Main Article Content

Resumo

Neste estudo objetivou-se analisar a relação entre os construtos do comportamento planejado e as lideranças, transformacional e transacional. A metodologia é aplicada, quantitativa, descritiva, utilizando-se como procedimento técnico a pesquisa de levantamento. Os dados foram obtidos por meio da aplicação de questionário a partir das escalas de Intenção Empreendedora, de Liñán e Chen (2009), e de Liderança, de Fonseca e Porto (2013). Participaram da pesquisa 96 alunos de um curso de graduação em Ciências Contábeis. Os dados foram analisados por meio de estatística descritiva e Correlação de Spearman. Na estatística descritiva auferiu-se alto nível de liderança entre os estudantes, especialmente a transformacional. Para a escala de intenção, atitudes pessoais e normas subjetivas obtiveram razão alta, evidenciando para a primeira o sentimento que o estudante tem sobre ser ou não um empreendedor, e para a segunda, que as pessoas que estão à volta desses alunos interferem em suas decisões quanto a empreender, principalmente os familiares, pais e irmãos, e o cônjuge. A correlação revelou associação forte entre as lideranças transformacional e transacional, e associação forte entre atitude pessoal e intenção empreendedora, não demonstrando correlação significativa entre as escalas. Todavia, a análise reforçou que as atitudes pessoais determinam significativa e positivamente a intenção empreendedora. Esta pesquisa contribui para a compreensão de aspectos comportamentais em alunos, incentivando o desenvolvimento de um comportamento mais empreendedor e instigando esses futuros profissionais à liderança.

Palavras-chave

Comportamento empreendedor Liderança transformacional Liderança transacional Intenção Empreendedora

Article Details

Biografia do Autor

Cristiane Krüger, Universidade Federal de Santa Maria

Bacharela em Ciências Contábeis pela Universidade da Região da Campanha (2012), Mestra em Administração pela Universidade Federal de Santa Maria (2016). Doutora em Administração pela Universidade Federal de Santa Maria (2019). Atualmente é professora adjunta do curso de Ciências Contábeis na Universidade Federal de Santa Maria.

Marcella Lima Borré, Universidade Federal de Santa Maria

Graduada em Ciências Contábeis pela Universidade Federal de Santa Maria - UFSM.

Luis Felipe Dias Lopes, Universidade Federal de Santa Maria/Departamento de Ciências Administrativas

Professor Titular do Depto. de Ciências Administrativas / Programa de Pós-graduação em Administração da Universidade Federal de Santa Maria. Líder do Grupo de Pesquisa: COMPORTAMENTO INOVADOR, ESTRESSE E TRABALHO. Graduação em Matemática pela Faculdade Imaculada Conceição (1988), mestrado em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Maria (1994) e doutorado em Engenharia de Produção e Sistemas pela Universidade Federal de Santa Catarina (2001).

Cláudia de Freitas Michelin, Universidade Federal de Santa Maria/Departamento de Ciências Contábeis

Possui magistério, graduação em Ciências Contábeis pelas Unidades Integradas de Ensino Superior do Vale do Jacuí (1996), Especialização em Gestão e Estratégia Empresarial pela Universidade Luterana do Brasil - ULBRA (2006). Mestrado em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Maria - UFSM (2011). Doutorado em Administração pela Universidade Federal de Santa Maria - UFSM (2018). Atualmente é Professora Adjunta na Universidade Federal de Santa Maria - UFSM (2019), no Centro de Ciências Sociais e Humanas, Curso de Ciências Contábeis.

