Main Article Content

Resumo

Este artigo é parte de uma pesquisa de mestrado em andamento que busca desenvolver um estudo sobre a abordagem tecnológica no ensino de Arquitetura e Urbanismo na cidade de Campos dos Goytacazes/RJ. Sob a hipótese de uma tendência de formação plástica-formal dos arquitetos e urbanistas, apresenta-se uma análise das disciplinas tecnológicas no ensino de Arquitetura e Urbanismo e o reflexo dessa abordagem no mercado de trabalho na ótica de profissionais formados em uma instituição na referida cidade. Como instrumento metodológico foi utilizado questionário aplicado a uma amostra de 20 alunos de uma disciplina de um curso de pós-graduação lato sensu da área. O questionário foi dividido em duas seções: a primeira visando à obtenção da percepção dos respondentes quanto às disciplinas ou temas do eixo tecnológico e, a segunda, quanto à integração entre essas disciplinas e as de projetos arquitetônicos e urbanísticos. Como conclusão, nota-se como essa interlocução é deficitária e ratifica-se o quanto as disciplinas do eixo tecnológico influenciam a prática profissional do arquiteto e urbanista.


 

Palavras-chave

Academia Mercado profissional Técnicas construtivas

Article Details

Como Citar
Vieira, N. S., & Oliveira, S. R. C. de. (2020). Abordagem Tecnológica no Ensino de Arquitetura e Urbanismo: perspectiva de recém-formados em instituição de Campos dos Goytacazes/RJ. Humanas & Sociais Aplicadas, 10(28), 1-24. https://doi.org/10.25242/8876102820201992

