Main Article Content

Resumo

O artigo tem como proposta apresentar o discurso dos psicólogos e dos conselheiros tutelares sobre o papel e a importância dos psicólogos dentro do Conselho Tutelar. Foram utilizados a pesquisa bibliográfica  e entrevistas semiestruturadas direcionada aos profissionais da psicologia e aos conselheiros tutelares atuantes nos Conselhos Tutelares de Campos dos Goytacazes/RJ. Apesar da atuação do psicólogo ser recente e não obrigatória no Conselho Tutelar, foi possível afirmar a grande importância do profissional da psicologia no atendimento de crianças e adolescentes vítimas de violência e suas respectivas famílias. O psicólogo por ser um agente de transformação, deve direcionar o seu trabalho em prol dos direitos humanos, contribuindo para que os conselheiros tutelares em sua atuação, desjudicialize as práticas de garantia de direitos. É necessário enfatizar que as atribuições do psicólogo no Conselho Tutelar estão em construção, logo, não podendo definir a atuação deste profissional tão somente ao atendimento humanizado do público alvo e a devida orientação aos conselheiros, devendo estar atento a inovadoras atividades que podem ser significativas a saúde do colegiado.

Palavras-chave

Conselheiro tutelar psicológo atribuições

Article Details

Biografia do Autor

Yohanna Peixoto Rangel, Institutos Superiores de Ensino do Cemsa

Graduada em Psicologia

Patricia Constantino, Escola Nacional de Saúde Pública/ENSP/FIOCRUZ

Pesquisadora em Saúde Pública da Escola Nacional de Saúde Pública/ENSP/FIOCRUZ atuando no Centro Latino Americano de Estudos de Violência e Saúde - CLAVES/FIOCRUZ. Possui graduação em Psicologia e Licenciatura em Psicologia pela Universidade Estácio de Sá (1995), Especialização em Psicologia Jurídica pela UERJ, mestrado em Saúde Pública pela Escola Nacional de Saúde Pública (2002) , Doutorado em Saúde Pública pela Escola Nacional de Saúde Pública (2006). Pós doutorado em Saúde Pública ENSP/FAPERJ. Tem experiência na área de Saúde Coletiva, com ênfase em Saúde Pública, atuando principalmente nos seguintes temas: avaliação de programas, violência e saúde , segurança pública, sistema Prisional, jovens em conflito com a lei. Membro da Rede Interinstitucional de Grupos de Pesquisa sobre Políticas de Restrição e Privação de Liberdade.

Como Citar
Rangel, Y. P., & Constantino, P. (2020). A atuação do psicólogo nos conselhos tutelares de Campos dos Goytacazes / RJ. Perspectivas Online: Humanas & Sociais Aplicadas, 10(29), 1-19. https://doi.org/10.25242/8876102920201995

