Main Article Content

Resumo

Este trabalho aborda a formação de professores a partir da implementação de um processo de inovação metodológica com uma equipe de educadores do Ensino Fundamental II, de uma escola particular de Campos dos Goytacazes-RJ. Partiu-se da convicção de que mudanças na escola ocorrem quando assumidas pelo coletivo das docentes (CARVALHO, 2009). Nesse sentido, projetou-se uma pesquisa cujo objetivo foi acompanhar o grupo de professores de 6º ao 8º ano do Ensino Fundamental II, em seu processo formativo, por um ano, proporcionando-lhes atualização pedagógica em tecnologias digitais e metodologias ativas. Especificamente, objetivou-se inovar suas práticas pedagógicas, promovendo a formação em serviço, acompanhamento e avaliação do desempenho processual das professoras ao longo do ano de 2018/2019. Os resultados apontam para a efetivação de um projeto inovador com a passagem de um ensino tradicional para uma Pedagogia sob novo enfoque: superação da Educação tradicional, para um novo processo ensino-aprendizagem aberto às exigências do mundo hoje, com o ensino híbrido e uso de metodologias ativas e tecnologias digitais da informação e do conhecimento. (TDIC’s).


Palavras-chave

Formação Docente Tecnologias Digitais Metodologias ativas Inovação Metodológica

Article Details

Biografia do Autor

Luzia Alves de Carvalho

 

Diretora do Instituto de Educação do ISECENSA/RJ

Vice-diretora do CENSA/RJ

 

 

Como Citar
Carvalho, L. A. de, Ferreira dos Santos, S., Pereira Oliveira, L. F., & Ribeiro Galdino, M. E. (2019). TECNOLOGIAS DIGITAIS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (TDIC’S) E A SALA DE AULA. Humanas & Sociais Aplicadas, 9(26), 32-51. https://doi.org/10.25242/887692620191876

Referências

  1. ALVIRA, F. R.M. et al. Los dos métodos de las Ciencias Sociales. Madrid: Centro de Investigaciones Sociológicas – CIC, 1979.
  2. ANDRÉ, M. et al. Estado da arte da formação de professores no Brasil. Revista Educação e Sociedade, Campinas: SP, v. 68, n. especial, p. 301-309, 1999.
  3. AUSUBEL, D.P. Psicología educativa: um punto de vista cognoscitivo. México, Editorial Trillas. Traducción al español de Roberto Helier D., de la primera edición de Educational psychology: a cognitive view, 1976.
  4. BACICH, L.; MORAN, J. Metodologias ativas para uma educação inovadora: uma abordagem teórico-prática. Porto Alegre: Penso, 2018.
  5. BACICH, L.; NETO, A. T.; TREVISANI, F. M. (org.) Ensino híbrido: personalização e tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso, 2015.
  6. BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.
  7. BERGER, P.; LUCKMANN, T.A. Construção social de realidade: tratado de sociologia do conhecimento. Tradução Floriano de Souza Fernandes. 23. ed. Petrópolis, Rio de Janeiro. Vozes, 2003.
  8. BRASIL. Base Nacional Comum Curricular: documento completo. Brasília: MEC/Secretaria de Educação Básica, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum. mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf. Acesso em: 11 maio 2019.
  9. CAMARGO, F.; DAROS, T. A sala de aula inovadora: estratégias pedagógicas para fomentar o aprendizado ativo. Porto Alegre: Penso, 2018.
  10. CARBONELL, J. Pedagogias do século XXI. Porto Alegre: Penso. 2016.
  11. CARVALHO, L.A. et al. Formação de Professores: Implementação de Práticas Inovadoras em Sala de Aula. Pleiade, 12(25): 64-78, Dez., 2018. Edição Especial VI CIEdu. Disponível em: https://pleiade.uniamerica.br/indez.php/pleiade/article/view/450/575).
  12. CARVALHO, Luzia Alves de (A. PRINCIP.). Identidade institucional coletiva em tempos líquidos: possibilidade ou ilusão?. Rio de Janeiro: Usina de Letras, 2009.
  13. CARVALHO, Luzia. Labirintos da pesquisa. Usina de letras. Rio de Janeiro, 2009.
  14. CARVALHO, Luzia. Revista Pleiade (htpss://pleiade.uniamerica.br/index.php/pleiade/article/view/450/575)
  15. CETIC. TIC Educação 2018: cresce interesse dos professores sobre o uso das tecnologias em atividades educacionais. Disponível: https://cetic.br/noticia/tic-educacao-2018-cresce-interesse-dos-professores-sobre-o-uso-das-tecnologias-em-atividades-educacionais/. Acesso em: 21 ago. 2019.
  16. CHRISTENSEN, C.; HORN, M.; STAKER, H. Blended: usando a inovação disruptiva para aprimorar a educação. Tradução por Fundação Lemann e Instituto Península. 2015.
  17. CRESCER, Instituto. APEI 50 – Avaliação de Práticas Educacionais Inovadoras. 2019
  18. DELLAGNELO, Lúcia. Tecnologias fazem o vínculo de alunos com o cotidiano. O globo, sociedade p. 47. Publicado em 18 ago. 2019.
  19. FREUD, S. A interpretação dos sonhos. 1996. Tradução de Wafredo Ismael de Oliveira. In: Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro, n. 423, p. 51, jun. 2006.
  20. HORN, M. B.; STAKER, H. Blended: usando a inovação disruptiva para aprimorar a educação. Tradução: Maria Cristina Gularte Monteiro; revisão técnica: Adolfo Tanzi Neto, Lilian Bacich. Porto Alegre: Penso, 2015.
  21. MORAN, José. Mudando a educação com metodologias ativas. Coleção Mídias Contemporâneas. Convergências Midiáticas, Educação e Cidadania: aproximações de jovens. v. II. 2015.
  22. PERRENOUD, P. Construir as competências desde a escola. Artmed, 1999.
  23. PPP. Projeto Político Pedagógico do CENSA. Rio de Janeiro, Campos dos Goytacazes. 2018
  24. ROSA, J. G. Grande sertão: Veredas. 13. ed. Ed. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1979.
  25. SANTOS, Letícia. Educação 4.0: saiba como gestores e professores podem se preparar. In: INOVEDUC. Folha Dirigida. Edição 06, ano II, Out. 2018.
  26. SOARES, J.C. Em busca de uma “razão sensível” no reino da cultura de massa. Mimeo. Logos. Comunicação e Universidade, UFRJ, Rio de Janeiro, 2002, vol. 9, n. 17, p. 7-18.
  27. THIOLLENT, M. Metodologia da pesquisa-ação. 10. ed. São Paulo: Cortez, 2000.