Main Article Content

Resumo

Segundo o “Relatório Digital in 2019”, 95% dos participantes afirmaram que o Youtube é a rede social mais utilizada no Brasil. Devido ao grande número de acessos e à popularidade que a plataforma possui, justifica-se a presente pesquisa.  Os produtores independentes de conteúdo são chamados Youtubes e esses profissionais acumulam números, tanto de inscritos em seus canais quanto em visualizações, tornando-se populares,  conhecidos como influenciadores digitais, alcançando o sucesso nacional e/ou internacional. Esta pesquisa teve como objetivo principal analisar a influência dos Youtubers na formação dos estudantes dos anos finais do Ensino Fundamental. A população da pesquisa totalizou 194 estudantes, distribuídos entre a rede pública e privada de ensino do município de Campos dos Goytacazes, RJ e 2 Youtubers locais. Na metodologia optou-se pela pesquisa bibliográfica e de campos, de caráter qualitativo.  Para a coleta de dados utilizou-se dos instrumentos: entrevista e questionário online da plataforma surveymonkey. Após a análise dos resultados obtidos, pode-se constatar que os estudantes gostam do Youtube; passam de uma a três horas por dia na plataforma; que a motivação para a busca e inscrição nos canais envolve os critérios de originalidade, autenticidade e inteligência e que os segmentos mais acessados são os de humor, música e games. acessados são os de humor, música e games.

Palavras-chave

Influência YouTube Rede Social

Article Details

Como Citar
Silva, K. M. M. da, de Oliveira Cunha, T. C., & Santos , S. F. dos. (2021). A relação entre os estudantes dos anos finais do ensino fundamental e os youtubers. Perspectivas Online: Humanas & Sociais Aplicadas, 11(30), 17-37. https://doi.org/10.25242/8876113020212270

