflexiva no ofício de professor: profissionalização e razão pedagógica. Tradução por Cláudia Schilling. Porto Alegre: Artmed Editora, 2002.