Como Citar
Krüger, C., Lima Borré, M., Dias Lopes, L. F., & de Freitas Michelin, C. (2021). O binômio liderança-empreendedorismo: uma análise a partir da teoria do comportamento planejado. Perspectivas Online: Humanas & Sociais Aplicadas, 11(31), 26-45. https://doi.org/10.25242/8876113120212305

Referências

  1. AJZEN, I. Nature and Operation of Attitudes. Annual Review of Psychology, v. 52, p. 27-58, 2001. https://doi.org/10.1146/annurev.psych.52.1.27
  2. AJZEN, I. The theory of planned behavior. Organizational Behavior and Human Decision Processes, v. 50, p. 179-211, 1991. https://doi.org/10.1016/0749-5978(91)90020-T
  3. ALMEIDA, F. M.; VALADARES, J. L.; SEDIYAMA, G. A. S. A contribuição do empreendedorismo para o crescimento econômico dos estados brasileiros. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, v. 6, n. 3, p. 466-494, 2017. http://dx.doi.org/10.14211/regepe.v6i3.552
  4. ARMOND, A. C.; NASSIF, V. M. J. A Liderança Como Elemento Do Comportamento Empreendedor: Um Estudo Exploratório. RAM – Revista de Administração Mackenzie, v. 10, n. 5; São Paulo, SP, Set./Out. 2009. https://dx.doi.org/10.1590/S1678-69712009000500005
  5. AVOLIO, B. J.; WALUMBWA, F. O.; WEBER, T. J. Leadership: Current theories, research, and future directions. Annual Review of Psychology, v. 60, p. 421-449, 2009. https://doi.org/10.1146/annurev.psych.60.110707.163621
  6. BARBOSA, F. M.; GAMBI, L. N.; GEROLAMO, M. C. Liderança e gestão da qualidade – um estudo correlacional entre estilos de liderança e princípios da gestão da qualidade. Revista Gest. Prod., São Carlos, v. 24, n. 3, p. 438-449, 2017. http://dx.doi.org/10.1590/0104-530X2278-16
  7. BASS, B. M. Two decades of research and development in transformational leadership. European Journal of Work and Organizational Psychology, v. 8, n. 1, p. 9-32, 1999. https://doi.org/10.1080/135943299398410
  8. BASS, B. M.; RIGGIO, R. E. Transformational Leadership. 2 ed. New York: Psychology Press, 2006.
  9. BERGAMINI, C. W. Liderança: administração do sentido. 2. ed. São Paulo: Altas, 2009.
  10. CAVALHEIRO, G. M.; KRÜGER, C.; ZONATTO, V. C. S.; KACZAM, F.; SILVA, L. I. Intenção empreendedora e motivação para aprender em graduandos do Curso de Ciências Contábeis da UFSM. Anais do XXIII SEMEAD, São Paulo, Brasil, 23, 2020. Recuperado em 15 de março de 2021, de https://login.semead.com.br/23semead/anais/arquivos/923.pdf?
  11. FISHBEIN, M.; AJZEN, I. Belief, attitude, intention and behavior: an introduction to theory and research. Reading, MA: Addison-Wesley, 1975. Recuperado em 20 de março de 2021, de https://people.umass.edu/aizen/f&a1975.html
  12. FONSECA, A. M. O.; PORTO, J. B.; BARROSO, A. C. O efeito de valores pessoais nas atitudes perante estilos de liderança. Revista de Administração Mackenzie, v. 13, n. 3, p. 122-149, mai./jun., 2012. https://doi.org/10.1590/S1678-69712012000300007
  13. FONSECA, A. M. O.; PORTO, J. B. Validação fatorial de escala de atitudes frente a estilos de liderança. Avaliação Psicológica, v. 12, n. 2, p. 157-166, 2013. Disponível em . Acesso em 28 mar. 2021.
  14. FONSECA, J. S.; MARTINS, G. A. Curso de estatística. 6. ed. São Paulo: Atlas, 1996.
  15. GERHARDT, T. E.; SILVEIRA, D. T. Métodos de pesquisa. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009.
