Main Article Content

Resumo

O presente estudo tem a finalidade de realizar uma reflexão, por meio de uma pesquisa de campo, sobre o racismo ainda presente em nossa sociedade e contribuir para a construção de pensamentos sociais que valorize as diferenças e a dignidade de toda pessoa humana. O objetivo do trabalho foi realizar uma análise das concepções de identidade dos jovens negros de Campos dos Goytacazes-RJ acerca de si mesmos. Para isso, foi utilizado como metodologia a pesquisa de campo e a técnica quantitativa. O objeto do estudo realizado com a juventude negra é a compreensão da percepção que esses sujeitos têm sobre si no que diz respeito a sua autoestima e autoimagem. Os resultados demonstraram que o preconceito racial constrói mais segregações na sociedade; dificulta o convívio social entre pessoas de etnias diferentes; reflexões críticas são evitadas; e, como consequência dessas ações, a inclusão social fica prejudicada. Os estigmas apresentados nessa esfera geralmente são: culpabilidade individual; deformidade física; os preconceitos e rejeição de raça e cultura. As pessoas padronizadas como sujeitos normais dentro da sociedade passam a se unirem em grupo e ditarem regras comportamentais que devem ser obedecidas por todos da sociedade, que acabam sendo consideradas padrões sociais de convivência. Assim, os sujeitos que não seguem esses padrões são estigmatizados. Por isso, a convivência de pessoas estigmatizadas com as ditas “normais”, onde não haja entre essas relações possibilidades de questionamentos, pode gerar a baixa estima de um grupo, assumindo e concordando com a sua condição de inferioridade criada por outro grupo eleito como superior. Conclui-se que o preconceito é construído pelas gerações e passado entre elas necessitado de ações concretas que envolva a sociedade atual, para que percebam e reflitam sobre as atitudes preconceituosas e discriminatórias existentes na atualidade e como esses acontecimentos se perpetuam caso não enfrentado. Dessa forma, devido ao preconceito enraizado e vivido ao longo da história, inclusive, no município de Campos dos Goytacazes/RJ, esta rejeição racial exerce grande influência na autoimagem e autoestima dos jovens afrodescendentes negros, como também contribui para que esse grupo, muitas vezes, não se sinta pertencente ou representado na sociedade.

Palavras-chave

O presente estudo tem a finalidade de realizar uma reflexão por meio de uma pesquisa de campo sobre o racismo ainda presente em nossa sociedade e contribuir para a construção de pensamentos sociais que valorize as diferenças e a dignidade de toda pessoa

Article Details

Como Citar
Sousa, P. S., Ribeiro de Andrade, E., Eduardo Azevedo, J., R. R. Ferreira, B., & P. Beyruth, G. (2019). UMA REFLEXÃO SOBRE A ATUAL PERCEPÇÃO DA AUTOIMAGEM DOS JOVENS AFRODESCENDENTES DO MUNICÍPIO DE CAMPOS DOS GOYTACAZES, RJ. Humanas & Sociais Aplicadas, 9(26), 82-97. https://doi.org/10.25242/887692620191921

