Main Article Content

Resumo

O artigo analisa algumas das principais abordagens teóricas do fenômeno do suicídio na história do pensamento ocidental, desde Sócrates até a psicanálise de Freud e Lacan, entendendo-as como exemplos representativos de quatro formas distintas de considerar o autoextermínio, baseadas, por sua vez, em quatro modos específicos de considerar o indivíduo: 1. A “morte feliz” da Antiguidade; 2. A criminalização teológico-cristã da Idade Média; 3. A autonomia racional do sujeito e a maximização da liberdade individual da Modernidade e, por fim, 4. A descoberta do inconsciente pela psicanálise, que desconstrói a ideia de sujeito racional, dando uma nova e radical interpretação ao suicídio.  


 

Palavras-chave

Morte autoinfligida Filosofia Teoria psicanalítica

Article Details

Como Citar
Gondim, D. S. M., & Mousinho Martins, P. (2021). O suicídio na história do pensamento ocidental da antiguidade à psicanálise. Perspectivas Online: Humanas & Sociais Aplicadas, 11(30), 86-103. https://doi.org/10.25242/8876113020212269

Referências

  1. ANDRADE, E. H. R. Psicanálise e sujeitos em situação de drogadição. Perspectivas Online: Humanas & Sociais Aplicadas, v. 3, n. 7, 27 ago. 2013. Disponível em: https://ojs3.perspectivasonline.com.br/humanas_sociais_e_aplicadas/article/view/20/17. Acesso em: 24 out. 2020.
  2. BRUNHARI, M. V. Suicídio: um enigma para a psicanálise. Curitiba: Juruá, 2017.
  3. CARVALHO, S. A morte pode esperar? Clínica psicanalítica do suicídio. Salvador: Associação Científica Campo Psicanalítico, 2014.
  4. DESCARTES. Coleção Os pensadores, São Paulo: Abril Cultural, 1983.
  5. ÉPICURE. Doctrines et maximes. Paris: Ed. Hermann, 1965.Platão, Pensadores, 1972
  6. HECK, J. N. O suicídio como violação de um dever de virtude. In Filosofia Unisinos, 6(1):71-84, jan/abr 2005
  7. FREUD, S. Luto e Melancolia (1915). In: Edição Standard Brasileira das obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, 1974a, vol. XII.
  8. FREUD, S Além do princípio do prazer (1920). In: Edição Standard Brasileira das obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, 1974b, vol. XII.
  9. FREUD, S O problema econômico do masoquismo (1924). In: Edição Standard Brasileira das obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, 1974c, vol. XIX
  10. FREUD, S. O mal estar na civilização (1929). In: Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, 1974d, vol. 21.
  11. GONDIM, D. S. M. Foi por maldade ou por vergonha”? A escuta analítica de uma mulher exposta ao vírus HIV. Perspectivas Online: Humanas & Sociais Aplicadas, v. 4, n. 16, 2010.
  12. HUME, D. Da imortalidade da alma e outros textos póstumos. Ijuí, RS: Editora Unijuí, 2006.
  13. KANT, I. Fundamentação da metafísica dos costumes. Lisboa: Edições 70, 1992.
  14. KANT, I. A metafísica dos costumes. Bauru: Edipro, 2003.
  15. LACAN, J. O Seminário, livro I: os escritos técnicos de Freud (1953-1954). Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1986.
  16. LACAN, J. O Seminário, livro X, A angústia. (1962-1963) Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1992.
  17. LACAN, J. Televisão. (1973) Rio de Janeiro, Campo Freudiano no Brasil. Jorge Zahar, 1993.
  18. LACAN, J. O Seminário, livro XIX, O saber do psicanalista (1971-1972). Publicação não comercial exclusiva para membros do Centro de Estudos Freudianos do Recife. Recife, 1997.
  19. LAPLANCHE; PONTALIS. Vocabulário de psicanálise. Rio de Janeiro: Martins Fontes, 2014.
  20. MONTAIGNE, M. de. Ensaios I: de como filosofar é aprender a morrer. Tradução de Sérgio Milllet. Consultoria Marilena de Souza Chauí. 5. ed. São Paulo: Nova Cultural. Coleção os pensadores. 1991.
  21. NASSER, E. Nietzsche e a morte. Cadernos de Filosofia Alemã: Crítica e Modernidade, n. 11, p. 99-110, 2008. Disponível em: http://www.periodicos.usp.br/filosofiaalema/article/view/ 64790/67407. Acesso em: 31 out. 2020.
  22. NIETZSCHE, F. Assim falou Zaratustra. Trad. de Mário da Silva. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1998.
  23. NIETZSCHE, F. A gaia ciência. Trad. de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.
  24. NIETZSCHE, F. Coleção Os pensadores, SP: Abril Cultural, 1983.
  25. Platão – As leis. Disponível em: https://doc-0g-6c-docs.googleusercontent.com/docs/securesc/ i6tf7b3kvvmme1q1lg44gqbn3qo210c3/mb1vlvcj3scplfgiu2tdbu76lotjsaqs/1587674100000/07340518062902658193/15778797784593618937/1xkBKQtof-hwv3lR-4-Fjs-s6LnpPF6T3?e= view&authuser=0&nonce=b399a1upv4d14&user=15778797784593618937&hash=7ts6dpupconm12eoldoasojf983jmc6e Acesso em: 28 maio 2020.
  26. REY-PUENTE, Fernando. Os filósofos e o suicídio, BH: Ed. UFMG, 2008.
  27. SAMPAIO, R. F.; MANCINI, M. C. Estudos de revisão sistemática: um guia para síntese criteriosa da evidência científica. Rev. bras. fisioter., São Carlos, v. 11, n. 1, p. 83-89, jan./fev. 2007 Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbfis/v11n1/12. Acesso em: 15 nov. 2020
  28. SANTO AGOSTINHO. Confissões. Petrópolis: Ed. Vozes, 1988.
  29. SANTOS, A. dos. Morte e filosofia: uma viagem com Montaigne. 2018Disponível em: www. clinicand.com/2018/04/29/morte-e-filosofia-uma-viagem-com-montaigne/ Acesso em: 27 maio 2020.
  30. SCHOPENHAUER, A. O mundo como vontade e representação, São Paulo: Ed e Publicações Brasil Ed., 1958.
  31. TEIXEIRA, S. C. A Ideia de liberdade em Descartes. 2014. 125f. Dissertação (Mestrado em Filosofia) – Departamento de Filosofia da Faculdade de Filosodia, Arte e Ciências Sociais da Universidade de Uberlândia, Uberlândia (MG), 2014. Disponível em: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/15585. Acesso em: 28 set. 2020.
  32. VENEU, M. G. Ou não ser: uma introdução à história do suicídio no Ocidente. Brasília, Ed. UNB, 1994.