Main Article Content

Resumo

A Comunicação e as diferentes manifestações da linguagem estão na ordem do dia, constituem nosso cotidiano. Na área educacional, é crescente o número de estudos e de vivências pedagógicas envolvendo o ato de comunicar e seus diferentes formatos na Era das Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação (TDIC’s). Neste contexto, apresenta-se no presente artigo uma pesquisa de natureza qualitativa, sob a forma de amostragem, de um projeto integrador, realizado em um curso de Pedagogia, no semestre 2019.2. Como metodologia de trabalho, utilizou- se a coleta de dados a partir das experiências de sala de aula, em diferentes disciplinas que compõem a matriz curricular do curso. Nossa hipótese é a de que comunicar, usando diferentes linguagens é parte da arquitetura da Educação ao longo da história sendo que, cada tempo sugere um novo estilo de expressão. Objetivou-se socializar práticas e estratégias pedagógicas trabalhadas de forma interdisciplinar, com metodologias ativas, a partir de movimentos comunicativos, capazes de tornar mais dinâmico e significativo o processo de ensino-aprendizagem.

Palavras-chave

Metodologias de Ensino Interdisciplinaridade Educomunicação

Article Details

Como Citar
Cabral, C. P., Viana, K. O. F. L., Rabelo, P. S. T., Nascimento, P. P. C. do, Diniz, A. R. de S. P., & Cunha , T. C. de O. (2020). Comunicação e Múltiplas Linguagens: vivências pedagógicas em projeto integrador. Humanas & Sociais Aplicadas, 10(28), 60-79. https://doi.org/10.25242/8876102820202017

Referências

  1. BERGMANN, Jonathan. Aprendizagem invertida para resolver o problema do dever de casa. Tradução por Henrique de Oliveira Guerra. Porto Alegre: Penso, 2018.
  2. BERGONSI, F. Recursos didáticos e aprendizagem estudantil no ensino superior. In: DEBALDI, B. (org.) Metodologias ativas no ensino superior: o protagonismo do aluno. Porto Alegre: Penso, 2020.
  3. CAMARGO, Fausto; DAROS, Thuine. A sala de aula inovadora: estratégias pedagógicas para fomentar o aprendizado. Porto Alegre: Penso, 2018.
  4. CARABETTA JUNIOR, Valter. A utilização de mapas conceituais como recurso didático para a construção e inter-relação de conceitos. Rev. bras. educ. med., Rio de Janeiro, v. 37, n. 3, p. 441-447, set. 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_ arttext&pid =S0100-55022013000300017&lng= em &nrm=isso. Acesso em: 28 nov. 2019.
  5. BROUGÈRE, Gilles. A criança e a cultura lúdica. In: KISCHIMOTO, Morchida (org.). O brincar e suas teorias. São Paulo: Cengage Learning, 2016.
  6. PEDROSO, Cristina Cinto Araújo; PINTO, Umberto de Andrade. Ações integradoras e de pesquisa na formação inicial do docente polivante: experiências inovadoras em cursos de Pedagogia no Estado de São Paulo. In: PEDROSO, Cristina Cinto Araújo et al. (orgs.). Cursos de Pedagogia: inovações na formação de docentes polivalentes. São Paulo: Cortez, 2019.
  7. ELIAS, Marisa del Cioppo; FELDMANN, Marina Graziela. A busca da interdisciplinaridade e competência nas disciplinas dos cursos de Pedagogia. In: FAZENDA, Ivani Catarina Arantes (coordenadora) Práticas interdisciplinares na escola. 13. ed. rev. e ampl. São Paulo: Cortez, 2013.
  8. FAZENDA, Ivani Catarina Arantes (org.). A academia vai à escola. Campinas: Papirus, 1995.
  9. FAZENDA, Ivani Catarina Arantes. Interdisciplinaridade: definição, projeto, pesquisa. In: FAZENDA, Ivani Catarina Arantes (coordenadora) Práticas interdisciplinares na escola. 13. ed. rev. e ampl. São Paulo: Cortez, 2013.
  10. FIGUEIRÊDO, A. A. F.; QUEIROZ, T. N. A utilização de rodas de conversa como metodologia que possibilita o diálogo. 2013. Disponível em: http://www.fg2013.wwc2017. eventos.dype.com.br/resources/anais/old_20/1384186533_ARQUIVO_AlessandraAniceto.pdf. Acesso em: 17 out. 2019.
  11. FILATRO, A.; CAVALCANTI, C. C. Metodologias INOV-ativas: na educação presencial, a distância e corporativa. São Paulo: Saraiva Educação, 2018.
  12. MACHADO, C. T.; CARVALHO, A. A. Mapa conceitual como ferramenta de aprendizagem no ensino superior. Revista Contexto & Educação, v. 35, n. 110, p. 187-201, 2020. Disponível em: https://revistas.unijui.edu.br/index.php/contextoeducacao/article/view/9071. Acesso em: 28 mar. 2020.
  13. MÉLLO, Ricardo Pimentel et al. Construcionismo, práticas discursivas e possibilidades de pesquisa em psicologia social. Psicol. Soc., Porto Alegre, v. 19, n. 3, p. 26-32, Dec. 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-7182200700 0300005&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 14 out. 2019.
  14. PORTO, C.; SANTOS, E. (orgs.) Facebook e educação: publicar, curtir, compartilhar [online]. Campinha Grande: EDUEPB, 2014.
  15. RELVAS, Marta Pires. Neurociência na prática pedagógica. Rio de Janeiro: Wak Editora, 2012.
  16. RODRIGUES, F. R. A.; CUNHA, G. A. A. da; BRUNO, R. C.. Seminários temáticos como estratégia interdisciplinar de aprendizagem e desenvolvimento de competências em formação avançada. 2015. Disponível em: https://www.conhecer.org.br/enciclop/2015a/ seminarios.pdf. Acesso em: 22 mar. 2020.
  17. TALBERT, Robert. Guia para utilização da aprendizagem invertida no ensino superior. Tradução por Sandra Maria Mallmann da Rosa. Porto Alegre: Penso, 2019.