Main Article Content

Resumo

Partindo-se da imagem como sistema de representação constituída no processo identitário social, pretendeu-se detectar dinâmicas interacionais e referenciais a partir do nome Padre Eustáquio, como elemento construtor de memória coletiva e histórica. Analisou-se a aparição desse nome em três bairros da cidade de Belo Horizonte (MG), sendo os bairros Padre Eustáquio e Carlos Prates, espaços diretamente envolvidos com o nome, e o bairro Boa Vista como controle da análise, devido ao grande volume de memórias transeuntes em um espaço exíguo. O artigo dialoga com proposições da psicologia social com a arte contemporânea para compreender os efeitos desse processo representacional. O trabalho transita sobre o sistema de imagens, o histórico de reprodução e a construção da memória sobre o nome Padre Eustáquio, em espaços de legitimação dedicados a essa palavra desde sua constituição. Evidenciando diferentes meios de coleta, as imagens foram incorporadas em fragmentos de linguagem de marcação, descrevendo recortes, tipos de impressão e suporte apropriado. Nas entrevistas, utilizou-se o método de evocação, obtendo correlações e frequências do uso do nome em lugares de movimentação sob uma memória personalizada, modificada e/ou construída. Trata-se de uma reflexão oriunda de uma análise piloto, portanto, não há a pretensão de respostas conclusivas.




Palavras-chave

Arte Contemporânea; Memória; Identidade; Imagem.

Article Details

Como Citar
Medeiros, S. A. (2022). Inspeção: a memória do nome como sistema de imagens e de representação identitária/social. Humanas Sociais & Aplicadas, 12(35), 55-64. https://doi.org/10.25242/8876123520222007

Referências

  1. ABRIC, J.C. Pratiques sociales et représentations. Paris (FR): Presses Universitaires de France, 1994.
  2. BRUNER, J. A cultura da Educação. Interpretação Narrativa da Realidade. Editora: Artmed. Porto Alegre, 2001.
  3. CONNERTON, P. Como as sociedades recordam. Trad: ROCHA, M.M. Oeiras: Cental. 2ªed.,1999.
  4. DESCHAMPS, J.C. A identidade em psicologia social: dos processos identitários às representações sociais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.
  5. FERREIRA, J. P. Armadilhas da memória e outros ensaios. Cotia-SP: Ateliê Editorial, 2003.
  6. GEERTZ, C. O Saber Local. Petrópolis: Vozes, 1998.
  7. HABERMAS, J. Pensamento Pós-Metafisico. Editora: Tempo Brasiliense, 1990.
  8. JEDLOWSKI, P. Memory and sociology: Themes and issues. Time & Society, 2001. 10(1), 29-44.
  9. JODELET, D. A alteridade como produto e processo psicossocial. In: ARRUDA, A. (org). Representando a alteridade. Petrópolis: Vozes, 1998.
  10. MELEANDRO, P.R.M e NAIFF, L.A.(orgs.). Psicologia social e o estudo da Memória Histórica. Curitiba: Editora Appris, 2013.
  11. MOSCOVICI, S. Representações sociais: investigações em psicologia social. Rio de Janeiro, Vozes, 2003.
  12. NASCIMENTO, A.R.A et al. As Memórias e Representações "Douradas" de Juscelino Kubitschek. In: SÁ, C.P, MENANDRO, P.R.M e NAIFF, L.A. (orgs.). Psicologia Social e o estudo da Memória Histórica. Curitiba: Editora Aprris, 2013, p. 129-150. OLIVEIRA, M. O conceito de representações coletivas: uma trajetória da divisão do trabalho às formas elementares. Debates do NER, Porto Alegre, ano 13, n. 22, 2012, p. 67-94. Disponível em: . Acesso em 25/09/2019.
  13. POLLAK, M. Memória e identidade social. In: Estudos Históricos. Rio de Janeiro, vol. 5, n. 10, 1992.
  14. SÁ, C.P. A memória histórica numa perspectiva psicossocial. Morpheus - Revista Eletrônica em Ciências Humanas - Ano 09, n. 14, 2012.
  15. SÁ, C.P. As memórias da memória social. In: Sá, C.P. (org). Memória, imaginário e representações sociais. Rio de Janeiro: Museu da República, 2005.
  16. WACHELK, R.F. e CAMARGO, B.V. Representações sociais, representações individuais e comportamento. Interam. j. psychol., vol.41, n.3, 2007 pp. 379-390. Disponível em: . Acesso em 20/11/2019. WAGNER, W. Sócio-gênese e características das representações sociais. In: MOREIRA, A. S. P. e OLIVEIRA, D. C. (Orgs.). Estudos interdisciplinares de representação social. Goiânia: AB, 1998. p.3-25.