Main Article Content

Resumo

A presente pesquisa sobre as percepções étnico-raciais da juventude negra de Campos dos Goytacazes, tem a perspectiva de constribuir para concepções de novos horizontes pessoais e sociais no que diz respeito ao racismo velado ou explícito ainda existente na sociedade brasileira. O trabalho tem como objetivo geral analisar as percepções fenomenológica da juventude negra de Campos dos Goytacazes-RJ sobre a sua autoimagem e autoestima. A pesquisa te o compromisso de dar voz à juventude negra de Campos dos Goytacazes, discutir tabus, perceber a existência de preconceitos velados, possibilitando uma abertura para o diálogo dentro do contexto social e acadêmico sobre questões étnico-raciais. Os primerios resultados da pesquisa revelam que a discriminação contribui diretamente para o aumento da segregação social; torna difícil o enfrentamento de realidades; evita questionamentos; e afasta, muitas vezes, de forma sutil tentativas de inclusão social. Os estigmas normalmente são reunidos em três grandes grupos, conforme essa linha teórica: as deformidades físicas; as culpas de caráter individual (desonestidade, entre outros); e os estigmas tribais de raça, nação, religião, por exemplo. As pessoas ditas como normais, tendem a se agrupar e a estabelecer padrões de comportamentos que serão impostos ao coletivo, que acabam aceitando e tornando esses padrões como normas de convivência dentro daquele grupo. Aos que não se enquadrarem dentro dos padrões estabelecidos pelo grupo serão estigmatizados. Destarte acredita-se que o convívio obrigatório das pessoas estigmatizadas com as ditas “normais”, principalmente quando o grupo a que pertencem não podem excluí-lo, podem levar a baixa estima e por vezes a assumir e concordar com a condição de inferior, levando a depressão ou a outros estados patológicos. Também está sendo observado que o preconceito é passado de geração em geração, sendo uma construção social. Por isso, se ele é construído também pode ser desconstruído.


Palavras-chave

Rede Social Estigma Jovens Negros Psicologia

Article Details

Como Citar
Ribeiro de Andrade, E., S. Sousa, P., S. Moté, L., R. da S. Siqueira, L., & A. Ribeiro, M. (2019). REFLEXÕES SOBRE QUESTÕES ÉTNICO-RACIAIS DOS JOVENS NEGROS DO MUNICÍPIO DE CAMPOS DOS GOYTACAZES. Humanas & Sociais Aplicadas, 9(26), 98-112. https://doi.org/10.25242/887692620191920

