Main Article Content

Resumo

O presente artigo aborda os sentidos que atravessam os modos de relação que prevalecem com casais onde ao menos um dos cônjuges é deficiente. Diversos âmbitos da vida conjugal são abordados como a sexualidade, o trabalho, a criação dos filhos, a espiritualidade, a relação com os parentes de ambos os lados. Os sentidos desvelados se deram a partir do encontro dos pesquisadores com os casais entrevistados e a experiência singular fundou o nosso olhar. "Voltar às coisas mesmas", eis o fio condutor de um trabalho fenomenológico; teorias, opiniões e sistematizações não poderão capturar os olhares que livremente vão ao encontro do objeto de pesquisa que "fala" por si mesmo e não pode ser apreendido por esquemas teóricos. A metodologia utilizada foi qualitativa, sendo a mesma desenvolvida, a partir da combinação do método fenomenológico com a cartografia, onde adotamos entrevistas semi-abertas, bem como revisão sistemática da literatura. O trabalho de campo evidenciou que ainda permanecemos imersos, socialmente, num conflito de olhares, onde de um lado se apresenta o processo de socialização fundado em verdades como adequação, estigmas e, porque não dizer, sentenças, e do outro, vivências, singularidades e possibilidades

Palavras-chave

Sentido Fenomenolgia Estigma Deficiência

Article Details

Como Citar
Azevedo, C. A. L. dos S., Barros Caetano, E., Muniz Manhães, M., Batista Ferreira Sales, R., & Chagas Santana, V. (2019). INVESTIGAÇÕES FENOMENOLÓGICAS DOS SENTIDOS DESVELADOS NAS RELAÇÕES CONJUGAIS A PARTIR DA DEFICIÊNCIA DE AO MENOS UM DOS CONJUGES. Humanas & Sociais Aplicadas, 9(26), 113-126. https://doi.org/10.25242/887692620191894

Referências

  1. BERGER, Peter L. et al. Socialização: como ser um membro da sociedade. In: FORACCHI, Marialice M. et al. Sociologia e sociedade: leituras de introdução à sociologia. Rio de Janeiro: LTC, 2008;
  2. BEAUVOIR, Simone de. O segundo sexo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2009
  3. BICUDO, Maria Aparecida Viggiani. Fenomenologia: confrontos e avanços. São Paulo: Cortez Editora, 2000;
  4. CANGUILHEM, Georges. O normal e o patológico. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2000;
  5. CHAUÍ, Marilena. Convite à filosofia. São Paulo: Editora Atica, 2001;
  6. DELEUZE, Gilles. Diferença e repetição. Lisboa: Relógio D`Água Editores, 2000;
  7. DIAS, Reinaldo. Introdução à sociologia. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2010;
  8. DINIZ, Débora. O que é deficiência. São Paulo: Brasiliense, 2012;
  9. Entrevista de Victor Aiello Tsu com Clifford Geertz: “A Mitologia de Um Antropólogo”. In: REVER: Revista de Estudos da Religião. n. 3, 2001, p. 126-133.
  10. FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso: aula inaugural no College de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. São Paulo: Edições Loyola, 2009;
  11. HOLANDA, Adriano Furtado. Fenomenologia e humanismo: reflexões necessárias. Curitiba: Juruá, 2014.
  12. KASTRUP, Virgínia. O funcionamento da atenção no trabalho do cartógrafo. In: PASSOS, E., KASTRUP, V. , ESCÓCIA, L. (orgs.). Pistas do método da cartografia: Pesquisa – intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulinas, 2012, p. 32-51.
  13. KASTRUP, Virgínia et alli. Cartografar é acompanhar processos. In: PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓCIA, L. (orgs.). Pistas do método da cartografia: pesquisa – intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulinas, 2012, p. 32-51.
  14. LYOTARD, Jean-François. A fenomenologia. Lisboa: Edições 70, 1954.
  15. MARIANO, Silvana Aparecida. O sujeito do feminismo e o pós-estruturalismo. Revista Estudos Feministas. Universidade Federal de Santa Catarina, v. 07, n. 1-2 (1999). Florianópolis: UFSC, 1999.
  16. SÁ, Roberto Novaes de. Para além da técnica: ensaios fenomenológicos sobre psicoterapia, atenção e cuidado. Rio de Janeiro: Via Verita, 2017.
  17. SILVA, Tomaz Tadeu da. Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.
  18. TEDESCO, Silvia. Estilo: subjetividade: o tema da criação nos estudos da Psicologia da Linguagem. In: Psicologia em Estudo, Maringá, v. 6, n. 1, p. 29-38, jan./jun. 2001.