Main Article Content

Resumo

A pesquisa teve como objetivo comprovar que a intervenção precoce potencializa o desenvolvimento de uma criança com TEA e contribui para um melhor prognóstico. O interesse na abordagem sobre o tema surgiu da necessidade de mostrar que o diagnóstico e tratamento precoces, fundamentados cientificamente, potencializam as chances de remissão das disfunções decorrentes dessa condição. Trata-se de um estudo de caso, de natureza qualitativa, exploratória e descritiva. Utilizou-se de estratégias de intervenção diversificadas, observação clínica, entrevistas e instrumentos avaliativos validados. Os resultados apontaram avanços significativos nas respostas aos estímulos sensoriais, interação, imitação e linguagem. Os processos de intervenção e investigação ocorreram simultaneamente, buscando-se caracterizar o diagnóstico. Percebeu-se que a intervenção precoce é uma estratégia eficiente, com a propriedade de ampliar as conexões neurais, como afirmam os estudos da Neurociência.

Palavras-chave

Transtorno do espectro autista intervenção precoce neuroplasticidade neurociência

Article Details

Como Citar
Viana, K. O. F. L., & Nascimento, S. da S. (2021). Efeitos da intervenção precoce no desenvolvimento de uma criança com TEA: interface entre neurociências e educação. Perspectivas Online: Humanas & Sociais Aplicadas, 11(30), 38-50. https://doi.org/10.25242/8876113020212273

Referências

  1. ALMEIDA, D. P. A.; WAJNSZTEJN, R. Transtorno do Espectro Autista. In: WAJNSZTEJN: A. C.; WAJNSZTEJN, R. Dificuldades escolares: um desafio superável. 3 ed. São Paulo: Pampaideia, 2017, p. 192-195.
  2. AMARAL, A.; OHY, J. Jogos cognitivos: um olhar multidisciplinar. Rio de Janeiro: Wak, 2018.
  3. AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION (APA). Manual de diagnóstico e estatístico de transtornos mentais: DSM-5. Porto Alegre: Artmed, 2014. p. 50-59.
  4. BOSSA, Nadia A. A Psicopedagogia no Brasil: contribuições a partir da prática. 5 ed. Rio de Janeiro: Wak, 2919.
  5. CALOMENI, M. R.; PELLICIARI, B. C.; ARÊAS NETO, N. T.; MARTINS DANTAS, E. H.; SILVA, V. F; Treinamento mental e estimulação cerebral: efeitos na memória de trabalho de crianças com dificuldade de aprendizagem. Perspectivas Online: Humanas & Sociais Aplicadas, v. 8, n. 22, 2018. Disponível em: https://ojs3.perspectivasonline.com.br/humanas_sociais_e_aplicadas/article/view/1214/104 . Acesso em: 20 nov. 2020.
  6. COSENZA; R. M.; GUERRA, L. B. Neurociência e educação: como o cérebro aprende. Porto Alegre: Artmed, 2011.
  7. CUNHA, E. Autismo e inclusão: psicopedagogia e práticas educativas na escola e na família. 7 ed. Rio de Janeiro: Wak, 2017.
  8. CUNHA, E. Autismo na escola: um jeito diferente de aprender, um jeito diferente de ensinar. Rio de Janeiro: Wak, 2018.
  9. DIAS, F. M.A.; PESSANHA, R. G. B.; NICOLARU, C. C. B. A. A inter-relação entre memória e aprendizagem. Perspectivas Online: Humanas & Sociais Aplicadas, v. 8, n. 21, 2018. Disponível em: https://ojs3.perspectivasonline.com.br/humanas_sociais _e_aplicadas/article/view/1345/1010. Acesso em: 20 nov. 2020.
  10. FERNÁNDEZ, Alicia. A inteligência aprisionada: abordagem psicopedagógica clínica da criança e sua família. Porto Alegre: Artes Médicas, 1991.
  11. RELVAS, M. P. Neurociência e transtornos de aprendizagem: as múltiplas eficiências para uma educação inclusiva. 6. ed. Rio de Janeiro: Wak, 2015.
  12. RELVAS, M. P. Que cérebro é esse que chegou à escola? as bases neurocientíficas da aprendizagem. 3. ed. Rio de Janeiro: Wak, 2017.
  13. RELVAS, M. P. Sob o comando do cérebro: entenda como a neurociência está no seu dia a dia. Rio de Janeiro: Wak, 2014.
  14. ROTTA, N. T.; OHLWLWEILER, L.; RIESGO, R. S. Transtornos da aprendizagem: abordagem neurobiológica e multidisciplinar. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2016.
  15. TEIXEIRA, G. Manual do Autismo. 2. ed. Rio de Janeiro: BestSeller, 2016.
  16. WHITMAN. T. L. O. Desenvolvimento do autismo: social, cognitivo, linguístico, sensório-motor e perspectivas biológicas. São Paulo: M. Books do Brasil, 2015.