Referências

  1. ALBERTO, Maria de Fátima Pereira et al. O papel do psicólogo e das entidades junto a crianças e adolescentes em situação de risco. Psicol. cienc. prof., Brasília, v. 28, n. 3, p. 558-573, set. 2008.
  2. Disponível em: . acessos em 02 nov. 2018.
  3. ARANTES, Esther Maria de Magalhães. Pensando a psicologia aplicada à justiça. In: GONÇALVES, Hebe Signorini & BRANDÃO, Eduardo Ponte. Psicologia Jurídica no Brasil. 3ª ed. Rio de Janeiro: Nau. 2011, p. 17.
  4. CASTRO, Norida Teotônio de; TOLEDO, Ana Helena Fernandes; ANDERY, Ana Maria Nunes. Tramas do cotidiano: a psicodinâmica do trabalho em um Conselho Tutelar. Psicol. cienc. prof., Brasília, v. 30, n. 3, p. 662-675, set. 2010. Disponível em . acessos em 01 set. 2018.
  5. CEDECA. ECA: Estatuto da Criança e do Adolescente. Rio de Janeiro, p.1-258, 2017.
  6. CESCA, Taís Burin. O papel do psicólogo jurídico na violência intrafamiliar: possíveis articulações.Psicol. Soc., Porto Alegre, v. 16, n. 3, p. 41-46, Dec. 2004. Available from . access on 02 Nov. 2018. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-71822004000300006.
  7. COSTA, Liana Fortunato et al. As competências da psicologia jurídica na avaliação psicossocial de famílias em conflito.Psicol. Soc., Florianópolis, v. 21, n. 2, p. 233-241, Aug. 2009. Available from . access on 02 Nov. 2018. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-71822009000200010.
  8. Conselho Federal de Psicologia (2005-2006). Código de Ética Profissional do Psicólogo. Brasília: CFP.
  9. FRANZES, Thaís; MANHÃES, Rhayany Cristiny Pinto. Atuação do psicólogo no Ministério Público: a psicologia em interface com o direito. Campos dos Goytacazes, 2014.
  10. GUERRA, Elaine. Manual de pesquisa qualitativa. Belo Horizonte, p.1-52, 2014.
  11. GOMES, J. B.; RIBEIRO, M. Atendimento psicológico: Um relato de acolhimento e aconselhamento de crianças e adolescentes em um Conselho Tutelar no interior da Bahia. Anais do III Encontro de Violência intrafamiliar: uma violação dos direitos humanos. v. 2, p.105-107, 2012.
  12. LESSA, C. B.; MAYOR, A. S. A dificuldade na promoção de medidas preventivas contra o abuso sexual infantil nas escolas. Humanas & Sociais Aplicadas, v. 9, n. 25, p. 64, 2019.
  13. LOPES. J. P.; FERREIRA, L. M. Breve histórico dos direitos das crianças e dos adolescentes e as inovações do Estatuto da Criança e do Adolescente – Lei 12.010/09. Revista do Curso de Direito da Faculdade de Humanidades e Direito, v. 7, n. 7, p. 70-86, 2010.
  14. LORENZI, Gisella. Uma breve história dos direitos da criança e do adolescente no Brasil. p. 1-4, dez. 2007.
  15. M. BALTAZAR, R.; RIBEIRO-ANDRADE, Érica; R. CARVALHO, G.; B. XAVIER, O.; P. RANGEL, Y. A Ética da psicologia e a realidade de pacientes com ideação suicida. Humanas & Sociais Aplicadas, v. 8, n. 22, 26 nov. 2018.
  16. MILANI, Rute Grossi; LOUREIRO, Sonia Regina. Famílias e violência doméstica: condições psicossociais pós ações do Conselho Tutelar. Psicol. cienc. prof., Brasília, v. 28, n. 1, p. 50-67, 2008. Available from . Access on 01 Sept. 2018. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932008000100005.
  17. PELISOLI, Cátula; DELL'AGLIO, Débora Dalbosco. As contribuições da psicologia para o sistema de justiça em situações de abuso sexual. Psicol. cienc. prof., Brasília, v. 34, n. 4, p. 916-930, Dec. 2014. Available from . Access on 01 Sept. 2018. http://dx.doi.org/10.1590/1982-370001032013.
  18. PIRES, A. L. D.; MIYAZAKI, M. C. O. S. Maus-tratos contra crianças e adolescentes: revisão da literatura para profissionais da saúde. Arq. Ciênc. Saúde, Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto (FAMERP), São José do Rio Preto, SP. p.42-49, jan./mar. 2005.
  19. SANTOS, Jeane Patrícia dos. Percepções e expectativas de profissionais do campo jurídico sobre a atuação do psicólogo nesse campo de trabalho. 2005.178p. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-graduação em Psicologia da Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2005.
  20. SANTOS; Saulo Oliveira dos. Plano de trabalho do setor de psicologia do 4° Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça da Infância e da Juventude, 8ª e 9ª Promotorias de Justiça da Infância e Juventude da Capital para o Biênio 2011/2012. Rio de Janeiro, dezembro de 2010.
  21. SCHEINVAR, Estela. Conselho tutelar e escola: a potência da lógica penal no fazer cotidiano. Psicologia & Sociedade, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, p. 45-51, 2012.
  22. SEQUEIRA, Vânia Conselheiro; MONTI, Manuela; BRACONNOT, Fernando Marques Oliveira. Conselhos tutelares e psicologia: políticas públicas e promoção de saúde. Psicol. estud., Maringá, v. 15, n. 4, p. 861-866, Dec. 2010. Available from . access on 02 Nov. 2018. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-73722010000400022.
  23. SILVA, F.; MATSUSHITA, P.; SANTOS, C. Conselho tutelar e psicologia: Reflexões sobre uma experiência de estágio profissional. IV Fórum de Práticas de Psicologia, VIII Semana de Psicologia da FAP, p. 1-3, out./nov. 2012.
  24. VILARINHO, Marivalda. O que é psicologia jurídica? Revista Linhas Jurídicas (UNIFEV). v. 2, n. 2, p.209-215, nov. 2010.