Main Article Content

Resumo

O presente trabalho apresenta reflexões a partir de uma análise de conteúdo do filme "Onde está Segunda?", lançado em 2017, que tem a narrativa desdobrada entre os anos de 2043 e 2073, retratando as problemáticas de escassez de recursos e a falta de espaço decorrentes do crescimento populacional acelerado. O enredo se debruça sobre a transformação do espaço urbano acompanhada dos avanços tecnológicos e a implantação de políticas públicas, incluindo o controle da natalidade com a “lei de alocação infantil”. Em uma perspectiva ficcionista, mas não distante da realidade atual, a cidade é abordada como palco de contradições no planejamento do espaço e de conflitos sociais sob a ótica das novas condições de vida urbana. Assim, este artigo faz uma interlocução da obra cinematográfica com as literaturas sobre a dinâmica da formação do espaço urbano e suas repercussões nas relações sociais e os processos de projeto na Arquitetura. No filme é possível perceber como se dá o uso da criatividade, da tecnologia e de práticas de processos de projeto na concepção das soluções de problemas de ordem social. No delineamento da análise apresentada, mostra-se como esses fatores, dependendo do modo como são articulados pela gestão, podem condicionar a segregação, inclusive espacial, reforçando as desigualdades sociais.

Palavras-chave

análise de filme arquitetura e urbanismo transformação urbana processo projetual

Article Details

Como Citar
Gomes, Y. C., Santana, A. M., Vieira, N. S., & Oliveira, S. R. C. de. (2020). As transformações urbanas e os processos de projeto na arquitetura: uma reflexão sobre o filme “Onde está segunda?”. Humanas Sociais & Aplicadas, 10(29), 73-86. https://doi.org/10.25242/8876102920202081

Referências

  1. BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. 7. ed. Rio de Janeiro: Editora Bertrand Brasil, 2004. 314 p.
  2. CARDOSO, Diogo; CURA, Sara; VIANA, Willian; QUEIROZ, Luiz; COSTA, Maria. Espacialidades e ressonâncias do patrimônio cultural: reflexões sobre identidade e pertencimento. Revista de Geografia e Ordenamento do Território (GOT), n.º 11 (junho). Centro de Estudos de Geografia e Ordenamento do Território, p. 83–98, jun. 2017.
  3. CARLOS, Ana Fani Alessandri. O lugar no/do mundo. São Paulo: FFLCH, 2007. Disponível em http://www.gesp.fflch.usp.br/sites/gesp.fflch.usp.br/files/O_lugar_no_do_mundo.pdf. Acesso em: 24 mar. 2020.
  4. CARVALHO, Jefferson da Silva; DA COSTA, Aline Couto. Caminhabilidade e acessibilidade para a população idosa: uma análise em Campos dos Goytacazes–RJ. Humanas & Sociais Aplicadas, v. 9, n. 24, 30 abr. 2019.
  5. CORRÊA, Roberto Lobato. Segregação e as áreas sociais; Dinâmica espacial da segregação. In: CORRÊA, Roberto Lobato. O Espaço Urbano. São Paulo: Editora Ática, 1989, p. 59–76.
  6. DO CARMO, Gerson Tavares. Metodologias para gestão de projetos sociais: trajetória de dois casos. Humanas & Sociais Aplicadas, v. 1, n. 2, 24 ago. 2011.
  7. FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários a prática educativa. São Paulo: Paz & Terra, 2002.
  8. GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2019. 230 p.
  9. GRAÇA, Valéria A. Collet; KOWALTOWSKI, Doris C. C. K.; PETRECHE, João R. D. O Projeto Axiomático. In: KOWALTOWSKI, Doris C. C. K; MOREIRA, Daniel de Carvalho; PETRECHE, João R. D.; FABRÍCIO, Márcio M. (orgs) O Processo de Projeto em Arquitetura: da Teoria à Tecnologia. São Paulo: Oficina de Textos, 2011, p. 151–180.
  10. HILÁRIO, Leomir Cardoso. Teoria Crítica e Literatura: a distopia como ferramenta de análise radical da modernidade. Anuário de Literatura, Florianópolis, v.18, n. 2, p. 201–215, 2013.
  11. JACOBS, Jane. Morte e vida das grandes cidades. 2 ed. São Paulo: Martins Fontes, 2011.
  12. KOWALTOWSKI, Doris C. C. K.; BIANCHI, Giovana; PETRECHE, João R. D. A criatividade no processo de projeto. In: KOWALTOWSKI, Doris C. C. K; MOREIRA, Daniel de Carvalho; PETRECHE, João R. D.; FABRÍCIO, Márcio M. (orgs) O Processo de Projeto em Arquitetura: da Teoria à Tecnologia. São Paulo: Oficina de Textos, 2011, p. 21–56.
  13. LAWSON, Bryan. Como arquitetos e designers pensam. Oficina de textos, 2011. 296 p.
  14. MAIA, Amanda Carvalho. Percepções do fenômeno urbano no século XIX sob a ótica literária de Victor Hugo em “Os Miseráveis”. Risco Revista de Pesquisa em Arquitetura e Urbanismo (Online), v. 15, n. 1, p. 114–124, 2 dez. 2017.
  15. MARTINS, Marcelo Henrique. O mal-estar na cidade: O sentido da urbanização em bairros periféricos. Araraquara: Unesp, 2016.
  16. Onde está Segunda?. Direção de Tommy Wirkola. Roteiro: Kerry Williamson e Max Botkin. Netflix, 2017.
  17. PAES, Maria Tereza Duarte. Gentrificação, preservação patrimonial e turismo: os novos sentidos da paisagem urbana na renovação das cidades. Geousp – Espaço e Tempo (Online), v. 21, n. 3, p. 667–684, dez. 2017.
  18. PENAFRIA, Manuela. Análise de filmes: conceitos e metodologia(s). In: VI Congresso SOPCOM. 2009. Disponível em: http://www.bocc.ubi.pt/pag/bocc-penafria-analise.pdf. Acesso em: abr. 2020.
  19. PERELMUTER, Guy. Futuro Presente. O mundo movido à tecnologia. Jaguaré, SP: Companhia Editora Nacional, 2019. 328 p.
  20. SANTOS JÚNIOR, Donarte Nunes; LAHM, Regis Alexandre. A tecnologia: Algumas reflexões socioespaço-temporais. Revista Para Onde!?, v. 2, n. 2, 2008.
  21. SANTOS, Ângela Moulin S. Penalva. Planejamento Urbano: para quê e para quem? Revista de Direito da Cidade, v. 4, n. 1, p. 91–119, 2012.
  22. SANTOS, Milton. A Natureza do Espaço: Técnica e Tempo, Razão e Emoção. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2006.
  23. SILVA, Jonathas Magalhães Pereira. Segregação socioespacial: contradições presentes em Palmas/TO. Risco Revista de Pesquisa em Arquitetura e Urbanismo (Online), n. 9, p. 124–132, 1 jan. 2009.
  24. WARD, Thomas B. Cognition, creativity and entrepreneurship. Journal of business venturing, n. 19, p. 173–188, 2004.