Main Article Content

Resumo

Caminhar pelo espaço urbano pode propiciar trocas e atividades sociais durante o percurso do pedestre, além de constituir a forma de deslocamento mais natural, saudável, econômica e limpa para curtos trajetos, integrando ainda grande parte das viagens de transporte coletivo. No entanto, o ato de caminhar é sensível às condições ambientais e nem sempre nos deparamos com uma estrutura viária amigável para o pedestre. Estudar a caminhabilidade em regiões da cidade permite avaliar as condições do espaço urbano. Esse artigo buscou analisar a caminhabilidade no entorno de duas praças públicas inseridas na paisagem urbana da cidade de Campos dos Goytacazes – Praça do Santíssimo Salvador e Praça Santo Antônio – utilizando 15 indicadores para compor um Índice de Caminhabilidade, com classificações que variam de insuficiente a ótimo. Essa análise teve como propósito promover um novo olhar sobre o meio urbano sob a ótica do pedestre e foi dividida em seis diferentes categorias: calçada; mobilidade; atração; segurança viária; segurança pública; e ambiente. A análise resultou em um Índice de Caminhabilidade classificado como “bom” na Praça do Santíssimo Salvador e como “suficiente” na Praça Santo Antônio, demonstrando que o espaço destinado ao pedestre é mais bem estruturado na região central da cidade.

Palavras-chave

Caminhabilidade Praças Pedestres Índice de Caminhabilidade

Article Details

Como Citar
Torres, T. F., & Lettieri, A. P. P. de C. (2021). Avaliação do índice de caminhabilidade em espaços livres públicos: um estudo de caso no entorno de duas praças do município de Campos dos Goytacazes/RJ. Perspectivas Online: Humanas & Sociais Aplicadas, 11(33), 49-75. https://doi.org/10.25242/8876113320212315

Referências

  1. ABRASPE – Associação Brasileira de Pedestres. O pedestre: 13 condições para torná0lo feliz. São Paulo, 21 p., 2000.
  2. D'ALMEIDA, U. G. Caminhabilidade e os Conjuntos Habitacionais Populares: o caso do conjunto Santa Rosa em Campos dos Goytacazes/RJ. Anais do I SiBOGU - Simpósio Brasileiro Online de Gestão Urbana. Tupã/SP: ANAP, 2017. p. 236-249.
  3. GEHL, J. Cidades Para Pessoas. Trad. Anita Di Marco. 3ª Edição. São Paulo, Perspectiva, 262 p., 2015.
  4. IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Biblioteca. Disponível em: Acesso em: 06/06/2020.
  5. ITDP, Instituto de Políticas de Transportes e Desenvolvimento. Índice de Caminhabilidade – Ferramenta. Versão 2.0. 66 p. Brasil, 2018.
  6. JACOBS, J. Morte E Vida De Grandes Cidades. São Paulo, WMF Martins Fontes, 2001.
  7. LETTIERI, A. P. P. C. Espaços livres públicos e a vida nas cidades: usos e apropriações de três praças localizadas em Campos dos Goytacazes/RJ. Dissertação (Mestrado em Planejamento Regional e Gestão da Cidade) – Universidade Candido Mendes. Campos dos Goytacazes, 217 p., 2019.
  8. NUCCI, J. C. Qualidade ambiental e adensamento urbano: um estudo de ecologia e planejamento da paisagem aplicado ao distrito de Santa Cecília (MSP). Curitiba, 150 p., 2008.
  9. SPECK, J. Walkable City: How Downtown Can Save America, One Stepat a Time. 1st Edition.New York: Farrar, StrausandGiroux, 306 p., 2012.