Main Article Content

Resumo

A água é um recurso indispensável para a vida e necessária para o desenvolvimento humano e funcionamento de atividades econômicas. Em virtude da distância e não potabilidade das fontes, através de sistemas de abastecimento o recurso é captado, tratado e distribuído para consumo final nos municípios. Nesse processo, vazamentos nas infraestruturas resultam em perdas e desperdício de um recurso cada dia mais escasso, cuja demanda é naturalmente pressionada pela expansão demográfica. No Sistema Integrado de Abastecimento de Água de Feira de Santana, localizado no semiárido baiano, apesar da escassez hídrica estrutural da região, verificam-se perdas na distribuição de 49% do volume após tratamento, comprometendo o atendimento e elevando custos do serviço. Considerando a projeção populacional estimada pelos órgãos estaduais de estatística, o trabalho analisa a disponibilidade de água para atendimento aos municípios inseridos no Sistema simulando hipóteses relacionadas a redução de perdas na distribuição em cenários de manutenção e aumento da demanda. Os resultados evidenciam a já presente insuficiência para atendimento à população e a imperiosa necessidade de melhoria nos níveis de eficiência da prestadora responsável, a Embasa.

Palavras-chave

Demanda de água crescimento populacional perdas de água semiárido

Article Details

Biografia do Autor

Gleice Aguiar, Grupo de Estudos em Recursos Hídricos e Sustentabilidade - RHIOS

Bacharel em Ciências Econômicas pela Universidade Estadual de Feira de Santana. Pesquisadora do Grupo RHIOS (www.rhios.org)

Telma Teixeira, Universidade Estadual de Feira de Santana-UEFS

Graduação e Mestrado em Ciências Econômicas (UFBA). Doutorado em Engenharia Civil na Área de Gestão e Planejamento de Recursos Hídricos e Saneamento (COPPE/UFRJ). Douturado Sanduiche na École Nationale du Génie Rural, des Eaux et des Forêts (ENGREF) da AgroParisTech - França.

Professora Titular da Universidade Estadual de Feira de Santana - Bahia.

Frank Pavan de Souza, Institutos Superiores de Ensino do CENSA - ISE CENSA

Pós Doutor pelo Programa Interdisciplinar em Ciências Humanas (Meio Ambiente e Sociedade) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Dr Engenharia Civil - COPPE/UFRJ. Ms. Engenharia Ambiental - IFF/RJ. . Advogado, Engenheiro Ambiental e de Segurança do Trabalho.

Karine Veiga dos Santos, Grupo de Estudos em Recursos Hídricos e Sustentabilidade - RHIOS

Bacharel em Ciências Econômicas pela Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). Pesquisadora do RHIOS (www.rhios.org)

Como Citar
Aguiar, G., Teixeira, T., Souza, F. P. de, & Santos, K. V. dos. (2020). Expansão demográfica e abastecimento de água no sistema integrado de Feira de Santana/BA. Perspectivas Online: Humanas & Sociais Aplicadas, 10(29), 34-45. https://doi.org/10.25242/8876102920201956

