Main Article Content

Resumo

Os impactos dos estudos sobre gênero nas práticas escolares e no processo de elaboração de documentos oficiais de ensino e de materiais didáticos são evidentes. Desde a publicação dos PCN, no final do século passado, tem crescido significativamente o número de propostas curriculares que atribuem ao gênero um lugar de destaque no ensino de língua materna. Nesse sentido, o ensino na perspectiva dos gêneros parece mesmo um fenômeno irreversível. Em meio a isso, professores têm se inquietado em relação ao que e como devem ensinar gêneros. Assim, este artigo busca investigar como o professor de língua portuguesa tem ressignificado esse ensino. O nosso aporte teórico é constituído por alguns estudos no âmbito da didática das línguas, como os de Schneuwly e Dolz (2004) e Lima (2016), numa interface com a clínica da atividade (AMIGUES, 2004; CLOT,2007), com vistas a compreender melhor a natureza do trabalho com gêneros na sala de aula sob a perspectiva docente. Os dados foram obtidos através da colaboração de duas professoras por meio de entrevista e verbalizações em sessões de autoconfrontação simples. Os resultados apontam para algumas categorias de ressignificação do agir didático com gêneros nas práticas de ambas as professoras.


 

Palavras-chave

Autoconfrontação Simples Ensino Gênero textual Ressignificação

Article Details

Como Citar
Capitó, A., Ferreira, C., & Lima, G. (2020). Ressignificações do Professor de Língua Portuguesa no Agir Didático com Gêneros. Humanas & Sociais Aplicadas, 10(28), 80-97. https://doi.org/10.25242/8876102820202020

Referências

  1. AMIGUES, René. Trabalho do professor e trabalho de ensino. In: MACHADO, Anna Rachel (org.). O ensino como trabalho: uma abordagem discursiva. Londrina: Eduel, 2004, p. 35-54.
  2. BAKHTIN, Mikhail. Os gêneros do Discurso. In: Estética da criação verbal. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003, p. 261-306.
  3. BRONCKART, Jean-Paul. Por que e como analisar o trabalho do professor. In: ___. Atividades de linguagem, discurso e desenvolvimento humano. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2006. Pp.203-229.
  4. CLOT, Yves. Métodos. In: _____. A função psicológica do trabalho. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007. pp.125-150.
  5. DOLZ, Joaquim; NOVERRAZ, Michele e SCHNEUWLY, Bernard. Sequências didáticas para o oral e a escrita: apresentação de um procedimento. In: SCHNEUWLY, Bernard. DOLZ, Joaquim. Gêneros orais e escritos na escola. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2004. p.95-128.
  6. DOLZ, Joaquim e SCHNEUWLY, Bernard. Gêneros e progressão em expressão oral e escrita-elementos para reflexões sobre uma experiência suíça (francófona) In: SCHNEUWLY, Bernard. DOLZ, Joaquim. Gêneros orais e escritos na escola. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2004. p. 35-60.
  7. LIMA, Gustavo Henrique da Silva Lima. O que eu ensino quando ensino gêneros? Um estudo sobre as ressignificações do agir didático do professor de língua portuguesa. (Tese de Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Letras. UFPE. Recife, 2016. 284f.
  8. MACHADO, Anna Rachel et al. Relações entre linguagem e trabalho educacional: novas perspectivas e métodos no quadro do Interacionismo Sociodiscursivo. In: MACHADO, Anna Rachel (org). Linguagem e educação: o trabalho do professor em uma nova perspectiva. Campinas, SP, Mercado de Letras, 2009. pp. 15-30.
  9. MACHADO, Anna Rachel. Ensino de gêneros textuais para o desenvolvimento do professor e de seu trabalho. In: SERRANI, Silvia (org.). Letramento, discurso e trabalho docente. Vinhedo: Editora Horizonte, 2010. p. 160-171.
  10. MARCUSCHI, Luiz Antônio. Gêneros textuais: definição e funcionalidade. In: DIONÍSIO, A. P; MACHADO, A. R; BEZERRA, M. A. (Orgs.). Gêneros textuais & ensino. São Paulo: Editora Lucerna, 2002, p. 19-36.
  11. MARCUSCHI, Luiz Antônio. Gêneros textuais no ensino de língua. In: Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola Editorial, 2008, p. 145-226.
  12. MORELLATO, J. L. H.; SILVA, M. P. A. C. DA; OLIVEIRA CUNHA, T. C.; PUGLIA, V. M. S. A ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NOS ESPAÇOS NÃO ESCOLARES NO MUNICÍPIO DE CAMPOS DOS GOYTACAZES, RJ. Humanas & Sociais Aplicadas, v. 10, n. 27, p. 63-83, 21 fev. 2020.
  13. SANTOS, B. B. de M. A prática docente no Ensino Médio: ressignificando os conhecimentos linguísticos. Dissertação (Mestrado em Linguística). Recife: UFPE, 2017.
  14. SCHNEUWLY, Bernard e DOLZ, Joaquim. Os gêneros escolares-das práticas de linguagem aos objetos de ensino. In: SCHNEUWLY, Bernard. DOLZ, Joaquim. Os gêneros escolares – das práticas de linguagem aos objetos de ensino. In: Gêneros orais e escritos na escola. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2004. p. 61-78.
  15. SCHNEUWLY, Bernard. Le travail enseignant. In: SCHNEUWLY, Bernard; DOLZ, Joaquim. Des objets enseignés en classe de français: le travail de l’enseignant sur la rédaction de textes argumentatifs et sur la subordonnée relative. Genève: Presses Universitaires de Rennes, 2009. p. 29-43.