Referências

  1. AZEVEDO, Celia Maria Marinho de. A luta contra o racismo e a questão da identidade negra no Brasil. Rev. Contemporânea, v. 8, n. 1 p. 163-191, Jan./Jun. 2018, ISSN nº 2316-1329. Disponível em: http://doi.editoracubo.com.br/10.4322/2316-1329.055. Acesso em: 15 jul. 2019.
  2. BENEDITO, M. S. A relação entre psicologia e racismo: as heranças da clínica psicológica. 2018. 107p. Dissertação (Mestrado). Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018.
  3. BIANCHI, F. T.; ZEA, M. C.; BELGRAVE, F. Z.; ECHEVERRY, J. J. Racial Identity and self-esteem among black brazilian men: Race matters in Brazil too! Cultural Diversity and Ethinic Minority Psychology, v.8, n.2, p.157-169, 2002.
  4. CANDAU, V.M. Multiculturalismo e educação: desafios para a prática pedagógica. In: CANDAU, V.M.; MOREIRA, A.F. Multiculturalismo: diferenças culturais e práticas pedagógicas. Petrópolis: Vozes, 2008. p.13-37.
  5. COLE, M.; COLE, S. O desenvolvimento da criança e do adolescente. Trad.: Magda França Lopes. 4.ed., Porto Alegre: Artmed, 2003.
  6. FERNANDES, V. B.; SOUZA, M.C.C.C. Identidade negra entre exclusão e liberdade, 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rieb/n63/0020-3874-rieb-63-0103.pdf. Acesso em: 15 jul. 2019.
  7. FERREIRA, B.; BEYRUTH, G.; SOUSA, P.; AZEVEDO, J. E.; ANDRADE, E. Percepções sobre a autoestima e autoimagem dos afrodescendentes do município de Campos dos Goytacazes. Revista Perspectivas Online: Humanas & Sociais Aplicadas - Anais do IV Seminário P&D PROVIC/PIBIC, I Encontro de Iniciação Científica CNPq, V. 09, Nº 25, Suplemento, 2019. Disponível em: https://www.seer.perspectivasonline.com.br/index.php/ humanas_sociais_e_ aplicadas/article/view/1831/1530. Acesso em: 22 set. 2019.
  8. GOFFMAN, E. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Rio de Janeiro: LTC Editora, 1988.
  9. GRAY-LITTLE, B.; HAFDAHL A.R. Factors influencing racial comparisons of self-esteem: A quantitative review. Psychological Bulletin, v. 126, n. 1, p. 26-54, 2000.
  10. GUIMARÃES, A.S.A. Como trabalhar “raça” em sociologia. Educação e Pesquisa, v. 29, n. 1, p. 93-107, 2003.
  11. GUIMARÃES, S.F. A modificação da autoimagem: da pessoa-critério à psicoterapia. Porto: Psicologia.pt, 2010. Disponível em: http://www.psicologia.pt/artigos/ver_artigo_licenciatura. php?codigo=TL0297. Acesso em: 20 jul. 2019.
  12. MAHEIRIE, K. (1994). Agenor no mundo: um estudo psicossocial da identidade. Florianópolis: Letras Contemporâneas, 1994.
  13. MARTINS, E.; SANTOS, A.O.; COLOSSO, M. Relações étnico-raciais e psicologia: publicações em periódicos da SciELO e Lilacs. Psicologia: teoria e prática, v. 15, n. 3, p. 118-133, 2013.
  14. MOREIRA, Antônio Flávio (Org.); CANDAU, Maria (Org.). Multiculturalismo: Diferenças culturais e práticas pedagógicas. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.
  15. MULLER, R.F.; NICOLAU, A.C.A.S. O racismo cordial e autoimagem: um estudo sobre os efeitos na adolescência de jovens negras na Baixada Fluminense/RJ, 2015. Disponível em: https://apl.unisuam.edu.br/revistas/index.php/conexoespsi/article/download/585/546. Acesso em 20 jul. 2019.
  16. PINTO, M.C.C.; FERREIRA, R.F. Relações raciais no Brasil e a construção da identidade da pessoa negra. Pesquisas e Práticas Psicossociais, v. 9, n. 2, p. 257-266, 2014.
  17. SANTOS, B.S. Entrevista: Boaventura de Souza Santos. Revista: Mosaico - Estudos em Psicologia, v. 1, n. 1, p. 77-78, 2007.
  18. SCHUCMAN, L.V. Entre o “encardido”, o “branco” e o “branquíssimo”: raça, hierarquia e poder na construção da branquitude paulistana. Tese (Doutorado em Psicologia), Universidade de São Paulo, São paulo-SP, 2012. 122p.
  19. SILVA, S.P.S.; MEDEIROS, J.L.; DELFINO, J.; MATIAS, E.F.; RIBEIRO, R.M.B. A autoestima da criança negra e suas implicações no processo de aprendizagem. Campina Grande: Realize Editora, 2015.
  20. SILVA, A. Branqueamento e branquitude: conceitos básicos na formação para a alteridades. Salvador: EDUFBA, 2007. 310p.
  21. SILVA, D.A. Para gostar de ser: literatura negra, racismo e autoestima. 2000. Disponível em: http://online.unisc.br/seer/index.php/signo. Acesso em: 20 jul. 2019.
  22. SOUSA, P.M.S, ALBERTO, L.M.M.D.V., SANTOS, M.C.C., CONSTANTINO, P. Percepções Sobre o Acolhimento Institucional de Crianças e Adolescentes a Partir de Histórias de Vida. Perspectivas Online: Humanas & Sociais Aplicadas. v. 7, n. 20, p. 62-81, 2017. Disponível em: https://www.seer.perspectivasonline.com.br/index.php/humanas_ sociais_e_aplicadas/article/view/1195/989. Acesso em: 21 jul. 2019.
  23. SOUZA, M.A. O cuidar da autoimagem e autoestima em mulheres idosas, visando a promoção da qualidade de vida com enfoque cultural, 2002. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/83848/185016.pdf?sequence=1. Acesso em: 21 jul. 2019.
  24. STEINEM, G. A revolução interior: um livro de Autoestima. São Paulo: Objetiva, 2003.
  25. ZAMBON, M. Uma comparação racial da autoestima e do autoconceito de adolescentes negros e brancos. Monografia (Bacharel em Psicologia), Universidade Federal de São Carlos, São Carlos-SP, 2003. 33p.