Referências

  1. AGENCIA MOLL. As 10 redes sociais mais usadas no Brasil em 2020. Disponível em: https://agenciamoll.com.br/redes-sociais-mais-usadas-no-brasil/. Acesso em 02 jun. 2020.
  2. BAUMAN, Z. ZYGMUNT BAUMAN: “Vivemos tempos líquidos. Nada é para durar”. [Entrevista cedida a] Adriana Prado. Isto é online. 2007. EDIÇÃO Nº 2636 17/07. Disponível em:https://istoe.com.br/102755_VIVEMOS+TEMPOS+LIQUIDOS+NADA+E+DURAR+/. Acesso em: 10 out. 2019.
  3. BARCELOS, G. T. (2014). REDES SOCIAIS E FORMAÇÃO DE PROFESSORES. Perspectivas Online: Humanas & Sociais Aplicadas, 2(5). Disponível em: https://ojs3.perspectivasonline.com.br/humanas_sociais_e_aplicadas/article/view/62/41. Acesso em: 20 jan. 2021.
  4. BERNARDAZZI, R.; COSTA, M. H. B. V. Produtores de conteúdo no YouTube e as relações com a produção audiovisual. Communicare, São Paulo, v. 17, p. 146-160, 2017. Disponível em: https://casperlibero.edu.br/wp-content/uploads /2017/09/Artigo-7-Communicare-17-Edi%C3%A7%C3%A3o-Especial.pdf. Acesso em: 20 abr. 2020.
  5. BRASIL. Base Nacional Comum Curricular: documento completo. Brasília: MEC/Secretaria de Educação Básica, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf. Acesso em: 11 nov. 2019.
  6. BURGESS, J.; GREEN, J. YouTube e a revolução digital: como o maior fenômeno da cultura participativa transformou a mídia e a sociedade. São Paulo: Aleph, 2009.
  7. COELHO, F.; CAMPOS, M. YouTube: único para todo mundo. 2019. Disponível em: https://www.thinkwithgoogle.com/intl/pt-br/advertising-channels/v%C3%AD deo/youtube-unico-para-todo-mundo/. Acesso em: 10 jun. 2020.
  8. CORTELAZZO, Â. Metodologias ativas e personalizadas de aprendizagem: para refinar seu cardápio. Rio de Janeiro: Alta Books, 2018.
  9. COSTA, E.; MIRANDA, R. Seleção Brasileira ou Youtuber. Revista Alterjor, v. 20, n. 2, p. 42-62, 14 jul. 2019. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/ alterjor/article/view/157739/154454. Acesso em: 20 jun. 2020.
  10. COSTA, T. Quais são as redes sociais mais usadas no Brasil em 2019? Disponível em:https://rockcontent.com/blog/redes-sociais-mais-usadas-no-brasil/. Acesso em: 17 set. 2019.
  11. DIAS, R. C.Resenha: modernidade e identidade. Psicologia & Sociedade, v. 17, n. 3, p. 87-88, 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?Script= sci_arttext&pid=S0102-71822005000300013&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 29 set. 2019.
  12. FAGUNDES, M.M. Competência informacional e geração z: um estudo de caso em duas escolas de Porto Alegre. 2011. 105f. Monografia (Bacharelado em Biblioteconomia). Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 2011. Disponível em: https://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/37536. Acesso em: 28 nov. 2019.
  13. GIL, A. C. Como elaborar projetas de pesquisai. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.
  14. JENKINS, H. Cultura da convergência. Tradução por Suzana Alexandria. São Paulo: Editora Aleph, 2013. Disponível em: https://www.nucleodepesquisado sex-votos.org/uploads/4/4/8/9/4489229/cultura_da_convergencia_-_henry _ jenkins.pdf. Acesso em: 20 mar. 2020
  15. KIUCHI, C.; SILVA, J. O.; GOMES, L. R. R. Youtubers: a nova geração de influenciadores. Revista Científica UMC, v. 3, n. 1, 2018. Disponível em: http://seer.umc.br/index.php/revistaumc/article/view/214/191. Acesso em: 28 out. 2019.
  16. KREMER, A.M.; AKAHOSHI, W.B.; CAVALHEIRO, R.T. A. Comunidade de prática sob a ótica da análise de redes sociais: uma aplicação em uma cooperativa brasileira. Perpectivas Online: Humanas & Sociais Aplicadas, v.7, n.20, p.28-42 , 2017. Disponível em https://ojs3.perspectivasonline.com.br/humanas_sociais_e_aplicadas/article/view/1187/947Acesso em: 20 jan. 2021.
  17. MAURER, A. L. As gerações Y e Z e suas âncoras de carreira: contribuição para a gestão estratégica de operações. 2013, 122f. Dissertação (Mestrado Profissional em Administração). Universidade de Santa Cruz do Sul – UNISC, Santa Cruz do Sul. 2013. Disponível em: https://repositorio.unisc.br/jspui/bitstream/11624 /554/1/AndreMaurer.pdf. Acesso em: 18 set. 2019.
  18. MICHEL, M. H. Metodologia e pesquisa científica em ciências sociais. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2009.
  19. MOSCARDI et al. A influência dos youtubers na vida dos adolescentes. Anais do EVINCI – UniBrasil. 2017. v. 3 n. 1 (2017): Caderno de Resumos - parte 2. Disponível em: https://portaldeperiodicos.unibrasil.com.br/index.php/anaisevinci /article/view/3664/2948. Acesso em 15 jun. 2020.
  20. NASH, M. A indústria dos games respondeu bem à pandemia. 2020. Disponível em: https://www.thinkwithgoogle.com/intl/pt-br/tendencias-de-consumo /a-industria-dos-games-respondeu-bem-a-pandemia-veja-3-ensinamentos-que-podem-impactar-o-seu-marketing/. Acesso em: 14 jul. 2020.
  21. PRENSKY, M. Nativos digitais, imigrantes digitais. 2001. Disponível em:http://poetadasmoreninhas.pbworks.com/w/file/fetch/60222961/Prensky%20-%20Imigrantes%20e%20nativos%20digitais.pdf. Acesso em: 18 set. 2019.
  22. SAMMUR, J. T.; SILVA, P. E. A. L.; CORTEZ, P. A. Profissão Youtuber: uma revisão crítica sobre os impactos do ciberespaço nas definições de profissão e trabalho em comunicação social. Anais Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XX Congresso de Ciências da Comunicação na Região Nordeste–Juazeiro–BA. 2018 Disponível: https://portalintercom.org.br/ anais/nordeste2018/resumos/R62-0019-1.pdf. Acesso em: 28 out. 2019.
  23. SOUSA, B. C. de et al.. A influência dos youtubers na personalidade do adolescente: aprendizagem observacional. In: Anais da Mostra de Pesquisa em Ciência e Tecnologia 2017. Anais...Fortaleza (CE) DeVry Brasil - Damásio - Ibmec, 2019. Disponível em: https//www.even3.com.br/anais/mpct2017/47446-A-INFLUENCIA-DOS-YOUTUBERS-NA-PERSONALIDADE-DO-ADOLESCENTE--APRENDIZAGEM-OBSERVACIONAL. Acesso em: 15 jun. 2020.
  24. TEIXEIRA, H. O que é Influência Social? 2015. Disponível em: http://www.helioteixeira.org/psicologia-social/o-que-e-influencia-social/.Acesso em: 30 nov. 2019.