  16. GIEURE, C; BENAVIDES-ESPINOSA, M. D. M.; ROIG-DOBÓN, S. The entrepreneurial process: the link between intentions and behavior. Journal of Business Research, v. 112, p. 541-548, 2020. https://doi.org/10.1016/j.jbusres.2019.11.088
  17. GUERRA, R. M. de A.; TARTAROTTI, S.; CAMARGO, M. E. Liderança transacional e transformacional: uma análise fatorial exploratória sobre as variáveis influenciadoras. Revista eletrônica de administração e turismo, v. 12, n. 6, p. 1482-1502, jan./jun. 2018. https://doi.org/10.15210/reat.v12i6.12785
  18. HAIR JR., J. F. P.; BABIN, B.; MONEY, A. H.; SOMOUEL, P. Fundamentos de métodos de pesquisa em Administração. São Paulo: Bookman, 2007.
  19. HAIR JR., J. F.; BLACK, W. C.; BABIN, B. J.; ANDERSON, R. E.; TATHAM, R. L. Análise multivariada de dados. Tradução de Adonai Schlup Sant’Anna. 6. ed. Porto Alegre: Bookman, 2009.
  20. HULLEY, S. B.; CUMMINGS S. R.; BROWNER, W. S.; GRADY, D.; HEARST, N.; NEWMAN, T. B. Delineando a pesquisa clínica: uma abordagem epidemiológica. 2. ed. Porto Alegre: Editora Artmed; 2003.
  21. KRÜGER, C.; BÜRGER, R. E.; MINELLO, I. F. O papel moderador da educação empreendedora diante da intenção empreendedora. Revista Economia & Gestão, v. 19, n. 52, p. 61-81, 2019. https://doi.org/10.5752/P.1984-6606.2019v19n52p61-81
  22. KRÜGER, C.; MINELLO, I. F. Afinal, o que é intenção empreendedora? Uma revisão sistemática da pesquisa científica. Empreendedorismo, Gestão e Negócios, v. 8, n. 8, 2019, p. 618-644.
  23. KRÜGER, C.; RAMOS, L. F. Comportamento Empreendedor, a partir de Características Comportamentais e da Intenção Empreendedora. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, v. 9, n. 4, p. 528-555, 2020. http://dx.doi.org/10.14211/regepe.v9i4.1544.
  24. LEE, L.; WONG, P. K.; FOO, M. D.; LEUNG, A. Entrepreneurial intentions: the influence of organizational and individual factors. Journal of Business Venturing, v. 26, p. 124-136, 2011. https://doi.org/10.1016/j.jbusvent.2009.04.003
  25. LIÑÁN, F.; CHEN, Y. W. Development and cross–cultural application of a specific instrument to measure entrepreneurial intentions. Entrepreneurship theory and practice, v. 33, n. 3, p. 593-617, 2009. https://doi.org/10.1111/j.1540-6520.2009.00318.x
  26. LIÑÁN. F.; RODRÍGUEZ-COHARD, J. C. RUEDA-CANTUCHE, J. M. Factors affecting entrepreneurial intention levels: a role for education. International Entrepreneurship and Management Journal, v. 7, p. 195–218, 2011. https://doi.org/10.1007/s11365-010-0154-z
  27. LOPES, L. F. D. Métodos Quantitativos Aplicados ao Comportamento Organizacional. Voix. 1ed. Santa Maria: Voix, 2018.
  28. MARTINS, F. S.; SANTOS, E. B. A.; SILVEIRA, A. Intenção Empreendedora: Categorização, Classificação de Construtos e Proposição de Modelo. BBR. Brazilian Business Review, v. 16, n. 1, p. 46-62, 2019. https://dx.doi.org/10.15728/bbr.2019.16.1.4
  29. MICHELIN, C. F.; MINELLO, I. F.; SILUK, J. C. M.; SANTOS, J. R. G.; GERHARDT, V. J.; STIELER, E. G. Mensuração do comportamento empreendedor como norteador de competitividade em startups na fase inicial do negócio. Revista Espacios, v. 42, n. 2, 2021. DOI: 10.48082/espacios-a21v42n02p14
  30. MINELLO, I. F.; BÜRGER, R. E.; KRÜGER, C. Características Comportamentais Empreendedoras: um estudo com acadêmicos de administração de uma universidade brasileira. Rev. Adm. UFSM, Santa Maria, v. 10, Edição Especial, p. 72-91, 2017. https://doi.org/10.5902/1983465924894
