Main Article Content

Resumo

A Síndrome de Tourette tem sua definição no DSM-V como: “Uma desordem neurológica que se torna evidente na infância ou início da adolescência. Os primeiros sintomas geralmente são movimentos involuntários (tiques) da face, braços, pernas ou tronco. Estas manifestações são frequentes, repetitivas e rápidas. O primeiro sintoma mais comum é um tique facial (piscar de olhos, nariz contração, careta), e é substituído ou adicionado por outros tiques do pescoço, tronco e membros. ” E devido ao baixo nível de conhecimento a respeito dessa Síndrome, ocorre uma dificuldade de inclusão escolar com as crianças portadoras da mesma, já que os profissionais que estão nesse meio não sabem lidar com elas. Este estudo tem como objetivo investigar as possibilidades e métodos que são utilizados para fornecer informação e facilitar a inclusão dos portadores da Síndrome de Tourette na escola. A metodologia utilizada envolveu pesquisa bibliográfica sobre a origem da Síndrome de Tourette, o aprofundamento que se tem desta hoje em dia e leitura sobre o esclarecimento a respeito da inclusão destas crianças no âmbito escolar. O portador da Síndrome de Tourette possui uma dificuldade de se relacionar socialmente com as pessoas, já que seus tiques causam estranheza e afastamento das pessoas que não sabem lidar. Em uma sala de aula as crianças e professores que se relacionam com um portador da síndrome podem, no primeiro instante, ter a tendência de se afastar e até mesmo destratar, o que pode causar um medo e um trauma nessa criança. Mas, hoje em dia os indivíduos possuem mais conhecimento a respeito da síndrome e por isso ocorre uma facilitação no processo de inclusão escolar. A Associação Brasileira de Síndrome de Tourette, Tiques e Transtornos Obsessivos Compulsivos disponibiliza um “Guia para professores sobre a Síndrome de Tourette”, que contém informações, exemplos e dicas que servem de auxílio para o professor e qualquer profissional da área de educação para melhor convívio e facilitação da inclusão da criança portadora desta síndrome. A existência de Associação e núcleos voltados diretamente para falar sobre a síndrome abriu um espaço para que os órgãos de educação busquem mais conhecimento, procurem se adaptar e informar seus profissionais a cerca desta. Quanto maior a informação, mais fácil e natural será a inclusão dos portadores da síndrome na escola, permitindo que seu desenvolvimento nas áreas sociais e educacionais sejam iguais a de uma criança que não é portadora da síndrome. Palavras-chave: Escolar, Tiques, Tourrete, Síndrome.

Article Details

Como Citar
DE OLIVEIRA, C., BARROS, I., DIAS, J., & BARRETO, E. (2015). SÍNDROME DE TOURETTE E A POSSIBILIDADE DE INCLUSÃO ESCOLAR. Humanas & Sociais Aplicadas, 5(14). https://doi.org/10.25242/88765142015869