Main Article Content

Resumo

A interligação entre gênero e Literatura são recorrentes ao longo da história e colocam no centro da discussão as sutilezas, os explícitos e os implícitos na linguagem dos discursos construídos. Neste contexto, o presente artigo tem como objetivo central desenhar uma breve análise discursiva do dizer literário e sua interface com a construção do conceito de gênero e suas implicações sociais.   Assim, objetivamos investigar o capítulo “A triste história de Eredegalda”, extraído da obra literária infantojuvenil “Enquanto o sono não vem”, de José Mauro Brant. Por meio das concepções da Análise do Discurso, buscaremos nuances e evidências verbais que relevam um possível sinal de abuso e violência em relação à infância feminina. Por fim, analisaremos os marcadores discursivos que subjazem ao nosso recorte, tomando como referência os aspectos ideológicos do ato comunicativo e a proposta de respeito à diversidade de gênero. Nossa hipótese é a de que a literatura é um dos vetores de polarização do conceito de gênero no construto social.


 


 

Palavras-chave

Literatura Construção Social Violência Feminina

Article Details

Como Citar
Diniz, A. R. de S. P. (2020). A Questão do Gênero na linguagem do Discurso Literário. Humanas & Sociais Aplicadas, 10(28), 39-49. https://doi.org/10.25242/8876102820201977

Referências

  1. ANDRADE, T. de. Para entender relações públicas. São Paulo: Rua Miler, 734-738, 1965.
  2. BETTELHEIM, B. A psicanálise dos contos de fadas. 22. ed. Paz e terra, 2007.
  3. BRANT, J. M. Enquanto o sono não vem. Rio de Janeiro: JPA, 2013.
  4. BRASIL. LEI MARIA DA PENHA. Lei Nº 11.340, de 7 de agosto de 2006.
  5. CARVALHO, M. E. P. de; RABAY, G. Usos e Incompreensões do conceito de gênero no Brasil. Revista Estudos Feministas, Florianólis, v. 23, n. 01, p. 119-136, mar. 2015. ISSN 1806-9584
  6. CITELLI, A. Linguagem e persuasão. São Paulo: Ática, 2002.
  7. COELHO, N. N. Literatura infantil: teoria, análise, didática. São Paulo :Moderna, 2000.
  8. COELHO, N. N. Panorama histórico da Literatura Infantil/Juvenil: das origens indo-europeias ao Brasil contemporâneo. 4 ed. Ática, 1991.
  9. DINIZ, A. R. S. P; SARDINHA, S. G. O livro impresso e a tela: a formação do leitor, linguagens e tecnologias. Perspectivas Online: Humanas & Sociais Aplicadas, v.6, n.17, 2016.
  10. FOUCAULT, M.. História da sexualidade. 9. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2000.
  11. HERNÁNDEZ SAMPIERI, R.; COLLADO, C. F.; LUCIO, M. P. B. Metodologia de pesquisa. Tradução por Daisy Vaz de Moraes. 5. ed. Porto Alegre: Penso, 2013.
  12. MORELLATO, J. L. H.; SILVA, M. P. A. C.; CUNHA, T. C. O.; PUGLIA, V. M. S. A atuação do pedagogo nos espaços não escolares no município de Campos dos Goytacazes, RJ. Perspectivas Online: Humanas & Sociais Aplicadas, v.10, n.27, p.63 - 83 2020.
  13. ORLANDI, E. Análise do discurso: princípios e procedimentos. Campinas, São Paulo: Pontes, 2005.
  14. PEDRO, J. M. Traduzindo debate: o uso da categoria gênero nos debates feministas. História, v. 24, n.1, França, 2005, p.77- 98.
  15. PERROT, M. As mulheres, o poder, a história. In: Os excluídos da história: operários, mulheres e prisioneiros. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.
  16. ZILBERMAN, R. A literatura infantil na escola. 11. ed. revista, atualizada ampliada. São Paulo: Global, 2003.