Referências

  1. BANDEIRA, L.; BATISTA, A.S. Preconceito e Discriminação como expressões de Violência. Revista Estudos Femininos, v. 10, n. 1, 2002.
  2. BARROS, R.P.; MENDONÇA, R.S. Diferenças entre discriminação racial e por gênero e o desenho de políticas anti-discriminatórias. Revista Estudos feministas, v. 1: p. 183-193, 1996.
  3. BOBBIO, N.; MATTEUCCI, N.; PASQUINO, G. Dicionário de Política. 4. ed., Brasília: UnB, 1998.
  4. CHEMIM, M.S.A. O negro no espaço escolar. 2013 Disponível em: http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/cadernospde/pdebusca/producoes_pde/2013/2013_uepg_hist_artigo_maria_do_socorro_chemim.pdf. Acesso em: 17 jul. 2019.
  5. CUNHA, M.S. Africanidades: a valorização da cultura negra na escola pode melhorar o relacionamento entre alunos? 2015. Disponível em: http://bdm.unb.br/bitstream /10483/14558/1/2015_MilvaniaSimasdaCunha_tcc.pdf. Acesso em: 15 jul.2019.
  6. Declaração sobre a Raça e os Preconceitos Raciais. Conferência Geral da Organização das Nações Unidas – 20ª. Sessão da Educação, Ciência e Cultura. 1978. Disponível em: http://www.direito.mppr.mp.br/arquivos/File/Igualdade_Racial/1978DeclRaca.pdf. Acesso em: 10 set. 2019.
  7. PINTO, M. C. C.; FERREIRA, R. F. Relações raciais no Brasil e a construção da identidade da pessoa negra. Pesqui. prát. psicossociais, São João del-Rei, v. 9, n. 2, p. 257-266, dez. 2014. Disponível em: https://ufsj.edu.br/portal2-repositorio/File/revistalapip /12%20-%20Art_%20712%20-%20Pronto(1).pd>. Acesso em: 15 jul. 2019.
  8. GOMES, D. D. O.; MADEIRA, Z. Persistentes desigualdades raciais e resistências negras no Brasil contemporâneo. 2018. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script= sci _arttext&pid=S0101-66282018000300463. Acesso em: 18 jul. 2019.
  9. GUIMARÃES, A.S. Como trabalhar com "raça" em sociologia. Educação e Pesquisa, v. 29, n.1, p. 93-107, 2003.
  10. HASENBALG, C. Discriminação e desigualdades raciais no Brasil. Rio de Janeiro: Graal, 1979. Disponível em: https://pt.scribd.com/document/285951697/HASENBALG-
  11. Discriminacao-e-Desigualdades-Raciais-No-Brasil-Carlos-Hasenbalg. Acesso em: 16 jul. 2019.
  12. INSTITUTO AMMA PSIQUE E NEGRITUDE. Os efeitos psicossociais do racismo. 2008. Disponível em: http://www.ammapsique.org.br/baixe/Os-efeitos-psicossociais-doracismo.pdf. Acesso em: 16 jul. 2019.
  13. MARTINS, E.; COLOSSO, A. Relações étnico-raciais e psicologia: publicações em periódicos da Scielo e Lilacs. Psicologia: Tepria e Prática, v. 15, n. 3, p. 118-133, 2013.
  14. NOGUEIRA, F. Governo Temer como restauração colonialista. Rio de Janeiro: Le Monde Diplomatique Brasil, 2017. p.4-5.
  15. NOGUEIRA, O. Tanto preto quanto branco: estudos de relações raciais. São Paulo: T.A. Queiroz Editor, 1985.
  16. OLIVEIRA, R.M.S.; NASCIMENTO, M.C. Psicologia e Relações Raciais: sobre apagamentos e visibilidades. 2018. Disponível em: http://abpnrevista.org.br/revista /index.php/revistaabpn1/article/view/582. Acesso em: 19 jul. 2019.
  17. OLIVEIRA, R.J. Territorialidade negra e segregação racial na cidade de São Paulo: a luta por cidadania no século XX. São Paulo: Alameda Editorial, 2017.
  18. PINTO, M. C. C.; FERREIRA, R. F. Relações raciais no Brasil e a construção da identidade da pessoa negra. Revista Pesquisas e Práticas Psicossociais, Ed. 9, n. 2, São João del-Rei, julho-dezembro de 2014.
  19. POLIAKOV, L.; DELACAMPAGNE, C.; GIRARD, P. Le racisme. Paris: Ed. Sehers, 1977.
  20. RAMOS, D.G. Formação da identidade e sentimentos de autoestima: um estudo comparativo entre jovens brancos e negros. 2009. Disponível em: http://www4.pucsp.br/jung/download/formacao_autoestima.pdf. Acesso em: 17 jul. 2019.
  21. RIBEIRO, R.I. Alma africana no Brasil. São Paulo: Oduduwa, 1996.
  22. RODRIGUES, M.F. Raça e criminalidade na obra de Nina Rodrigues: Uma história psicossocial dos estudos raciais no Brasil do final do século XIX. Estudos e Pesquisa em Psicologia, v.15, n.3, 2015.
  23. SANSONE, L. Negritude sem etnicidade. Salvador/Rio de Janeiro: Edufba/Pallas, 2004.
  24. SCHUCMAN, L.V.; NUNES, S.S.; COSTA, E.S. A Psicologia da Universidade de São Paulo e as relações raciais: perspectivas emergentes. Psicologia USP, v.28, n.1, p.144-158, 2017
  25. SILVA, H.M.R.; GOSSLER, L. A importância do negro na sociedade brasileira. 2008. Disponível em: http://www.administradores.com.br/mobile/artigos/economia-efinancas/ aimportancia-do-negro-na-sociedade-brasileira/26258/. Acesso em: 16 jul. 2019.
  26. SILVA, V. R.; FELÍCIO, C. B.; ANDRADE, E. R. População de rua: possibilidades de um olhar fenomenológico a partir da angústia de Heidegger. Perspectivas Online: Humanas & Socias Aplicadas, v. 8, n. 22, 2018. Disponível em: https://www.seer.perspectivasonline. com.br/index.php/humanas_sociais_e_aplicadas/article/view/1639. Acesso em: 29 set. 2019.
  27. SILVÉRIO, V.R. Ação afirmativa: percepções da “casa grande” e da “senzala”. Revista de Ciências Sociais, v. 26, p. 57-79, 2003.
  28. SILVÉRIO, V.R. O movimento negro e os novos contornos do debate brasileiro sobre raça, etnia e democracia. Anais do XIII do Congresso Luso-Afro-Brasileiro de Ciências Socias, Coimbra, Portugal, 2004.
  29. SOBRINHO, A.G.O. e outros. Estigmatização de pessoas com deficiência visual: como tratar esta questão? Perspectivas Online: Humanas & Socias Aplicadas, v.8, n.23, p. 1-16, 2018. Disponível em: http://seer.perspectivasonline.com.br/index.php/humanas_sociais _e_aplicadas/article/view/1682/1339. Acesso em: 16 jul. 2019.
  30. SOUZA, M.E.V. Preconceito racial e discriminação no cotidiano escolar. São Paulo: Grupo de Estudos Afro-Brasileiros e Educação, 2005. Disponível em: http://www.anped.org.br /reunioes/26/trabalhos/mariaelenavianasouza.rtf. Acesso em: 14 jul. 2019.
  31. TELLES, E. E. Racismo à brasileira: uma nova perspectiva sociológica. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 2003.
  32. WALLERSTEIN, I. O declínio do poder americano. Rio de Janeiro: Contraponto, 2004.