Referências

  1. ABEA – Associação Brasileira de Ensino de Arquitetura e Urbanismo. Estatuto da ABEA. VIII Congresso Nacional da ABEA, Florianópolis, 1994.
  2. ALMEIDA, Jaime Gonçalves de. Significado das práticas construtivas na aprendizagem universitária da Arquitetura. Revista brasileira de estudos pedagógicos, Brasília, v.85, n.209/210/211, 2004, p. 85-100.
  3. ARTIGAS, João Batista Vilanova. Caminhos da arquitetura. São Paulo: Cosac Naify, 2004.
  4. BARBOSA, Norando Perazzo. Considerações sobre materiais de construção industrializados e não convencionais. 2005. 21 p. Monografia (Pós-graduação) - Programa em Engenharia Urbana, ABMTENC. Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, Paraíba, 2005.
  5. BARCELLOS, Amanda.; FIGUEIREDO, Gabriel; VIZELLA, Júlia; QUADROS, Matheus; NETO, Alber. Repensando a sala de aula do século XXI: Competências criativas e requisitos para um makerspace. Perspectivas Online: Humanas & Sociais Aplicadas – Anais do IV Seminário P&D, v.9, n.25, 2019, p. 23.
  6. BENÉVOLO, Leonardo. História da arquitetura moderna. Trad. Ana M. Goldberger. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 1989.
  7. BRASIL. Resolução nº 2 de 17 de junho de 2010. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura e Urbanismo, alterando dispositivos da Resolução CNE/CES nº 6/2006. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Ministério da Educação. Brasília, 2010a.
  8. BRASIL. Lei Federal n° 12.378, de 31 de dezembro de 2010. Regulamenta o exercício da Arquitetura e Urbanismo; cria o Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil - CAU/BR e os Conselhos de Arquitetura e Urbanismo dos Estados e do Distrito Federal - CAUs; e dá outras providências. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Ministério da Educação. Brasília, 2010b.
  9. CARVALHO, Luzia Alves de; SANTOS, Shayane Ferreira dos; OLIVEIRA, Layla Fernanda Pereira; GALDINO, Maria Eduarda Ribeiro. Tecnologias digitais de informação e comunicação (TDIC’s) e a sala de aula. Perspectivas Online: Humanas & Sociais Aplicadas, v.9, n.26, 2019, p. 32-51.
  10. COMAS, Carlos Eduardo (Org.). Projeto Arquitetônico. Disciplina em Crise, Disciplina em Renovação. São Paulo: Projeto CNPq, 1985.
  11. CZAJKOWSKI, Jorge. Arquitetura brasileira: produção e crítica. In: COMAS, Carlos Eduardo (Org.). Projeto arquitetônico. disciplina em crise, disciplina em renovação. São Paulo: Projeto CNPq, 1985.
  12. ENGEL, Heino. Sistema de estructura, Madrid: Blume, 1970.
  13. FENEA. Federação Nacional de Estudantes de Arquitetura e Urbanismo do Brasil. Campanha de estágios: panorama dos estágios em Arquitetura e Urbanismo, 2014. Disponível em: http://www.fenea.org/estagios. Acesso em: 29 de maio de 2020.
  14. FRAGELLI, Marcelo Aciolly. Metodologias e conhecimento tecnológico: instrumentos de trabalho. II Inquérito. Projeto, n.42, jul./agos., 1982, p. 59-60.
  15. GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2017.
  16. GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2019.
  17. GRAEFF, Edgar Albuquerque. Arte e técnica na formação do arquiteto. São Paulo: Studio Nobel, 1995.
  18. HOUAISS, Antônio. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro, Ed. Objetiva, 2001.
  19. IFFLUMINENSE, 2020. Disponível em: http://portal1.iff.edu.br/nossos-campi/camposcentro/cursos/bacharelado/arquitetura-e-urbanismo-1. Acesso em 28 de maio de 2020.
  20. ISECENSA, 2020. Disponível em: http://www.isecensa.edu.br/graduacoes/arquitetura-e-urbanismo/o-curso. Acesso em 28 de maio de 2020.
  21. LAWSON, Bryan. Como arquitetos e designers pensam. São Paulo: Oficina de talentos, 2011.
  22. LEITE, Maria Amélia Devitte Ferreira D’Azevedo. A aprendizagem tecnológica do arquiteto. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo). Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo – FAU-USP, São Paulo, 2005.
  23. LIMA, Hélio Costa. Tectônica é uma disciplina, uma área ou uma abordagem da arquitetura? In: ENANPARQ, II, 2012. Natal: PPGAU, UFRN, 2012.
  24. LOPES, João Marcos de Almeida. Quando menos não é mais: Tectônica e o Ensino tecnológico da Arquitetura e do Urbanismo. III ENANPARQ: Arquitetura, cidade e projeto: uma construção coletiva. São Paulo, 2014. Disponível em: https://www.anparq.org.br/dvd-enanparq-3/htm/Artigos/ST/ST-NPNT-005-5-LOPES.pdf. Acesso em 02 nov. 2019.
  25. LOPES, João Marcos, BOGÉA, Marta; REBELLO, Yopanan. Arquiteturas da engenharia: engenharias da arquitetura. São Paulo: Mandarim, 2006.
  26. LUKIANTCHUKI Marieli Azoia; CARAM, Rosana Maria; LABAKI, Lucila Chebel. A arquitetura bioclimática e a obra de João Filgueiras Lima (Lelé). In: KOWALTOWSKI, Doris C. C. K; MOREIRA, Daniel de Carvalho; PETRECHE, João R. D.; FABRÍCIO, Márcio M. O processo de projeto em arquitetura: da teoria à tecnologia. São Paulo: Oficina de Textos, 2011, p. 323-348.
  27. MOREIRA, Daniel de Carvalho; KOWALTOWSKI, Doris C. C. K. O programa arquitetônico. In: KOWALTOWSKI, Doris C. C. K; MOREIRA, Daniel de Carvalho; PETRECHE, João R. D.; FABRÍCIO, Márcio M. O processo de projeto em arquitetura: da teoria à tecnologia. São Paulo: Oficina de Textos, 2011, p. 101-108.
  28. NIEMEYER, Oscar. A forma na arquitetura. In: XAVIER, Alberto (org.) Depoimento de uma geração: arquitetura moderna brasileira. São Paulo: Cosac & Naify, Edição revisada e ampliada, 2003.
  29. NAKANISHI, Tatiana Midori. Arquitetura e domínio técnico: a prática de Marcos Acayaba. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo). Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo, 2007.
  30. NETO, João de Paula Lima, O ensino de arquitetura como agente transformador da prática profissional. 2007. 193p. Dissertação (Mestrado)–Escola de Arquitetura, Universidade Federal Minhas Gerais, Belo Horizonte, Minas Gerais, 2007.
  31. PEZZUTO, Claudia Cotrim; LABAKI, Lucila Chebel. Implantação de edifícios urbanos com ênfase no conforto térmico através do geoprocessamento. In: KOWALTOWSKI, Doris C. C. K; MOREIRA, Daniel de Carvalho; PETRECHE, João R. D.; FABRÍCIO, Márcio M. O processo de projeto em arquitetura: da teoria à tecnologia. São Paulo: Oficina de Textos, 2011, p. 349-364.
  32. PIÑÓN, Hélio. Teoria do Projeto. Porto Alegre: Livraria do Arquiteto, 2006.
  33. PISANI, Maria Augusta Justi; CORRÊA, Paulo, CALDANA, Valter, VILLA, Joan; AMODEO, Wagner. Elementos de Constituição do Grupo de Pesquisa – estudo de caso: GP “Arquitetura e Construção” In: Anais do I Fórum de Pesquisa FAU Mackenzie, São Paulo: Mackenzie, 2005, p. 2.
  34. PISANI, Maria Augusta Justi; GIL, Erica Lemos. Arquitetura é construção. Anais eletrônicos USJT, São Paulo, 2012. Disponível em: https://www.usjt.br/arq.urb/numero_07/04_maia_augusta_justi.pdf. Acesso em 02 nov. 2019.
  35. PIRONDI, Ciro. Nas trilhas do pensamento crítico. José Wolf e Éride Moura (coord.). AU, ago./set., 1993, p. 77-81.
  36. PORTO, Severiano Mario. Obra pioneira. Entrevistador: Vania Silva. AU, n.119, 2004.
  37. REBELLO, Yopanan Conrado Pereira; LEITE, Maria Amélia Devitte Ferreira D’Azevedo. Considerações sobre o ensino e aprendizagem de estrutura nas escolas de Arquitetura. Sistemas estruturais em Arquitetura, v.1, n.15, 2015, p. 1-14.
  38. SENNETT, Richard. The Craftsman. New Haven: Yale University Press, 2009.
  39. SILVA, Marize Santos Teixeira Carvalho. Planejamento e controle de obras. 2011. 98p. Monografia (Trabalho de Conclusão do Curso de Engenharia Civil) - Escola Politécnica, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2011.
  40. TEIXEIRA, Kátia. Ensino de projeto: integração de conteúdo. 237f. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo). Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.
  41. TRUJILLO, Jorge Hernán Salazar. Os dois lados da moeda. Trad. Fábio Lopes de Souza Santos. Revista Risco, n.4, fev. 2006.
  42. UNIFLU, 2020. Disponível em: http://www.uniflu.edu.br/arquitetura.php. Acesso em 28 de maio de 2020.
  43. WEAVER, Nicholas. The atelier principle in teaching. In: Symposium on new directions of architectural education. Delhi, India: Greha, 3, April, 1999.