Main Article Content

Resumo

O Brasil ocupa, de acordo com o Levantamento de Informações Penitenciárias (MINISTÉRIO DA JUSTIÇA, 2017), o posto de país com a terceira maior população carcerária no mundo. O Levantamento informa que a população carcerária aumentou cerca de 700% da década de 90 para a atual, contando atualmente com mais de 720.000 presos (mais de 40% destes sem condenação definitiva). Os principais crimes responsáveis pela prisão são o tráfico de drogas (28%), furto e roubo (crimes contra o patrimônio que, somados, chegam a 37%), sendo possível verificar a seletividade penal na escolha dos crimes encarceradores. No entanto, diuturnamente surgem novas leis impondo sanções mais severas, ainda que o sistema carcerário viva, de acordo com o Supremo Tribunal Federal (ADPF 347), o que se denomina “Estado de Coisas Inconstitucional”. No início de 2020, a pandemia de coronavírus trouxe ao Brasil novas questões a respeito da criminalidade e da seletividade. Objetiva-se analisar, em primeiro plano, se os dilemas vivenciados no contexto penal e carcerário, a exemplo da invisibilidade feminina e transexual, dentre outros, decorrem do controle estatal e sua política de superencarceramento e se há medidas capazes de modificar o referido cenário. Demais disso, busca-se verificar se a pandemia de coronavírus resultou em abandono estatal da população carcerária, bem como se implicou aumento da criminalidade e se as medidas anunciadas para sua contenção (se houver) são compatíveis com os direitos e garantias constitucionalmente assegurados aos acusados e presos. O presente projeto utilizará análise documental, a saber, informações extraídas de bases de dados públicas, dados históricos e legislações, e revisão da literatura sobre o tema. O acompanhamento dos dados pretende revelar se o controle estatal, da forma como vem sendo realizado, contribui para a criminalização da pobreza, para o hiperencarceramento e para a seletividade penal, ignorando o “Estado de Coisas Inconstitucional” existente no sistema penitenciário. Espera-se, também, perquirir se a pandemia de coronavírus, que assola o mundo, aumentou a criminalidade no país e, em caso positivo, se as eventuais medidas criadas para sua contenção asseguram os direitos dos acusados ou se estampam o Direito Penal de emergência ou simbólico.

Palavras-chave

Prisão Seletividade penal Criminalidade Coronavírus

Article Details

Como Citar
Huguenin, F. P. da S., Desidério, L. da S. L., Moraes, L. P., Rangel, M. L. D., Fonseca, T. A. da, & Silva, R. A. G. S. da. (2020). Crime e castigo: quem punir e para quê?. Humanas & Sociais Aplicadas, 10(28), 67-68. https://doi.org/10.25242/8876102820202186