Referências

  1. BAHIA (Estado). Decreto nº 6.548, de 18 de julho de 1997. Cria a Área de Proteção Ambiental - APA do Lago de Pedra do Cavalo, nos Municípios de Conceição de Feira, Cachoeira, Antônio Cardoso, Santo Estevão, Governador Mangabeira, Castro Alves, Cruz das Almas, Feira de Santana, Muritiba, São Félix e São Gonçalo dos Campos, e dá outras providências. Diário Oficial do Estado da Bahia. Salvador, BA, 20 jul. 1997.
  2. BARRAQUÉ, B. Les trois genies de l’eau urbaine. In: BARRAQUÉ, B.; ROCHE, P.-A. (org.). Peurs et plaisirs de l’eau. Paris: Hermann, 2010.
p. 326-349.
  3. BEZERRA, Saulo de Tarso Marques; PERTEL, Monica; MACEDO, José Eloim Silva de. Avaliação de desempenho dos sistemas de abastecimento de água do Agreste brasileiro. Ambiente Construído. Porto Alegre , v. 19, n. 3, p. 249-258, Set. 2019. https://doi.org/10.1590/s1678-86212019000300336.
  4. BRASIL, MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL; SECRETARIA NACIONAL DE SANEAMENTO (BRASIL/SNS). Sistema Nacional de Informações de Saneamento – 24o. Diagnóstico dos Serviços de Água e Esgoto 2018. Brasília: SNS/MDR, 2019, 180p.
  5. BRASIL. Lei nº 11.445, de 05 de janeiro de 2005. Estabelece diretrizes nacionais para o saneamento básico; altera as Leis nos 6.766, de 19 de dezembro de 1979, 8.036, de 11 de maio de 1990, 8.666, de 21 de junho de 1993, 8.987, de 13 de fevereiro de. Lei Saneamento. Brasília, Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-010/2007/lei/ l11445.htm. Acesso em: 08 maio 2016.
  6. FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE (FUNASA). Impactos na Saúde e no Sistema Único de Saúde Decorrentes de Agravos Relacionados a um Saneamento Ambiental Inadequado. Brasília: Assessoria de Comunicação e Educação em Saúde, 2010.
  7. LAMBERT, A.; HIRNER, W. Losses from Water Supply Systems: Standard Terminology and Recommended Performance Measures. International Water Association. The Blue Pages. London: IWA, 2000.
  8. MACHADO, A. M. O. B. S. M.; VALE, M. S. Desenvolvimento Sustentável: ponto e contraponto das economias ambiental neoclássica e ecológica nos processos de tomada de decisão. Humanas & Sociais Aplicadas, v. 5, n. 14, 15 dez. 2015. https://doi.org/10.25242/88765142015839.
  9. PAVAN DE SOUZA, F. ; PEREIRA SANTOS, A. S.; TEIXEIRA, T.; PERTEL, M.; V. ACSERALD, M.; MARCONDES, Q.; HILDEBRANDT, D. Aplicação do Método de Valoração Contingente para Mensurar a Percepção Sócio Ambiental dos Moradores que Vivem no Entorno da Lagoa do Vigário. Humanas & Sociais Aplicadas, v. 6, n. 15, 28 jun. 2016. https://doi.org/10.25242/88766152016971.
  10. SIQUEIRA, T. A.; ARAÚJO, R. DE S. Programas de Habitação Social no Brasil. Humanas & Sociais Aplicadas, v. 4, n. 10, 11 dez. 2014. https://doi.org/10.25242/88764102014540.
  11. SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÕES DE SANEAMENTO (SNIS). Água e Esgotos - Série Histórica. Base de Dados. 2019. Disponível em: . Acesso em 12dez19.
  12. SUPERINTENDÊNCIA DE ESTUDOS ECONÔMICOS E SOCIAIS DA BAHIA (SEI). Projeções Populacionais para Bahia 2010 - 2030. Salvador, 2013.
  13. TARDELLI FILHO, J. Controle e Redução de Perdas nos Sistemas Públicos de Abastecimento de Água. Posicionamentos e contribuições técnicas da ABES. Rio de Janeiro, 2015. Internet. Disponível em: http://abes-dn.org.br/pdf/28Cbesa/Perdas_Abes.pdf.
  14. TARDELLI FILHO, J. Aspectos relevantes do controle de perdas em sistemas públicos de abastecimento de água. Revista DAE. São Paulo: SABESP, jan-abr 2016.
  15. WHITTINGTON, D.; HANEMANN, W. M. The economic costs and benefits of investments in municipal water and sanitation infrastructure: a global perspective. Workingpaper n° 1027. University of California at Berkeley, Department of Agricultural and Resource Economics and Policy, 2006.
  16. WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). Right to Water. Health and human rights publication séries, no. 3. WHO: Genebra (Suiça), 2003.