Main Article Content

Resumo

Foram abordados neste referencial teórico assuntos referentes à psicodinâmica do trabalho e ao ECA, sobre as atribuições dos conselheiros tutelares. Os objetivos específicos deste estudo giraram em torno de identificar possíveis causas do sofrimento psicológico dos conselheiros tutelares, gerados pelo trabalho, da cidade de Campos dos Goytacazes/RJ. Este trabalho foi elaborado para melhorar a compreensão da sociedade civil acerca da atuação do conselheiro tutelar e do sofrimento psicológico que o mesmo pode vir a adquirir em decorrência de sua atuação, através da perspectiva da psicodinâmica do trabalho. Bem como oferecer a oportunidade de expressar-se para uma parcela de profissionais pouco valorizados e com pouco material acadêmico acerca do sofrimento psicológico dos mesmos. Trata-se de uma pesquisa qualitativa com os conselheiros tutelares. Pode-se perceber que os participantes da pesquisa definiram seu cargo de forma ampla, dando mais enfoque ao aspecto psicoemocional que ao aspecto prático-teórico. Nota-se também disparidades nas respostas referentes à atuação do conselheiro tutelar, oscilando entre uma atuação estruturada com dificuldades relativas a gestões públicas de má qualidade e, uma atuação ainda sendo estruturada, uma vez que as atribuições previstas no ECA não são postas em prática. É possível considerar que os objetivos desta pesquisa foram alcançados, uma vez que a entrevista foi respondida de forma satisfatória. Porém, é necessário ressaltar que, devido a diversos fatores, entre eles, a escolaridade dos entrevistados e o grau de comprometimento psicoemocional, alguns itens do questionário apresentaram respostas diferentes das esperadas.

Palavras-chave

Conselheiro tutelar; Sofrimento psicológico; Psicodinâmica do trabalho.

Article Details

Biografia do Autor

Patrícia Constantino, FIOCRUZ

Pesquisadora em Saúde Pública da Escola Nacional de Saúde Pública/ENSP/FIOCRUZ atuando no Centro Latino Americano de Estudos de Violência e Saúde - CLAVES/FIOCRUZ. Possui graduação em Psicologia e Licenciatura em Psicologia pela Universidade Estácio de Sá (1995), Especialização em Psicologia Jurídica pela UERJ, mestrado em Saúde Pública pela Escola Nacional de Saúde Pública (2002) , Doutorado em Saúde Pública pela Escola Nacional de Saúde Pública (2006). Pós doutorado em Saúde Pública ENSP/FAPERJ. Tem experiência na área de Saúde Coletiva, com ênfase em Saúde Pública, atuando principalmente nos seguintes temas: avaliação de programas, violência e saúde , segurança pública, sistema Prisional, jovens em conflito com a lei. Membro da Rede Interinstitucional de Grupos de Pesquisa sobre Políticas de Restrição e Privação de Liberdade.

Como Citar
Cabral, J. A. B., & Constantino, P. (2021). O Sofrimento Psicológico dos Conselheiros Tutelares de Campos dos Goytacazes/RJ. Perspectivas Online: Humanas & Sociais Aplicadas, 11(33), 18-30. https://doi.org/10.25242/8876113320211998

Referências

  1. BRANT, L.C., & MINAYO-GOMES, C. (2004) A transformação do sofrimento em adoecimento: do nascimento da clínica à psicodinâmica do trabalho. Ciência & Saúde Coletiva, 9 (1), 213-223
  2. Brasil. Estatuto da Criança e do Adolescente. Câmara dos Deputados. Lei n º 8.069, de 13 de julho de 1990. DOU de 16/071990 – ECA. Brasília, DF.
  3. CODO, W. Um diagnóstico do trabalho com ênfase em saúde mental. In JACQUES, M. G.; CODO, W. Saúde mental & trabalho: leituras. Petrópolis: Vozes, 2002.
  4. CODO, W; SORATTO, L. & VASQUES-MENEZES (2004). Saúde mental e trabalho In: J. C. Zanelli, J. E. Borges-Andrade & A. V. B. Bastos, (Org.), Psicologia, organizações e trabalho no Brasil. (pp 276-299). Porto Alegre: Artmed.
  5. COSTA, W. R. da, BELO, R. P., SALES, M. dos S., SALES, I. de C., & RODRIGUES, P. N. de V. (2018). TRABALHO NOTURNO: SEUS EFEITOS NA SAÚDE DOS TRABALHADORES DA ÁREA DE SAÚDE NA CIDADE DE PARNAÍBA-PI. Humanas & Sociais Aplicadas, 8(21). https://doi.org/10.25242/887682120181288
  6. DEJOURS, C. (2007). A banalização da injustiça social. Rio de Janeiro: Editora FGV.
  7. DEJOURS, C. (2004b). A metodologia em psicopatologia do trabalho, Em: LANCMAN, S.; SZNELWAR, L.I. (Orgs.). Christophe Dejours: da psicopatologia à psicodinâmica do trabalho (pp. 105-126) Rio de Janeiro/RJ: FIOCRUZ, Brasília, Paralelo 15.
  8. HELOANI, R., & LANCMAN, S. (2004). Psicodinâmica do trabalho: O método clínico de intervenção e investigação. Produção, 14 (3).
  9. FONSECA, J.J.S. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC, 2002. Apostila
  10. LESSA, C. B., & MAYOR, A. S. (2019). A DIFICULDADE NA PROMOÇÃO DE MEDIDAS PREVENTIVAS CONTRA O ABUSO SEXUAL INFANTIL NAS ESCOLAS. Humanas & Sociais Aplicadas, 9(25). https://doi.org/10.25242/887692520191745
  11. LIBERATI, W.D. & CYRINO P.C.B. (2003) Conselho e fundos no Estatuto da Criança e do Adolescente. São Paulo-SP: Malheiros.
  12. MENDONÇA, J.R.M. (2013). A dinâmica prazer-sofrimento no trabalho dos conselheiros tutelares no interior da Paraíba. (Monografia, Universidade Estadual da Paraíba, Campina Grande).
  13. NASCIMENTO, A.F., GARAVELO, M.I., KOHLS, M.E.C., CAVALCANTE, F.G., SILVA, H.O., GUIMARÃES, C. de F., PEREIRA, L.M. (2009). Conselhos Tutelares. Em S.G. Assis (Org.). Teoria e prática dos conselhos tutelares e conselhos dos direitos da criança e do adolescente (pp.139-224). Rio de Janeiro-RJ: FIOCRUZ.
  14. OMS. Constituição da organização Mundial da Saúde de 1948. São Paulo: Biblioteca virtual de Direitos Humanos, 2017.
  15. PAULO, M.R; AMARAL, C.L.C; SANTIAGO, A.R. A pesquisa na perspectiva fenomenológica: explicitando uma possibilidade de compreensão do ser-professor de matemática. 2010.
  16. SÊDA, E. (1999). A a Z do Conselho Tutelar. Rio de Janeiro-RJ: Adês.