  31. NABI, G.; WALMSLEY, A.; LIÑÁN, F.; AKHTAR, I.; NEAME, C. Does entrepreneurship education in the first year of higher education develop entrepreneurial intentions? The role of learning and inspiration. Studies in Higher Education, v. 43, n. 3, p. 452-467, 2018. https://doi.org/10.1080/03075079.2016.1177716
  32. NORTHOUSE, P. G. Introduction to leadership: concepts and practice. 4. ed. Califórnia: Sage Publications, 2017.
  33. OLIVEIRA, C. G.; SILVA, V. de T. L. D. M.; SOARES, F. C. M. Desvio padrão e imprecisão de leitura: Paquímetro. Caderno de Graduação das Ciências Exatas e Tecnológicas, v. 5, n. 3, p. 27, 2019. Disponível em: . Acesso em: 29 mar. 2021.
  34. PAIVA, L.; SOUSA, E.; LIMA, T.; SILVA, D. Comportamento planejado e crenças religiosas como antecedentes da intenção empreendedora: um estudo com universitários. Revista de Administração Mackenzie, v. 21, n. 2, p. 1-29, 2020. https://doi.org/10.1590/1678-6971/eramg200022
  35. REIS, T. B.; SOUZA, B. A.V. Investigação sobre a intenção empreendedora (ia) dos universitários de Campos dos Goytacazes. Humanas Sociais & Aplicadas, v. 9, n. 25, 2019. https://doi.org/10.25242/887692520191846
  36. REIS, T. B. dos; ARAÚJO, S. J. de; SOUZA, V. H. T. de; MANHÃES, L. A. R.; MACHADO, G. S. Estudo sobre os fatores que influenciam a intenção empreendedoras dos universitários e egressos. Humanas Sociais & Aplicadas, v. 10, n. 28, p. 27-30, 2020.
  37. https://doi.org/10.25242/8876102820202200
  38. SAMPIERI, R. H.; COLLADO, C. F.; LUCIO, M. D. P. B. Metodologia de pesquisa. 5. ed. Porto Alegre: Penso, 2013.
  39. SCHAEFER, R.; MINELLO, I. F. Mentalidade empreendedora: o modo de pensar do indivíduo empreendedor. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, v. 6, n. 3, p. 495-524, 2017. http://dx.doi.org/10.14211/regepe.v6i3.422
  40. SCHMIDT, P.; OTT, E.; SANTOS, J. L. dos.; FERNANDES, A. C. Perfil dos alunos do curso de Ciências Contábeis de instituições de ensino do sul do Brasil. Contexto, v. 12, n. 21, p. 87-104, 2012. Disponível em . Acesso em 28 mar. 2021.
  41. SILVA, L. M. da; KRÜGER, C.; MINELLO, I. F.; GHILARDI, W. J. Empregado ou Empresário? A Intenção Empreendedora de Alunos de Graduação em Ciências Contábeis. Saber Humano, v. 9, p. 77-109, 2019. https://doi.org/10.18815/sh.2019v9n14.355
  42. SOUZA, B. R.; SOUZA, C. D. J.; COSTA, D. R. B.; ANJOS, G. D. C.; BATISTA JR., G. D. S.; OLIVEIRA, L. D.; MOREIRA, R. J. M. Atitudes empreendedoras e o mercado profissional. Revista Expressão, n. 5, p. 1-23, 2013.
  43. SOUZA, R. S. Intenção empreendedora: validação de modelo em universidades federais do Mato Grosso do Sul. 2015.113 p. Tese de Doutorado (Doutoranda em Administração) - Universidade Nove de Julho, São Paulo, 2015. Disponível em < https://repositorio.ufms.br:8443/bitstream/123456789/2705/1/Roosiley%20dos%20Santos%20Souza.pdf>. Acesso em 29 mar. 2021.
  44. THOMPSON, E. R. Individual Entrepreneurial Intent: Construct Clarification and Development of an Internationally Reliable Metric. Entrepreneurship Theory and Practice, v. 33, n. 3, p. 669-694, 2009. https://doi.org/10.1111/j.1540-6520.2009.00321.x
  45. VERGARA, S. C. Projetos e relatórios de pesquisa em Administração. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2015.